quarta, 08 de dezembro de 2021
Dourados
35°max
21°min
Campo Grande
32°max
22°min
Três Lagoas
35°max
20°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
COVID-19

STF julgará ações sobre plano de vacinação do governo no próximo dia 17

04 dezembro 2020 - 22h20Por G 1

O STF (Supremo Tribunal Federal) marcou para o próximo dia 17 de dezembro o julgamento das ações que discutem se o governo federal deve apresentar um plano de vacinação contra a Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus.

O julgamento começou nesta sexta, mas o ministro Luiz Fux apresentou um destaque e retirou o tema do plenário virtual, no qual os ministros inserem o voto em um sistema eletrônico.

Com isso, o STF fará uma sessão para discutir as ações. O julgamento será por videoconferência, modelo adotado em razão da pandemia.

Relator do caso no STF, o ministro Ricardo Lewandowski votou a favor de que o governo federal apresente em 30 dias um plano detalhando as estratégias e ações para assegurar a oferta de vacinas para o coronavírus. Lewandowski já tinha antecipado a conclusão do voto no último dia 24.

Dias depois, o governo federal apresentou uma "estratégia preliminar" para a vacinação da população contra a Covid-19. De acordo com o Ministério da Saúde, a expectativa é imunizar 109,5 milhões de pessoas em um plano dividido em 4 fases.

Ações sobre o tema

Lewandowski é relator de quatro ações que tratam do tema. Serão julgados os seguintes processos:

Ação do partido Rede Sustentabilidade: questiona o ato do presidente Jair Bolsonaro que desautorizou o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Em outubro, o Ministério da Saúde anunciou a compra de 46 milhões de doses da vacina Coronavac, desenvolvida no Brasil pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac. Um dia após o anúncio, Bolsonaro publicou em uma rede social: "Não compraremos a vacina da China". Depois, o ministro da Saúde afirmou: "É simples assim: um manda e o outro obedece".

Ação dos partidos PSOL, Cidadania, PT, PSB e PCdoB: pede ao Supremo que obrigue o governo a apresentar, em até 30 dias, o plano e o programa relativos à vacina e aos medicamentos contra a Covid-19, além de ações previstas de pesquisa, tratativas, protocolos de intenção ou de entendimentos. Os partidos querem que o governo seja proibido de editar atos que dificultem medidas de pesquisa ou protocolos de intenção.

Os outros dois processos estão previstos para ir a julgamento no próximo dia 11 de dezembro e discutem se autoridades podem obrigar a população a se vacinar contra a doença.

Deixe seu Comentário

Leia Também

IMUNIZAÇÃO

Pfizer diz que proteção contra Ômicron necessita de três doses

ARAL MOREIRA

Investigado por violência doméstica contra a mãe é preso em flagrante

Tamanduá é capturado em feira no centro da cidade
CAPITAL

Tamanduá é capturado em feira no centro da cidade

OPORTUNIDADE

Agência abre 200 vagas de estágio na capital

MS

Governo estuda ampliar o Mais Social em 50% e permitir a compra de gás

BRASIL

Setor cultural ocupava, em 2020, 4,8 milhões de pessoas

TRÁFICO

Três toneladas de drogas são incineradas em Eldorado

CERIMÔNIA

28º Batalhão Logístico tem novo comando em Dourados

VIOLÊNCIA

Homem mata a mãe e esfaqueia irmão na capital

PANDEMIA

MS registra 2 novos óbitos e outros 34 casos de covid

Mais Lidas

OPERAÇÃO GEMINUS

Dono de transportadora de Dourados é preso em Operação que investiga tráfico de cocaína

REGIÃO

Douradense se afoga em balneário de Fátima do Sul

RIO DOURADOS

Bombeiros localizam corpo de douradense que se afogou em Fátima do Sul

OPERAÇÃO GEMINUS

PF cumpre 11 mandados em Dourados contra esquema de tráfico internacional de drogas