Menu
Busca segunda, 19 de abril de 2021
(67) 99257-3397
JUSTIÇA

Weintraub é condenado por dizer que universidades cultivam maconha

04 março 2021 - 21h20Por G 1

O juiz João Batista Ribeiro, da 5ª Vara da Justiça Federal em Minas Gerais, condenou o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub a pagar R$ 40 mil por danos morais coletivos aos professores representados pelo Sindicato dos Professores de Universidades Federais de Belo Horizonte, Montes Claros e Ouro Branco (Apubh). Cabe recurso.

Em novembro de 2019, ele disse em entrevista ao "Jornal da Cidade”, sem apresentar qualquer prova, que as universidades são "madraças de doutrinação" e "tem plantações extensivas" de maconha, além de os laboratórios de química estarem "desenvolvendo droga sintética", a metanfetamina.

Naquele ano, o então ministro anunciava bloqueio no repasse de 30% das verbas às universidades, alegando questões econômicas.

"Universidades que, em vez de procurar melhorar o desempenho acadêmico, estiverem fazendo balbúrdia, terão verbas reduzidas. A lição de casa precisa estar feita: publicação científica, avaliações em dia, estar bem no ranking ”, disse na ocasião, sem esclarecer quais rankings.

Na ação, a Apubh diz que Weintraub declarou “violação de direito coletivo à honra objetiva e a imagem dos docentes representados”. Ela ainda pede que haja retratação pública em “mídia de alta circulação acerca das inverdades retratadas nas falas públicas do Ministro de Estado da Educação”.

A defesa do ex-ministro disse que “não há qualquer acusação, inferência ou imputação de atos ilícitos a reitores, dirigentes, professores, diretores, técnicos, alunos ou representantes das universidades federais”. Ainda segundo ela, as falas de Weintraub reproduziam o que foi divulgado em reportagens pelo país.

“É notório que essa ‘responsabilização’ deve ser dirigida aos autores das matérias, e não ao Ministro da Educação”, alegou a defesa na ação.
Já o juiz julgou procedente o pedido de indenização por danos morais, “em decorrência da configuração de conduta intimidadora, difamatória e discriminatória contra docentes que participaram das mobilizações em favor da educação pública de qualidade e contra os bloqueios orçamentários na educação”.

O juiz não determinou que o ex-ministro faça a retratação pública pedida pelo sindicato.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Veículo furtado em São Paulo é recuperado pela polícia
BR-463
Veículo furtado em São Paulo é recuperado pela polícia
MATO GROSSO DO SUL
Beneficiários do Mais Social terão que participar de curso profissionalizante
COTAÇÃO
Dólar fecha em queda de olho na cena externa
Homem é autuado em R$ 12 mil por derrubar árvores em área protegida de matas ciliares
CRIME AMBIENTAL
Homem é autuado em R$ 12 mil por derrubar árvores em área protegida de matas ciliares
DOURADOS
Escolas indígenas serão ampliadas com recursos do FNDE
DOURADOS
Perícia não encontra sinais de violência e morte de mulher pode ter sido por causas naturais
CAMPO GRANDE
Gaeco cumpre mandados de busca e apreensão e investiga compra de materiais de limpeza
PARANAÍBA
Jovem são presos tentando arremessar drogas para dentro de presídio
DOURADOS
Populares encontram corpo próximo a lanchonete no Parque das Nações
FUTEBOL
Paulistão segue nesta segunda-feira com mais duas partidas

Mais Lidas

ASSALTO
Mulher tem carro roubado ao parar no semáforo em Dourados
POLÍCIA
Irmãos morrem após serem atropelados por caminhonete em rodovia
DOURADOS
Interno morre após briga com companheiro de cela da PED
PED
Arma de fabricação caseira é encontra em cela de interno morto