Menu
Busca quinta, 22 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
MEIO AMBIENTE

Azambuja diz esperar que MS atinja o nível de “‘carbono neutro”

07 novembro 2017 - 09h09

O governador Reinaldo Azambuja defendeu, como porta-voz do bloco de governadores dos estados do Brasil Central, “uma política de Estado e não de governo” para estimular a produção de biocombustíveis, dentro da proposta RenovaBio. O Forúm do Brasil Central foi criado em 2015 pelos governadores de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Tocantins e Distrito Federal e recebeu a adesão também dos estados de Rondônia e Maranhão.

O governador participou segunda-feira, em São Paulo, da abertura da 17ª Conferência Internacional Datagro – “Um novo começo para o açúcar e etanol”, realizada em São Paulo. Ele foi homenageado pela contribuição às ações socioambientais e falou da importância estratégica do setor agroenergético para o crescimento econômico sustentável, mas lembrou dos desafios quanto à regulação, infraestrutura e logística.

Reinaldo Azambuja destacou a liderança do Brasil na geração de energia limpa, de fontes renováveis, deve se fortalecer e refletir no crescimento do setor sucroenergético, segmento que, segundo o governador de Mato Grosso do Sul, dá uma grande contribuição ao desenvolvimento econômico e social, mas a falta de um programa de estímulo ao setor e restrições do mercado inibiram investimentos na produção de biocombustíveis nos últimos cinco anos, conforme demonstram as estatísticas.

O RenovaBio foi à consulta pública no primeiro trimestre de 2017, teve suas diretrizes aprovadas pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) em junho e depois foi enviado à Casa Civil para formatação como Medida Provisória (MP) ou Projeto de Lei. O governador Reinaldo Azambuja disse que todos os estados do Brasil Central assinaram documento em defesa da proposta.

Reinaldo Azambuja aproveitou o evento para reforçar a necessidade da reforma da previdência, com o fim das distorções e “privilégios que drenam grande parte da receita das contribuições”.  O governador disse que as reformas não de vem ser tratadas como política de governo, mas sim de Estado. “Os governos passam”, afirmou, notando que no caso da previdência é vital para a saúde financeira da União, Estados e Municípios, cujos orçamentos já estão comprometidos em razão do déficit previdenciário.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PANDEMIA
Dourados tem mais de 500 pessoas em isolamento devido ao coronavírus
INFORME PUBLICITÁRIO
Uma nova fase da sua vida começa aqui
BRASILEIRÃO
Águia Negra encara Operário no MT para voltar ao G4 da Série D
EDUCAÇÃO
Governo regulamenta renegociação de dívidas com o Fies
RIO PARAGUAI
Pescador é preso por capturar peixes abaixo da medida permitida por lei
FUTEBOL
Haaland, o nove que assinará com o Madrid (se o coronavírus permitir)
MAUS-TRATOS
Após denúncia, idoso é resgatado de cárcere privado em Bataguassu
DOURADOS
Três dos sete candidatos a prefeito já mediram forças nas urnas por um mesmo cargo
SAÚDE
Sanesul amplia serviços de saneamento no município de Ponta Porã
TRÁFICO
Motorista preso tem 41 anos e transportava maconha sob caixas usadas para armazenar frutas

Mais Lidas

DOURADOS
Acidente entre carreta e motocicleta mata mulher na BR-163
HOMICÍDIO EM 2013
Condenada pela morte do ex em Dourados é presa na Capital
DOURADOS
Motorista bêbado causa acidente em semáforo da Avenida Marcelino Pires
DOURADOS
Carona de motociclista que morreu em acidente com carreta corre risco de ter perna amputada