terça, 18 de janeiro de 2022
Dourados
38°max
23°min
Campo Grande
35°max
24°min
Três Lagoas
36°max
24°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397

Câmara aprova nova Lei de Falências e põe fim às concordatas

16 outubro 2003 - 07h42

Após 10 anos em tramitação, a Câmara dos Deputados aprovou na noite de quarta-feira a nova Lei de Falências que acaba com a figura da concordata de empresas e cria o processo de recuperação para os empresários em situação de insolvência. O projeto foi aprovado por 245 votos favoráveis, tendo 24 votos contrários. Por se tratar de projeto de lei, precisava apenas da maioria simples dos deputados no plenário para sua aprovação. A base aliada na Câmara derrubou todos os destaques apresentados à nova Lei de Falências, entre eles oito propostas de bancadas partidárias. A matéria segue agora para apreciação do Senado. A votação do projeto contou com o protesto dos chamados radicais do PT, que subiram à tribuna para criticar o projeto como sendo uma imposição do Fundo Monetário Internacional ao governo brasileiro. No total, 18 deputados petistas votaram contra a matéria que vinha sendo negociada ao longo de todo o primeiro semestre e foi colocada pelo governo de Luiz Inácio Lula da Silva como prioritária e um dos alicerces para a recuperação da credibilidade do país. NOVOS MECANISMOS A nova lei prevê dois instrumentos. O primeiro deles é o da recuperação extrajudicial, pelo qual a empresa apresenta a seus credores --excluídos os trabalhadores e o Fisco-- uma proposta de recuperação. Se ela for aceita pela maioria dos credores, deverá ser homologada pela Justiça. O outro mecanismo é o da recuperação judicial, nesse caso mediado pela Justiça, no qual o devedor apresenta um plano de recuperação com a proposta de repactuação das dívidas. O plano precisa ser aprovado pelos credores. No caso de ser rejeitado e esgotadas outras alternativas, o juiz decretará a falência da empresa. A nova lei estabelece várias opções às empresas em dificuldades com objetivo de proporcionar a reorganização financeira do estabelecimento, de modo a impedir seu fechamento e a perda dos empregos decorrentes. Neste processo, as empresas terão direito à concessão de prazos e condições especiais para pagamento das obrigações; elas poderão ser divididas, incorporadas ou fundidas. As alternativas incluem também cessão de quotas e ações; substituição dos administradores; aumento de capital social; celebração de acordo coletivo de trabalho e venda parcial dos bens entre outros. O novo texto beneficia as empresas comerciais. Ficam fora das novas regras empresas aéreas e bancos, agricultores que exploram propriedades rurais apenas para fins de subsistência de suas famílias, sociedades cooperativas, profissionais liberais e suas sociedades civis e artesãos. Durante a recuperação poderá ser instalado um comitê de credores que ao lado do administrador judicial fiscalizará a gestão do empresário em recuperação. O processo permanece sob tutela judicial durante dois anos. No caso das grandes empresas, os créditos trabalhistas têm que ser quitados em um ano e não há prazo para as demais dívidas. Já as micro e pequenas empresas têm seis meses para pagar os trabalhadores e três anos para os demais débitos. Em caso de falência as micro e pequenas empresas deverá ocorrer em um prazo de cinco anos. As dívidas tributárias serão previstas em lei específica a ser votada ainda pelo Legislativo. A nova lei mantém a prioridade para o pagamento dos créditos trabalhistas tanto no caso da recuperação judicial quanto na falência. Hoje, na falência, as dívidas tributárias estão em segundo lugar e depois as demais. Pela nova lei, na recuperação judicial, a ordem de classificação dos créditos será definida no plano acordado ficando assegurada a prioridade para os créditos de trabalho. Já quando ocorrer a falência, os créditos fiscais e bancários ficaram em igualdade de condições.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

Sisu e Prouni abrem inscrições em fevereiro; Fies, em março
EDUCAÇÃO

Sisu e Prouni abrem inscrições em fevereiro; Fies, em março

Condenado por tráfico de drogas é preso em Dois Irmãos do Buriti
POLÍCIA

Condenado por tráfico de drogas é preso em Dois Irmãos do Buriti

Projeto sugere a incineração do lixo como alternativa aos aterros sanitários
POLÍTICA

Projeto sugere a incineração do lixo como alternativa aos aterros sanitários

Com alta de casos de Covid em Dourados, prefeitura avalia decreto com medidas
PANDEMIA

Com alta de casos de Covid em Dourados, prefeitura avalia decreto com medidas

Jovem vê anúncio no Facebook e acaba vítima de golpe
GLÓRIA DE DOURADOS

Jovem vê anúncio no Facebook e acaba vítima de golpe

SAÚDE

Saúde lança nova versão da caderneta de saúde para crianças

PONTA PORÃ

Homem é preso por atear fogo em moto e pertences da mulher com quem divide a casa

POLÍCIA

Projeto obriga governo federal a custear alimentação de moradores de rua na pandemia

PANDEMIA

Média móvel de casos de Covid continua aumentando em Dourados

DOURADOS

Bicicleta é furtada em condomínio na Vila Aurora

Mais Lidas

REGIÃO

Ação conjunta apreende carga de cocaína avaliada em mais de R$ 7 milhões

DOURADOS

Rede Municipal realiza 1ª designação de alunos nesta segunda-feira

DOURADOS

Mulher 'ostenta' pistola em bairro e acaba presa por porte ilegal

MS

Homem morre enquanto tomava cerveja e suspeita é de envenenamento