Menu
Busca sábado, 06 de março de 2021
(67) 99257-3397
JUSTIÇA

Certidão de óbito é necessária para suspender cobranças de cartão

26 janeiro 2021 - 11h40Por Assessoria/TJ-MS

A juíza Gabriela Muller Junqueira, da 7ª Vara Cível de Campo Grande, decidiu pela improcedência do pedido de indenização por danos morais pleiteado por  uma viúva, cujo falecido marido teve o nome negativado por dívida de cartão de crédito após ter comunicado o falecimento dele por telefone.

Em setembro de 2019, o esposo de uma mulher de 48 anos faleceu após complicações cardíacas. Logo após o fato, ela entrou em contato com a administradora do cartão de crédito do falecido marido, informando o óbito e informando que efetuaria o pagamento das próximas faturas assim que conseguisse se organizar emocional e financeiramente. 

Contudo, apenas cinco dias depois, a empresa negativou o nome dele e passou a enviar cobranças. Diante disso, a viúva ajuizou ação de indenização por danos morais e pedido para que a administradora do cartão deixasse de efetuar cobranças.

Em contestação, a empresa afirmou que o débito existe, sendo lícitas tanto a cobrança quanto a negativação. A empresa confirmou que houve o contato telefônico da autora, momento em que solicitou a apresentação do atestado de óbito, o que não foi feito pela viúva, de forma a não ser possível suspender as cobranças. Requereu a improcedência dos pedidos por inexistir danos morais a serem indenizados.

Na sentença, a juíza ressaltou que desde a citação não há mais como a empresa alegar desconhecimento do falecimento do titular do cartão de crédito.“Desta forma, o pagamento do débito deixado pelo titular do cartão de crédito deve ser pleiteado nos autos do respectivo inventário, devendo a a empresa se abster de efetuar qualquer cobrança à viúva antes da homologação da partilha dos bens”, determinou.

Quanto ao pedido de danos morais, no entanto, a julgadora encontrou óbices a seu deferimento na legalidade da negativação e da cobrança, pois, de fato, a empresa deveria ser formalmente comunicada sobre o falecimento, o que ocorre com a apresentação da certidão de óbito, atitude que a autora não comprovou ter feito.

“Sendo incontroversos o débito e o respectivo inadimplemento, bem como não havendo prova da comprovação da comunicação formal do falecimento do titular do cartão de crédito, mediante a apresentação da certidão de óbito, não há como reputar ilícita a conduta da ré de continuar enviando cobranças por mensagens de texto”, salientou.

Assim, embora tenha julgado procedente o pedido de interrupção das cobranças, a juíza negou o requerimento de indenização por danos morais.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Polícia usa drone para achar e prender suspeito de planejar morte de policial
LADÁRIO
Polícia usa drone para achar e prender suspeito de planejar morte de policial
IMUNIZANTE
Covid-19: Moderna confirma 13 milhões de doses da vacina para o Brasil
Motorista que saiu de MS é preso com cocaína em Minas Gerais
POLÍCIA
Motorista que saiu de MS é preso com cocaína em Minas Gerais
JUDICIÁRIO
TJ/MS divulga resultado da prova de sentença do Concurso da Magistratura
GPS e drone descobrem área de vegetação desmatada ilegalmente 
NOVA ANDRADINA
GPS e drone descobrem área de vegetação desmatada ilegalmente 
FUTEBOL
Lances de mão na bola terão novas regras; entenda o que muda
BATAGUASSU
Homem é encontrado morto com tiros na cabeça em área de pasto
PANTANAL
Agesul interdita parcialmente ponte na MS-243, na região do Nabileque
CORUMBÁ
Bombeiros suspendem buscas por homem desaparecido há 12 dias em fazenda
PAGAMENTO
Guedes diz que governo antecipará 13º de idosos e dos 'mais frágeis'

Mais Lidas

PONTA PORÃ
Casal é assassinado na fronteira e corpos são deixados um ao lado do outro
EXECUÇÃO
Executado na fronteira era publicitário e morador em Dourados
DIÁRIO OFICIAL
Guarda municipal de Dourados condenado por tráfico em SP é demitido
MATO GROSSO DO SUL
Ministro da Justiça lamenta morte de coronel Adib e posta foto antiga do GOF