Menu
Busca quinta, 03 de dezembro de 2020
(67) 99659-5905
AGEPEN

Ações de cuidados à saúde da mulher são realizadas em presídios de MS

30 outubro 2020 - 13h00Por Da Redação

A campanha mundial Outubro Rosa foi desenvolvida em unidades penais da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário), em Mato Grosso do Sul, levando maior conscientização e esclarecimento sobre a importância da prevenção e do autoexame como fatores de sucesso no combate ao câncer de mama.

Por meio de parcerias, foram desenvolvidas palestras, ações de saúde, orientações sobre o autoexame, distribuição de materiais explicativos e atenção aos cuidados pessoais. As atividades também abordaram o diagnóstico precoce do câncer de colo de útero e foram organizadas pela direção e o setor psicossocial dos presídios, seguindo os protocolos de biossegurança.

Na capital, uma live foi transmitida às internas do Estabelecimento Penal Feminino “Irmã Irma Zorzi” (EPFIIZ) e contou com a participação das senadoras Simone Tebet e Soraya Thronicke, e da promotora de Justiça da Saúde Pública de Campo Grande, Filomena Fluminhan.

A representante do Ministério Público citou estatísticas do Instituto Nacional de Câncer (INCA), que mostra o câncer de mama como uma das maiores causas de morte de mulheres no mundo, e no Brasil lidera esse ranking.

“O conhecimento pode prevenir muito e ajudar mulheres a encontrarem o diagnóstico precoce. Os exames e acompanhamento devem ser realizados, preferencialmente, de 50 a 69 anos, anualmente; já, a partir dos 25 anos, é necessário a realização do exame preventivo para a detecção do câncer de colo de útero. O autoexame mensal é um ato de amor e pode salvar vidas; além disso, a alimentação saudável e a prática de atividade física são fatores importantes na prevenção”, reforçou Filomena.

Já as senadoras gravaram um vídeo incentivando o cuidado com a saúde da mulher. “Não tenham medo de fazer o autoexame, se toquem e percebendo que tem alguma coisa, procurem ajuda. Hoje o tratamento de câncer tem medicamentos muito mais modernos e eficazes que antes”, explicou Simone Tebet.

A parlamentar citou, ainda, que teve a oportunidade de conhecer a unidade penal de perto, no mandato como vice-governadora, e foi baseado nessa realidade que informou ter apresentado um projeto no Senado Federal e que virou lei no final de 2018, referente à progressão de pena de gestantes e mulheres com filhos até 12 anos de forma mais rápida para o regime domiciliar, para que pudessem cuidar de seus filhos.

A senadora Soraya Thronicke destacou que o câncer de mama e de colo de útero são os de maior incidência e, se detectado precocemente, o câncer de mama tem cerca de 95% de chance de cura.

No encontro, foram abordados tópicos como causas, sinais e sintomas, tratamento, diagnóstico precoce e indicadores relacionados ao câncer de mama. A palestra foi ministrada pela enfermeira da equipe de saúde, Alana Katrine.

A diretora do EPFIIZ, Mari Jane Boleti Carrilho, agradeceu a participação de todos os colaboradores e informou às internas que o laço da campanha representa a força interior que a mulher tem, e a cor rosa, forte e vibrante, simboliza características marcantes da feminilidade.

A ação foi organizada pelas servidoras, psicóloga Lileia Souza Leite e assistente social Cristiane Soares Camargo. Durante o evento, as reeducandas ganharam máscara temática e o lacinho rosa alusivo à campanha.

Já no presídio feminino de regime semiaberto e aberto da capital foram realizadas montagem de painéis, palestras ministradas por profissionais da saúde como médicos e psicólogos, além de distribuição de sutiãs às reeducandas, dinâmicas em grupo e sessões de cinema com filmes relacionados ao tema.

Igualdade

Em respeito à diversidade sexual e proporcionando acesso à informação, a ação alusiva à campanha também foi desenvolvida com a população LGBT custodiada no Instituto Penal de Campo Grande (IPCG). Dentre as atividades, foi realizada uma roda de conversa interativa, por videoconferência, com destaque ao segmento de transexuais e travestis.

Ministrada pelo ginecologista e obstetra, Ricardo dos Santos Gomes, foram abordados e sanadas dúvidas sobre os temas hormonização e saúde das mulheres trans. O especialista, que atua como chefe do setor Materno Infantil e Saúde da Mulher do Hospital Universitário e é membro do serviço de Atenção ao Aborto Legal e Violência Sexual, explicou  que o transexual também pode desenvolver o câncer de mama.

O encontro teve como objetivo compartilhar informações e promover a conscientização sobre a doença; proporcionar maior acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento e contribuir para a redução da mortalidade.

A proposta foi elaborada pela servidora, assistente social Liliane Amarilha, em conjunto com o professor da Faculdade de Medicina da UFMS, enfermeiro Everton Lemos, e contou com o apoio do setor de saúde do IPCG, enfermeira Christiane Ramires.

Interior

Outubro é um mês dedicado a ressaltar os direitos e a importância de olhar com atenção para a saúde da mulher, aumentando as chances de cura e reduzindo a mortalidade.

Nos presídios femininos do interior não foi diferente e, para o desenvolvimento das ações, contou com a parceria de instituições privadas e públicas, como as Secretarias Municipais de Saúde. As ações foram organizadas pelo Setor Psicossocial de cada presídio, com o apoio dos profissionais de saúde que atuam nas unidades.

Em São Gabriel do Oeste, internas tiveram a oportunidade de fazer esclarecimentos sobre a saúde da mulher e a prevenção do câncer de mama através de uma palestra ministrada pela técnica de enfermagem Gizela Helena Fonseca Moreira.

Com o tema “A importância do toque”, a palestra abordou assuntos sobre: o que é, sinais e sintomas, prevenção, diagnósticos, tratamento e autoexames das mamas. Ao final da palestra foi sorteado kits de maquiagem visando a valorização da autoestima das reeducandas que cumprem pena na unidade penal.

No Estabelecimento Penal Feminino de Três Lagoas, a psicóloga Tatiane Cristine Lima, que é especialista em atender pessoas diagnosticadas com câncer, também abordou a questão da autoestima. Ao final, foi distribuída uma lembrancinha às reeducandas e servidores, além do tradicional broche do lacinho rosa.

O diretor-presidente da Agepen, Aud de Oliveira Chaves, ressalta que a campanha "Outubro Rosa" junto à população privada de liberdade conscientiza e fomenta iniciativas em prol da prevenção do câncer de mama.

“É isso que a Agepen busca, desenvolver um tratamento mais humanizado aos custodiados da melhor forma possível, para isso, precisamos da adesão da população carcerária e temos obtido êxito nesse quesito”, destaca o dirigente.

As ações nas unidades penais  são coordenadas pela Diretoria de Assistência Penitenciária da Agepen, por meio de suas divisões de Saúde, Educação e de Promoção Social.

Deixe seu Comentário

Leia Também

REGIÃO
Detran/MS alerta para retomada de prazos suspensos durante a pandemia
FRONTEIRA
Dupla agride funcionários e foge com 38 milhões de guaranis em assalto
TEMPO
Quinta-feira nublada com possibilidade de chuva em Dourados
BATAGUASSU
Mulher é presa em flagrante por matar marido com facada no peito
ALIADO DE BOLSONARO
Ministério Público pede ao TSE quebra de sigilos de Luciano Hang
CAMPO GRANDE
Após uma semana, atropelada em bairro da Capital morre na Santa Casa
ECONOMIA
Conheça quais são os programas de bolsas para estudantes da UFGD
CAPITAL
Mãe e padrasto são denunciados por bater e deixar crianças sem comida
APOSENTADORIA
INSS divulga calendário de pagamentos de benefícios em 2021
REGIÃO
Morre baleado em ataque que feriu mulher e criança em Campo Grande

Mais Lidas

PANDEMIA
Casos de coronavírus levam fechamento de três agências bancárias em Dourados
POLÍCIA
Homem é encontrado morto em ponte próximo à Vila Cachoeirinha 
MAUS TRATOS
Mãe é denunciada após apagar cigarro na mão da filha em Dourados
CAARAPÓ
Jovem que matou companheira com mata-leão é autuado em flagrante por homicídio doloso