Menu
Busca segunda, 14 de junho de 2021
(67) 99257-3397

Cerca de 32,6% das crianças com Aids em MS morrem

11 abril 2006 - 16h15

Mato Grosso do Sul ocupa o 13º lugar em número de pessoas com AIDS no Brasil, com 2993 casos notificados até julho do ano passado. Neste índice 132 crianças foram infectadas com o vírus desde a primeira epidemia no país, em 1984. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde 32,6% destes pequenos pacientes morrem, especialmente, por falta de cuidados qualificados dos responsáveis.Para a coordenadora do Programa Estadual das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST/AIDS), Vera Lucia Silva Ramos, as infecções oportunistas são as maiores vilãs dos portadores do vírus. Ela explica que crianças que não recebem atendimento qualificado no lar, como alimentação e uso do coquetel corretamente, estão sensíveis às doenças oportunistas que podem levar a morte. “O número de vítimas por estas infecções é maior na infância do que na fase adulta”, ressalta a pesquisadora, frisando o importante papel dos cuidadores. Gestação - No Estado 95,45% dos casos de AIDS em crianças ocorreram por transmissão materna durante a gestação. É a situação de JH, 6 anos, que passa a semana no “Lar das Crianças”, onde recebe atendimento educacional, cultural e medicamentoso. Ela sonha um dia ser bailarina e com um mundo sem violência e guerras. O pai, Rosalvo Machado, explica que se não existisse o Lar das Crianças, sua filha não teria nenhuma chance contra a doença.A psicóloga Ângela Lapa Coelho, afirma que o prolongamento da vida das crianças com AIDS está ligada a presença de uma estrutura física e familiar adequada. Para ela o vírus é um problema que se agrava conforme a questão social. A presidente do Grupo de Apoio às Portadoras do HIV e Familiares, Rosângela Pereira da Rocha, concorda com a psicóloga, mas acrescenta que a doença vem cresce na periferia e que muitas famílias não têm condições de fazer um tratamento adequado.Ângela Coelho explica ainda que quando as crianças possuem uma infra-estrutura, podem dar continuidade a vida. “No início da epidemia havia uma visão muito negativa da situação e hoje, vejo as crianças crescerem se desenvolverem. Não há diferenças, são crianças iguais a quaisquer outras”, ressalta.Experiência - Cláudia Ferreira tem uma filha portadora do vírus HIV e quando engravidou pela segunda vez entrou em depressão por acreditar que seria mais uma criança infectada. Ao fazer consultas médicas descobriu que a doença poderia ser negativada na criança caso houvesse o tratamento necessário. Desde então, diz acreditar que a maior dificuldade de sua vida será contar à filha de seis anos que ela é soro positivo enquanto que o irmão de dois anos não possui a doença. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

INTERNACIONAL
Justiça argentina começa interrogatórios sobre morte de Maradona
Entidades acusam governo federal de perseguir pesquisadores
CÂMARA DOS DEPUTADOS
Entidades acusam governo federal de perseguir pesquisadores
CAPITAL
Mulher é acusada de agredir e xingar policiais em bairro de Campo Grande
FUTEBOL
Copa América: seleção chega ao Rio de Janeiro para jogo contra Peru
Especialistas criticam ausência de programação de combate ao racismo na EBC
CÂMARA DOS DEPUTADOS
Especialistas criticam ausência de programação de combate ao racismo na EBC
INTERNET
Pesquisa aponta inacessibilidade de sites culturais
LEGISLATIVO
Câmara aprova isenção de impostos para beneficiários do "Casa Verde Amarela"
IMUNIZAÇÃO
Covid-19: 82% dos indígenas receberam 1ª dose, diz Ministério da Saúde
COVID-19
Estado acolhe flexibilização de medidas em Dourados, mas mantém bandeira "cinza"
ESPORTES
Ministério da Saúde confirma 41 casos de covid-19 na Copa América

Mais Lidas

DOURADOS
Defron desarticula entreposto de cocaína no Campo Dourado
REGIÃO
Homem é executado a tiros na rodoviária de Nova Alvorada do Sul
DOURADOS
Guarda encerra mais uma festa clandestina regada a álcool em meio ao lockdown
DOURADOS
Jovem é encontrado caído em via na área central e estado de saúde é grave