Menu
Busca segunda, 21 de junho de 2021
(67) 99257-3397

CARTA DOS MOVIMENTOS SOCIAIS DE MS EM DEFESA DOS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS

14 abril 2006 - 00h42

“Contra a discriminação e a violência; em favor da luta pela terra”A Coordenação dos Movimentos Sociais do Mato Grosso do Sul vem a público se manifestar sobre o episódio ocorrido no último dia 01 de abril no município de Dourados, no acampamento indígena Porto Cambira, que resultou na morte de dois policiais civis do Estado.Lamentavelmente, referido incidente tem sido constantemente noticiado de forma parcial e sem qualquer ponderação por parte da imprensa, fundamentada por declarações de alguns segmentos da Polícia Civil, fazendeiros e políticos do agronegócio e autoridades governamentais.Com as recentes veiculações, o que se tem feito pela imprensa e por essas pessoas são verdadeiros “julgamentos sumários” sem nenhum levantamento contundente do que de fato ocorreu naquela ocasião de modo a se chegar a uma conclusão justa, amparada pela legalidade.Mais grave ainda, é que com um fato isolado, completamente atípico no que tange ao comportamento das populações Kaiowá Guarani, tem-se criado, irresponsavelmente, um sentimento generalizado de repúdio e de discriminação na sociedade que, com certeza, irá gerar mais animosidade contra os indígenas do MS, que já possuem um quadro notório de violências contra suas comunidades, agravado pela miséria e principalmente pela falta de terra. Para melhor compreensão dos fatos destacamos às versões que são relatadas pelos indígenas, completamente diversas das apresentadas pela Policia, onde vale destacar os relatos apurados pela FUNAI e que foram registrados em documentos oficias do órgão que nos chegou ao conhecimento de que:“Aconteceu o ataque por volta das 16h00, por 03 pessoas, que não se identificaram, foram entrando até o fundo da aldeia, fizeram cavalinho de pau e saíram atirando. O primeiro tiro foi em cima da casa do homem chamado Pito, o segundo tiro foi disparado na frente de um barraco que estava sendo construído, acertando de raspão na ponta do dedo do pé do indígena de nome Márcio. Na saída ameaçaram uma mulher chamada Sandra e, seguiram rumo ao Porto Cambira, retornando por volta das 16h15 e quando passaram a ponte do rio Dourados, começaram a atirar novamente, se aproximando mais dos índios. Os índios pediram calma, mas os policiais continuaram atirando para cima. Quando estes se aproximaram mais, o que estava ao lado do motorista puxou uma arma maior que apontou sobre os índios; no momento em que engatilhou a arma, tinha um índio mais próximo deles e pulou sobre a arma bem no momento que ele foi puxar o gatilho, um dos índios ao apertar o cano da arma para baixo acabou disparando e acertando no outro, assim acontecendo o conflito”.E ainda, em recente visita de lideranças indígenas Guarani-Kaiowá de aldeias pertencentes ao núcleo da FUNAI de Dourados-MS em Porto Cambira, membros da Comissão de Direitos Indígenas Guarani-Kaiowá registraram relatos em documento público encaminhado para a sociedade e para o Poder Público, onde denunciam abusos cometidos por policiais que constantemente ameaçam a comunidade Guarani de Passo Pirajú onde se encontram em sua grande maioria mulheres e crianças:“Aos quatro dia do mês de abril de 2006, às três horas da tarde, as Lideranças Indígenas chegaram na Terra indígena Passo Piraju, que fica no Porto Cambira, município de Dourados-MS. Estavam reunidos nesta aldeia juntamente com o povo daquela aldeia, quando os policiais civis chegaram no local e sem nenhuma consideração e respeito invadiram as casas, fortemente armados com revolveres, pistolas e metralhadoras. Perguntaram pelo líder Carlito de Oliveira e queriam prendê-lo. Estiveram ali por mais de uma hora, alguns deles adentraram na mata, logo depois foram feitos vários disparos pelos policiais dentro da mata, onde prenderam um rapaz desconhecido que não era índio e nem morador da aldeia. Este foi brutalmente espancado e preso. Os policiais usaram três veículos oficiais, placa HQH-3527 e dois descaracterizados. Disseram ainda que caso encontrasse o Cacique Carlito de Oliveira iria peneirá-lo. Um dos policiais disse que se o Cacique Carlito saísse na frente dele iria matá-lo. A Comissão de Lideranças Indígena entenderam que foi abuso de autoridade dos policiais civis, por que não apresentaram nenhum mandado judicial. Os policiais foram agressivos mesmo na presença da Operação Sucuri (FUNAI) e da Imprensa (TV Sulamérica). Quando as Lideranças da Comissão de Mato Grosso do Sul se despediam das mulheres, as crianças e os idosos choraram implorando para que permanecêssemos com eles no local, para que pudesse ficar mais tranqüilos e poder dormir dentro das casas, já que desde o conflito estão dormindo na mata, todos estão sem cozinhar com medo de acender o fogo e estão dando somente cana para as crianças, onde há crianças com apenas dez dias de vida. Também disseram que a todo momento os policiais passam na estrada em frente a aldeia”.No que tange às fatalidades, se trata de uma ocorrência lamentável, mas que no decorrer das investigações deverão ser levadas em consideração os relatos dos indígenas e as circunstâncias em que ocorreram as fatalidades, com todas as cautelas possíveis para aferição de eventuais responsabilidades. É notório pela sociedade que em face de muitos massacres de lideranças indígenas no Mato Grosso do Sul, os Guarani jamais se utilizaram de qualquer violência contra a população não-indígena. Mas isso não foi repercutido pela imprensa regional. Esperando que não ocorram tragédias semelhantes no futuro, deve-se refletir que o clima na aldeia de Porto Cambira (Passo Piraju) é de muita tensão com constates ameaças de fazendeiros e pistoleiros, portanto, não se pode deixar de analisar que o incidente poderia ter sido evitado pelos seguintes motivos:Em 18.02.2006, foi composto Grupo de Trabalho de Segurança Pública por representantes dos

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mulher é assediada durante realização pesquisa em Dourados e registra ocorrência
IMPORTUNAÇÃO SEXUAL
Mulher é assediada durante realização pesquisa em Dourados e registra ocorrência
Beneficiários do Bolsa Família recebem nesta segunda-feira
AUXÍLIO EMERGENCIAL
Beneficiários do Bolsa Família recebem nesta segunda-feira
Em cinco meses, Dourados aplicou 125 mil doses de vacinas contra a Covid-19
IMUNIZAÇÃO
Em cinco meses, Dourados aplicou 125 mil doses de vacinas contra a Covid-19
União Pneus tem prazo de entrega mais rápido da região em recauchutagens e consertos
INFORME PUBLICITÁRIO
União Pneus tem prazo de entrega mais rápido da região em recauchutagens e consertos
Churrascaria é atingida por incêndio na região central da Capital
CAMPO GRANDE
Churrascaria é atingida por incêndio na região central da Capital
DOURADOS
Após mais de 2 meses internada por acidente, jovem morre no HV
TRÁFICO DE DROGAS
Moradora de Goiás é presa carregando drogas em ônibus na região de Dourados
DELIBERATIVA
Câmara federal realiza hoje sessão para votar Medida Provisória da Eletrobras
EDUCAÇÃO
1º Encontro de Pesquisadoras e Pesquisadores da Temática LGBT+ de MS
INFORME PUBLICITÁRIO
Senar Mato Grosso do Sul tem plataforma EaD gratuita voltada ao campo

Mais Lidas

ASSASSINATO
Investigações apontam que mulher foi atraída para o local do crime por proposta de trabalho
VIVAL DOS IPÊS
Com suspeita de latrocínio, mulher é encontrada morta em Dourados
LAGUNA CARAPÃ
Veículo de mulher morta em Dourados é encontrado
REGIÃO
Preso, motorista de Corolla que matou moto entregador nega "racha"