quinta, 22 de fevereiro de 2024
Dourados
24ºC
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
POLÍCIA

Brasil pede extradição de dez paraguaios presos por tráfico de armas

06 dezembro 2023 - 21h35Por Da Redação

A Justiça brasileira solicitou a extradição de dez cidadãos paraguaios presos nesta terça-feira, dia 05 de dezembro, no âmbito da Operação Dakovo, que desmantelou rede internacional de tráfico de armas. Entre eles estão duas mulheres, integrantes das Forças Armadas do país vizinho.

Segundo o site Campo Grande News, trazidas por uma empresa paraguaia de países do leste europeu, pelo menos 43 mil armas curtas e longas foram parar nas mãos de bandidos de facções criminosas brasileiras, especialmente PCC (Primeiro Comando da Capital) e Comando Vermelho.

Nesta quarta-feira (6), a Fiscalía (órgão equivalente ao Ministério Público) revelou que o Brasil quer a extradição das vendedoras de armas Maria Mercedes Ocampos, 31, e Eliane Magali Marengo Subeldia, 36; dos traficantes de armas Manuel Antonio Gómez Ojeda, 46, Arnaldo Andres Cubas Cantero, 31, e Angel Antonio Flecha Barrios, 45; do vendedor de armas Aldo Cantero Cáceres, 45; do doleiro Ricardo Luis Morra Gadea, 36; do traficante de armas Julio César Cubas Cantero, 39; da capitã e ex-chefe de controle da Dimabel Josefina Cuevas Galeano, 35; e da primeira-tenente Cinthia Maria Turro Braga, 40, ex-assessora jurídica do Registro Nacional de Armas.

De acordo com investigações da Polícia Federal brasileira e da Senad (Secretaria Nacional Antidrogas) do Paraguai, as armas eram importadas legalmente pela empresa IAS (Internacional Auto Suply), com sede em Asunción.

Com apoio de integrantes da Dimabel – órgão militar paraguaio de controle do comércio de armas – a IAS forjava documentos para comprovar a venda das armas de forma individual para pessoas físicas. Entretanto, o armamento tinha a numeração raspada e era destinado às facções brasileiras.

Para impedir o rastreamento do dinheiro, a organização contava com apoio de doleiros, que montaram esquema para fazer transações em espécie e através de valores baixos, para burlar os órgãos de controle.

Os donos da empresa IAS, o argentino Diego Dirisio e a mulher dele, a ex-modelo argentina Julieta Nardi, conseguiram fugir. Existe suspeita de que o casal tenha sido informado horas antes sobre a operação de ontem.

Além de Diego e Julieta, considerados os principais alvos da operação, outros oito investigados no Paraguai seguem foragidos. Hoje de manhã, o general da reserva do Exército do Paraguai, Jorge Antonio Orué Roa, 59, se entregou na delegacia da Polícia Nacional de Concepción. Ele foi diretor da Dimabel e validava todos os trâmites em favor da organização.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Homem é preso após furto de carro, colisão em muro e furto de moto
IVINHEMA

Homem é preso após furto de carro, colisão em muro e furto de moto

JUSTIÇA ELEITORAL

Julgamento que pode cassar mandato de Sergio Moro começa em abril

Morador de MS é condenado a 17 anos de prisão por atos golpistas
8 DE JANEIRO

Morador de MS é condenado a 17 anos de prisão por atos golpistas

Confederação reforça parceria e destaca referência de MS no vôlei de praia
ESPORTES

Confederação reforça parceria e destaca referência de MS no vôlei de praia

Diretor de trânsito manda taxistas "quebrarem" motoristas clandestinos no pau
RIBAS DO RIO PARDO

Diretor de trânsito manda taxistas "quebrarem" motoristas clandestinos no pau

REGIÃO 

Reitoria manifesta apoio à luta da categoria técnico-administrativa da UFGD

CAPITAL

"Gangue das Mulheres" volta à ativa e duas são presas após furto em loja

STF

Flávio Dino toma posse como ministro do Supremo Tribunal Federal

CORUMBÁ

Bombeiros e Marinha socorrem jovem atacado por queixada no Pantanal

ATOS GOLPISTAS

Valdemar e Torres depõem na PF sobre tentativa de golpe; Bolsonaro se cala

Mais Lidas

TACURU

Servidores são indiciados por desvio de recursos públicos em cidade do interior do MS

DOURADOS

Família procura homem desaparecido desde a manhã desta segunda em Dourados

PROIBIÇÃO

Projeto que veda por mais 5 anos a captura e comercialização do Dourado passa pela CCJR

PARTIDAS DOBRADAS

Operação cumpre mandado em Dourados e mira esquema que movimentou R$ 200 mi em notas frias