Menu
Busca quinta, 02 de julho de 2020
(67) 99659-5905
JUSTIÇA

Cabeleireira condenada por matar manicure tem pena mínima negada

28 fevereiro 2020 - 12h05Por Da Redação

Por unanimidade, os desembargadores da 2ª Seção Criminal julgaram parcialmente procedente a revisão criminal interposta por uma cabeleireira, condenada a 16 anos de reclusão, 1 ano e 2 meses de detenção e ao pagamento de 10 dias-multa pelo assassinato de uma manicure.
 
A cabeleireira sustenta ter havido desrespeito ao princípio da proporcionalidade na fixação da pena-base e que a redução pelo reconhecimento das atenuantes de confissão espontânea e menoridade relativa se deu de modo desproporcional.
 
A defesa requereu a revisão da dosimetria no que tange à conduta social e personalidade da ré, com a redução da pena-base ao mínimo legal, bem como para aumentar o patamar de redução de pena para 2/6 pela incidência da confissão e da menoridade. Subsidiariamente, buscou a aplicação do redutor de 1/6 para cada atenuante.
 
Consta do processo que a ré foi condenada pelo crime previsto no art. 121, §2º, incisos I e IV, do Código Penal, em concurso material com art. 12, da Lei nº 10.826/2003, porque na tarde do dia 15 de janeiro de 2016, na região conhecida como “Cachoeira do Ceuzinho”, na Capital, agindo em concurso com outra mulher e uma adolescente, a ré desferiu três tiros na manicure, tendo um deles atingido o maxilar da vítima, resultando em sua queda no precipício e consequente morte.
 
O relator do processo, Des. Jairo Roberto de Quadros, lembrou que somente se admite a revisão nas hipóteses do art. 621 do Código de Processo Penal, que dispõe sobre a revisão de processos findos, e citou que independentemente do posicionamento a ser adotado em relação ao mérito, a ré buscou apreciação da dosimetria, matéria possível de ser conhecida de ofício.
 
O desembargador apontou ainda que a mulher que participou do crime com a ré e a adolescente teve embargos infringentes providos para neutralizar as moduladoras de conduta social e personalidade da agente, bem como para aplicar a fração de 1/6 pelo reconhecimento das duas atenuantes.
 
“Mantida a valoração negativa da culpabilidade, não há que se falar na fixação da pena-base em seu mínimo legal. (…) No entanto, verifica-se a possibilidade de se estender nesta revisão os efeitos do acórdão referente ao processo da corré, porque a situação jurídica concernente à dosimetria é idêntica e não existe o caráter exclusivamente pessoal. Logo, conheço da revisão criminal e dou parcial provimento para estender os efeitos dos embargos infringentes em que prevaleceu a fixação do patamar de 1/6 relativo às atenuantes de confissão espontânea e menoridade relativa”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

LEÃO
Entrega do Imposto de Renda com atraso tem multa a partir de hoje
MATO GROSSO DO SUL
Hotel deve indenizar pais de vítima que morreu afogada
DOURADOS
Aced distribui informativo, máscaras e cartazes de incentivo ao comércio
BRASIL
Plano Safra terá mais recursos e menos juros
MATO GROSSO DO SUL
Decreto reconhece crédito extraordinário aberto pelo Poder Executivo
BELA VISTA
Assentado é multado por exploração ilegal de madeira e desmatamento
ECONOMIA
Dólar tem forte queda e fecha a R$ 5,31 no 1º pregão de julho
PONTA PORÃ
Homem é encontrado morto embaixo de árvore e suspeita é que ventania gerou acidente
TRÁFICO DE DROGAS
Homem é preso ao transportar 260 kg de maconha em “mocó” de caminhão
POLÍCIA
DOF bate recorde de apreensões de droga no 1° semestre do ano com 109 t

Mais Lidas

REGIÃO
'Ciclone bomba' traz ventos fortes e alertas de granizo, chuvas e queda de temperatura a Dourados
TEMPO
Ceptec faz alerta de ventos de até 80km/h para Dourados e região
PANDEMIA
MS soma mais cinco mortes de coronavírus; morador de rua douradense é uma das vítimas
POLÍCIA
Dupla é presa por tráfico de drogas no Dioclécio Artuzi