Menu
Busca quinta, 02 de abril de 2020
(67) 9860-3221

Setor de energia perde 18% em valor de mercado em 4 meses, diz estudo

11 janeiro 2013 - 18h55

O valor de mercado de 34 empresas de capital aberto brasileiras do setor de energia elétrica teve queda de 18,03% (R$ 37,23 bilhões) do dia 6 de setembro de 2012, quando o governo anunciou a redução das tarifas de energia em 2013, até o dia 10 de janeiro. O valor passou de R$ 206,40 bilhões para R$ 169,17 bilhões. O levantamento é da consultoria Economatica e foi divulgado nesta sexta-feira (11).

A empresa com a maior queda nominal de valor de mercado nesse período é a Cemig. Em setembro, o valor de mercado da companhia era de R$ 28,42 bilhões e, em 10 de janeiro, de R$ 18,56 bilhões - recuo de 34,67%.

De acordo com a Economatica, a empresa com a maior queda percentual no mesmo período é a Eletrobras. O valor de mercado da empresa foi de R$ 19,22 bilhões para R$ 9,90 bilhões em janeiro, queda de 48,46%.

Das 34 empresas analisadas, 10 delas têm valor de mercado inferior ao seu patrimônio liquido. "A Eletrobras é a empresa que tem a menor relação, o valor de mercado da empresa em 10 de janeiro de 2012 é de R$ 9,90 bilhões contra patrimônio liquido de R$ 79,58 bilhões", disse a Economatica, em nota.

Plano

A presidente Dilma Rousseff afirmou em 6 de setembro que, a partir do início de 2013, a conta de energia elétrica teria redução média de 16,2% para o consumidor doméstico e de até 28% para a indústria.

O anúncio foi feito em pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão dedicado ao Dia da Independência, celebrado nesta quinta, 7 de setembro.

Atualmente, os reservatórios de hidrelétricas têm registrado baixos níveis, o que poderia comprometer a distribuição de energia e afetar o plano de redução. No entanto, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse nesta quarta-feira (9) que não há risco de um novo racionamento e que o país tem um “estoque firme” de energia (quanta energia pode ser gerada com os recursos atuais) para sustentar o consumo nos próximos meses.

O ministro garantiu ainda que o corte de 20,2% nas contas de luz, que entra em vigor em 4 de fevereiro, está garantido, e que não há risco de desabastecimento da indústria por conta do uso do gás na geração de energia pelas usinas térmicas.

"Essa redução acontecerá, a partir do próximo mês, como está prevista", afirmou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Rapaz é espancado por trio após ser acusado de ‘ficar’ com adolescente
JUDICIÁRIO
STF dá 48 horas para Bolsonaro listar ações tomadas contra a Covid-19
CAMPO GRANDE
Polícia resgata duas pessoas que ficaram presas em carro sob forte sol
SOLIDARIEDADE
Campanha Online da UEMS irá ajudar alunos durante a Covid-19
COXIM
Socorrida por bombeiros, mulher arromba armário e furta morfina de hospital
MEIO AMBIENTE
Ambiental captura jiboia com mais de dois metros em residência de Coxim
RECURSOS
MPT destinou R$ 124 milhões para prevenção e combate à Covid-19
BENEFÍCIO
UFGD mantém assistência a estudantes durante suspensão do calendário
CORONAVÍRUS
Câmara aprova projeto de lei que libera remédios sem aval da Anvisa
DOURADINA
Polícia apreende meia tonelada de agrotóxicos na região da Grande Dourados

Mais Lidas

REGIÃO
Ex-assessor de Mandetta é encontrado morto em apartamento na Capital
COVID-19
Primeiro óbito por coronavírus do Estado é registrado em Dourados
NOVA ANDRADINA
Hospital confirma três profissionais com coronavírus em unidade que atendeu idosa
BOLETIM DA SES
Dourados registra mais um caso de coronavírus e MS tem 51 confirmações