Menu
Busca segunda, 25 de maio de 2020
(67) 99659-5905
BRASIL

STJ nega liberdade aos irmãos Batista

21 setembro 2017 - 18h50

Por quatro votos a um, a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou hoje (21) dois pedidos de habeas corpus contra a prisão dos irmãos Wesley e Joesley Batista, principais sócios da J&F. Os dois estão presos em São Paulo acusados de usarem informações privilegiadas para fraudar o sistema financeiro. Wesley foi preso no último dia 13, e Joesley já estava preso por determinação do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF).

No julgamento de hoje, apenas o relator do caso, ministro Sebastião Reis Júnior, votou a favor do pedido da defesa dos donos do grupo J&F, para substituir a prisão por outras medidas cautelares, previstas no Código de Processo Penal.

Para o relator, não há evidências de que as medidas cautelares diversas da prisão não seriam suficientes para a garantia da instrução criminal e da ordem pública.

Contudo, os ministros Nefi Cordeiro, Antonio Saldanha Palheiro e Maria Thereza de Assis Moura acompanharam o voto do colega Schietti Rogerio Schietti Cruz, favorável à manutenção das prisões. Schietti citou a Súmula 691 do Supremo Tribunal Federal (STF), que veda a análise de habeas corpus contra decisão que indeferiu liminar, sem ter havido ainda julgamento de mérito do habeas corpus anteriormente impetrado.

No caso dos irmãos Batista, o desembargador relator do pedido de habeas corpus formulado perante o Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) negou a liminar em 14 de setembro, mas ainda não houve o julgamento de mérito.

Para Schietti, soltos, os irmãos Batista poderiam voltar a delinquir e cometer ilícitos.

Defesa

Em nota, a defesa dos irmãos Batista lamentou a decisão e informou que deve recorrer ao Supremo Tribunal Federal. "O STJ não apreciou o mérito do habeas corpus por entender que a questão precisa ser debatida antes no Tribunal Regional Federal em São Paulo. Vale ressaltar que o relator Sebastião Reis em seu voto reconheceu a desproporcionalidade da medida. Os advogados recorrerão ao STF até amanhã [sexta-feira, 22]. É injusta e lamentável a prisão preventiva de alguém que sempre esteve à disposição da Justiça, prestou depoimentos e apresentou todos os documentos requeridos", diz o documento.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PANDEMIA
Após números baixos e aumento do coronavírus, população de Douradina ‘se isola’ e tem melhor índice de MS
PRECAUÇÃO
Após golpes na capital, Procon orienta fim de ambulantes em estacionamentos de comércios em Dourados
COVID-19
Mais da metade dos municípios de MS tem casos confirmados de coronavírus
ELEIÇÕES 2020
Sensatez em adiarmos as eleições para dezembro
BR-463
Abacaxi atômico: polícia encontra maconha misturada a frutas
SANEAMENTO
Com cobertura acima da média, Dourados deve universalizar rede de esgoto em 10 anos
SEGURANÇA PÚBLICA
Governo oficializa troca de comando no DOF
PANDEMIA
Pacientes de coronavírus já ocupam 11 leitos hospitalares em Dourados
OPORTUNIDADE
Dourados começa semana com dezenas de vagas de trabalho
EDUCAÇÃO
Começa prazo para instituições de ensino superior aderirem ao Sisu

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Homem morre atropelado por rolo compactador
PANDEMIA
Dourados ultrapassa marca de 100 casos confirmados de coronavírus
MARACAJU
Homem morre após tentativa de fuga e troca de tiros com a polícia
MS-145
Motorista disse não ter visto momento que atropelou e matou ciclista