Menu
Busca sábado, 30 de maio de 2020
(67) 99659-5905

Casais homossexuais terão direito à pensão privada do parceiro

10 fevereiro 2010 - 17h22

Parceiros homossexuais que vivem uma união estável terão o direito de transferir os benefícios da previdência privada no caso de falecimento do titular. Esta sentença inédita foi divulgada ontem pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).
A decisão teve como base um caso no Rio de Janeiro. Um homem pediu o pagamento de pensão à Previ (funcionários do Banco do Brasil), alegando ter tido uma vida conjunta com o falecido por 15 anos.
Dizendo não haver embasamento legal para conceder o benefício, o pedido foi negado pela Previ. A situação foi levada ao judiciário e teve parecer favorável ao autor na primeira instância. Em grau de apelação, a sentença foi reformada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro que julgou o pedido improcedente. Segundo a Magistratura, as disposições da Lei n. 8.971/1994 não se aplicam à relação homossexual entre dois homens, uma vez que a união estável tem por escopo a união entre pessoas do sexo oposto e não indivíduos do mesmo sexo. 
O autor recorreu ao STJ e, neste mês, a 3ª Turma decidiu por unanimidade reverter a decisão. Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, a relatora do caso, ministra Nancy Andrighi, disse que “a união afetiva constituída entre pessoas do mesmo sexo não pode ser ignorada em uma sociedade com estruturas de convívio familiar cada vez mais complexas, para se evitar que, por conta do preconceito, sejam suprimidos direitos fundamentais das pessoas envolvidas”.
A RT indica

Na seara jurídica, o presente tema tem sido motivo de discussões e questionamentos infindáveis. 
Na obra “União Homoafetiva”, da autora Maria Berenice Dias, publicada pela Editora Revista dos Tribunais, são abordados os aspectos jurídicos das uniões homossexuais, denominadas hoje, preferencialmente, uniões homoafetivas, termo que afasta algo do preconceito que lhes é devotado. Através de uma visão global e local o texto faz referência a questões processuais, além de questões civis como o direito sucessório, a filiação e o direito de mudar.  (Saiba mais)
Já o autor Eduardo Appio, em sua obra “Direito das Minorias”, busca responder perguntas sobre o ativismo judiciário que regula temas como aborto e casamentos entre homossexuais. Com base na doutrina e nas mais recentes decisões sobre o tema, o autor discorre sobre tendências e o pensamento do STF acerca do assunto. (Saiba mais)

Deixe seu Comentário

Leia Também

DURANTE A PANDEMIA
Saiba quais foram as maiores lives musicais realizadas na internet
SOLIDARIEDADE
Ação de ONG leva roupas e itens de higiene para famílias de Campo Grande
BRASIL
Parques e igrejas de maior porte reabrem no DF na quarta-feira
CORRIDA ESPACIAL
SpaceX e Nasa lançam foguete com astronautas nos EUA
BRASIL
Cidade de São Paulo prorroga quarentena até 15 de junho
"RAÍZES"
Documentário sobre sacis filmado em MS tem estreia online em junho
EM MIRANDA
Mulher é estuprada após ser levada para quintal de residência
REDES SOCIAIS
Bolsonaro tira fotos sem máscara após ir a lanchonete em Goiás
NA CAPITAL
Criança fica ferida ao ser atropelada por moto em avenida de Campo Grande
RELAÇÕES INTERNACIONAIS
EUA anunciam mais US$ 6 mi para ajudar Brasil no combate à pandemia

Mais Lidas

DOURADOS
Protocolo é seguido e mulher vítima do coronavírus é enterrada sem despedida de familiares
MAIORIA JOVENS
Vítima fatal da Covid-19 faz parte da faixa etária com mais casos da doença em Dourados
COVID-19
Curva segue ascendente e Dourados ultrapassa 200 casos de coronavírus
PANDEMIA
Comitê diz que Dourados não é epicentro do novo coronavírus e descarta lockdown