Menu
Busca sexta, 25 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
EDUCAÇÃO

STJ libera divulgação de resultados do Sisu após recurso do governo

28 janeiro 2020 - 17h20Por G1

O presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), ministro João Otávio de Noronha, atendeu ao pedido do governo federal nesta terça-feira, dia 28 de janeiro e liberou a divulgação dos resultados do Sisu (Sistema de Seleção Unificada) e os próximos passos do processo seletivo com base no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019.

Na sexta-feira (24), a Justiça Federal em São Paulo havia determinado que o processo deveria ser suspenso assim que se encerrassem as inscrições para concorrer a vagas em universidades públicas – o prazo terminou na noite deste domingo (26).

Na prática, isso fez com que o resultado do Sisu não fosse divulgado na manhã desta terça-feira (28), como previsto inicialmente. Na decisão, Noronha diz que o adiamento desses prazos pode prejudicar todo o ano letivo nas universidades públicas.

"(...) é inegável que a suspensão de qualquer fase do SISU impacta não apenas a etapa interrompida mas também as subsequentes, já que interdependentes. Nesse contexto, pode impedir a organização e a concretização do calendário acadêmico, bem como a formação de turmas; se perdurar, pode até mesmo impactar o ano universitário", afirma.
Além disso, com a decisão da Justiça de São Paulo o governo havia suspendido o início das inscrições para o Programa Universidade para Todos (Prouni), que concede bolsas parciais e integrais em universidades privadas.

Isso porque o cronograma prevê que o Prouni começa logo após a divulgação dos dados do Sisu, justamente para evitar que candidatos com vaga nas instituições públicas tentem bolsas nas privadas.

Com a decisão de Noronha, o governo poderá divulgar o resultado do Sisu e definir novas datas para o Prouni. Até a última atualização desta reportagem, o Ministério da Educação ainda não tinha informado novos cronogramas para esses processos seletivos.

Razões da decisão

Para o presidente do STJ, "são evidentes e graves as consequências danosas" de suspender o processo.

"Já são milhares os estudantes apreensivos, sem saber para qual curso foram selecionados e em qual instituição de ensino ingressarão. Suas famílias, obviamente, também estão ansiosas sem saber para onde seus filhos irão."

João Otávio de Noronha disse que o MEC e o INEP "pecaram pela deficiente comunicação com a sociedade em geral e, em específico, com os órgãos encarregados da defesa dos interesses difusos e coletivos", citando o Ministério Público e a Defensoria Pública. Mas que não se verifica, na análise dos autos, lesão aos estudantes.

"Ao analisar, brevemente, a documentação ora apresentada e as alegações do autor da ação originária considerando os contra-argumentos da União, vê-se que nada de errado ou lesivo aos estudantes que se supõe tenha ocorrido, de fato, ocorreu. Ou seja, ao que se percebe, a falha inicial foi prontamente sanada pela própria administração, sem que fosse necessária, inclusive, a atuação mediadora ou corretiva do Judiciário ou dos órgãos de defesa da sociedade."

O presidente do STJ afirmou ainda que a falha na correção atingiu "estatisticamente, percentual mínimo se comparados com o universo global dos participantes do Enem de 2019" e que isso não pode servir para impedir o acesso de estudantes às universidades.

"Se erros pontuais e individuais houve, certamente que devem ser sanados pelas vias próprias. Contudo, a simples possibilidade de rever nota específica não pode servir de substrato para impossibilitar o acesso de milhares a vagas já ofertadas e o início das atividades acadêmicas nas mais variadas entidades públicas e privadas."

Erro na nota do Enem

A disputa judicial começou depois que o ministro da Educação, Abraham Weintraub, e o presidente do instituto responsável pelo Enem, Alexandre Lopes, admitiram que houve "inconsistência" na correção dos gabaritos das provas aplicadas em 3 e 10 de novembro do ano passado.

Lopes disse que o erro ocorreu na gráfica onde foi impresso o caderno de questões do candidato, que é identificado com um código de barras do aluno. Depois, imprime-me o cartão de respostas (gabarito), que também tem um código. Outra máquina une estes dois documentos. O erro ocorreu nesta união e na geração do código de barras.

O resultado foi que candidatos que fizeram a prova de uma cor, tiveram o gabarito corrigido como se fosse de outra cor. Com a associação de respostas erradas, teve candidato que perdeu até 454 pontos na correção, comparando com o resultado de 2018.

Depois que a Justiça Federal suspendeu o processo e ordenou que o governo comprovasse que resolveu o problema, a Advocacia Geral da União (AGU) recorreu, mas não obteve êxito.

Para a presidente do TRF-3, os entendimentos da Justiça Federal de São Paulo "nada mais fizeram do que proteger o direito individual dos candidatos do Enem a obterem, da administração pública, um posicionamento seguro e transparente a respeito da prova que fizeram".

A desembargadora afirmou ainda que a situação provocou uma "crise" de "confiabilidade" em relação ao Enem. E que o governo não pode se recusar a dar uma "satisfação transparente".

Deixe seu Comentário

Leia Também

CRIME AMBIENTAL
Mulher é autuada por capturar pescado acima da cota permitida
PANDEMIA
Internações e óbitos por coronavírus voltam a subir em Mato Grosso do Sul
BRASIL
Intenção de consumo das famílias volta a crescer após cinco quedas
MATO GROSSO DO SUL
Força-tarefa conta com mais de 50 homens no combate aos focos de calor no Amolar
AMAMBAI
Após denúncia, polícia encontra caminhão abandonado com cigarros contrabandeados
CAMPO GRANDE
Militar do Exército morre após colidir moto contra veículo
BRASIL
Presidente Jair Bolsonaro está sem febre ou dor após cirurgia
CAARAPÓ
Carreta carregada com maconha em compartimento falso é abordada pela polícia
DOURADOS
Barbosinha é o quarto candidato à prefeitura a registrar nome para disputa eleitoral
PANDEMIA
MS confirma mais 770 casos de coronavírus e 17 óbitos em um único dia

Mais Lidas

PANDEMIA
Novo decreto diminui toque de recolher e libera venda de bebidas em bares até as 23h
ACIDENTE
Mulher envolvida em acidente no Centro ficou presa às ferragens de veículo
PROSSEGUIR
Governo atualiza mapa da Covid e Dourados volta para "bandeira vermelha"
POLÍCIA
Homem morre ao tentar invadir delegacia de Glória de Dourados