Menu
Busca terça, 29 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
LEGISLATIVO

Com 42 registros em MS, deputado Marçal propõe Semana de Combate ao Trabalho Escravo

05 março 2020 - 15h05Por Da Redação

O deputado estadual Marçal Filho (PSDB) apresentou na sessão ordinária desta quinta-feira (5), na Assembleia Legislativa, Projeto de Lei que institui em Mato Grosso do Sul a Semana Estadual de Combate ao Trabalho Escravo ou Análogo. No ano passado, 42 pessoas foram resgatadas. “Este número representa mais que o dobro de pessoas resgatadas em 2017. Resta evidente a necessidade de intensificar ações de vigilância e enfrentamento”, argumentou o deputado ao apresentar o projeto.  

Conforme a proposta, na semana em que se inserir o dia 28 de janeiro, data em que se celebra o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, deverão ser realizadas ações para sensibilizar a sociedade civil e poder público sobre a necessidade de vigilância e enfretamento constantes ao problema.

“Provocar reflexões, manifestações e informações sobre o trabalho escravo e mobilizar a sociedade para sua erradicação são os objetivos do projeto. Segundo a Subsecretaria de Inspeção do Trabalho, em 2019 foram fiscalizados 267 estabelecimentos, sendo encontrados 1.054 trabalhadores em condições análogas à escravidão no País. Atualmente, existem 1.700 procedimentos ativos em investigação e acompanhamento nas 24 procuradorias regionais do Ministério Público do Trabalho”, disse durante a justificativa.

Marçal também apresentou dados do Observatório Digital do Trabalho Escravo. “Entre 2003 e 2018, aproximadamente 45 mil trabalhadores foram resgatados e libertados do trabalho análogo à escravidão. Isso significa uma média de pelo menos oito trabalhadores resgatados a cada dia. Nesse período, a maioria das vítimas era do sexo masculino, entre 18 e 24 anos. O perfil dos casos também comprova que o analfabetismo ou a baixa escolaridade tornam o indivíduo mais vulnerável a esse tipo de exploração, já que 31% eram analfabetos e 39% não haviam sequer concluído o 5º ano”, afirmou.

Se aprovado o projeto, poderão ser desenvolvidas durante a semana de combate ao trabalho escravo, ações para a conscientização da sociedade, por meio de procedimentos informativos, educativos, palestras, audiências públicas, seminários, conferências e a produção de material explicativo, online ou impresso, de forma a atingir os objetivos da Lei.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

DEPUTADOS
Falta de consenso na Câmara adia instalação da Comissão de Orçamento
MEDIDAS SANITÁRIAS
Polícia flagra 'algazarra' com adolescentes e bebidas alcoólicas
PANDEMIA
Com novo feriado chegando, Saúde alerta para situação da Covid em MS
BRASIL
Financiamento Estudantil abrirá inscrições para 50 mil vagas remanescentes
DOURADOS
Convênio prevê 60 parcelas de R$ 215 mil para Missão Caiuá
CORUMBÁ
Mulher é autuada por atear fogo em resíduos na região do Pantanal
MATO GROSSO DO SUL
Neno Razuk distribui R$ 1,2 mi em emendas e realiza ações contra a Covid-19 durante a pandemia
FUTEBOL
Com vitórias simples nesta terça, Grêmio e Inter irão às oitavas da Libertadores
É LEI EM MS
Trote vai render multa de R$ 400 em MS
DOURADOS
Prefeitura aciona a Justiça para fazer licitação de R$ 23 milhões barrada pelo TCE

Mais Lidas

POLÍCIA
Comerciante morre em acidente na MS-276
REGIÃO
Homem que disse ter encontrado mulher morta volta atrás e confessa feminicídio
LAGUNA CARAPÃ
Homem sente falta de esposa, vai procurar e a encontra morta em poço
DOURADOS
Festa com mais de cem pessoas é encerrada no Novo Horizonte