Menu
Busca quarta, 01 de abril de 2020
(67) 9860-3221

Volta às aulas aquece vendas nas papelarias de todo o país

14 janeiro 2013 - 20h00

O mês de janeiro está para as papelarias assim como o Natal está para o segmento de brinquedos. Nesse período, as papelarias registram seu maior faturamento, chegando a aproximadamente 70% das vendas anuais, aquecidas fortemente pelas compras de material escolar, segundo levantamento do Sebrae junto a micro e pequenas empresas do setor. Representantes do varejo estimam que 33% do 13º Salário, o equivalente a R$ 34,4 bilhões, se destinem a despesas como matrículas e gastos escolares.

“Muitos setores do comércio trabalham com a perspectiva da sazonalidade, com picos de venda em determinados momentos do ano. Isso significa que o empresário deve se preparar para aproveitar ao máximo esse período de grande intensidade nas vendas. Ele precisa adquirir os produtos antecipadamente e capacitar seus funcionários para que realizem um atendimento com excelência”, observa o presidente do Sebrae, Luiz Barretto.

A papelaria Alfacor, em São Paulo, é um desses empreendimentos que contabiliza, segundo seu proprietário, Alexandre Dal Corso, em torno de 70% do seu faturamento anual entre janeiro e início de fevereiro. O mesmo resultado é registrado pela empresária Maria de Fátima Barros, dona da papelaria A Educativa, em Brasília. Face a essa grande concentração do faturamento, os empresários alertam para a necessidade de capacitação na gestão do negócio, para que ele seja realmente lucrativo.

Alexandre afirma que é importante dispor do capital de giro para garantir que o material escolar esteja nas prateleiras à disposição do cliente. “Criamos uma conta bancária em que depositamos todo mês para formar uma reserva”, explica. Outro ponto importante é que todo esse movimento estimula a contratação temporária de funcionários.

A empresa utiliza o recurso economizado para comprar artigos escolares na Feira da Papelaria, evento realizado tradicionalmente na cidade de São Paulo, do final de agosto ao início de setembro. “Pagamos o material à vista, o que nos permite ampliar a margem de lucro”, conta Alexandre.

Para o dono da papelaria Alfacor, a empresa começa o primeiro mês do ano abastecida com praticamente todo o estoque. “Muitos clientes fazem as compras do material escolar logo no dia 2 de janeiro”, revela. “O ideal é oferecer o maior leque de opções para que o freguês realize a compra toda em único local. Se o consumidor não encontra quatro itens da sua lista naquela loja, ele desanima e tende a buscar outro estabelecimento”, afirma Alexandre. O empresário diz que participa de capacitações do Sebrae para aprimorar seu negócio, principalmente em vendas e finanças.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÊS LAGOAS
Rapaz é preso quando tentava arremessar maconha para dentro de presídio
AJUDA FINANCEIRA
Dinheiro do governo permitirá que pessoas mantenham isolamento, diz Guedes
CAMPO GRANDE
Banco deve declarar inexistente fraude no cartão de R$ 61 mil
COVID-19
Saúde prepara protocolo sobre uso de máscaras por pessoas sem sintomas
PANTANAL
Mulher e criança feridas ao cair de charrete são resgatadas em aeronave
JUDICIÁRIO
CNJ e Ministério da Saúde autorizam enterros e cremações sem atestado de óbito
TACURU
Paranaense é multado em R$ 7,5 mil por incêndio em madeira e galhadas
JUSTIÇA
Falha no conserto de veículo segurado gera indenização a consumidor
PARANAÍBA
Jovem de 20 anos é preso com R$ 190 em cédulas falsas de dinheiro
EDITORIAL
Jornal britânico 'The Guardian' diz que Bolsonaro é 'perigo para brasileiros'

Mais Lidas

REGIÃO
Ex-assessor de Mandetta é encontrado morto em apartamento na Capital
COVID-19
Primeiro óbito por coronavírus do Estado é registrado em Dourados
DOURADOS
Homem leva surra de populares e é detido por furtar dois veículos em Dourados
COVID-19
MS tem oito confirmações de coronavírus em 24h e suspeitos chegam a 51