sexta, 23 de fevereiro de 2024
Dourados
23ºC
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
DEBATE

Senadores e familiares de israelenses cobram esforço pela liberação de reféns

11 dezembro 2023 - 14h17Por Agencia Senado

Durante sessão de debates no Plenário nesta segunda-feira (11), senadores, familiares de reféns que estão em poder do Hamas desde o ataque do dia 7 de outubro, lideranças judaicas e o embaixador de Israel no Brasil, Daniel Zohar Zonshine, reforçaram o pedido para que o Brasil condene o grupo palestino, os ataques cometidos contra o Estado de Israel e atue junto à comunidade internacional para liberação dos reféns. Os participantes também criticaram o que chamaram de uma “nova onda de antissemitismo” no mundo, alertando para a necessidade de se combater o discurso de ódio e as notícias falsas contra o povo judeu. 

Jorge Seif (PL-SC), que presidiu os trabalhos da mesa, afirmou que o 7 de outubro de 2023 entrou para o calendário judeu como o dia mais horrível, obscuro e inaceitável. Para ele, é essencial que a comunidade internacional atue com urgência para buscar uma solução pacífica e duradoura para o conflito no sentido de resgatar os reféns e na condenação dos membros do grupo palestino responsável pelos ataques, o Hamas. 

— À medida que os eventos se agravam, é fundamental lembrar que por trás dos números e das manchetes estão vidas humanas, famílias e comunidades inteiras em sofrimento. A busca pela paz na Terra Santa é uma tarefa extremamente complexa, mas é uma tarefa que deve ser enfrentada com determinação e cooperação internacional, incluindo o Brasil. 

O senador classificou o grupo Hamas como terrorista e lembrou que até o momento a ação gerou como consequência a morte de mais de 18 mil pessoas na região. Desse total, reforçou Seif, mais de 1,4 mil são israelenses, 61 são jornalistas, mais de 100 são funcionários da ONU e mais de 17 mil são palestinos, majoritariamente mulheres e crianças, de acordo com o Ministério da Saúde de Gaza. Além disso, mais de 200 pessoas estão mantidas como reféns pelo Hamas.  

O embaixador de Israel, Daniel Zohar Zonshine, disse que a Carta do Hamas fala claramente que o maior objetivo do grupo é destruir o Estado de Israel e exterminar os israelenses. Diante da crescente ameaça, ele justificou a ofensiva de Israel na Faixa de Gaza.

— Nenhum país pode suportar tal situação de hostilidade, que é isto, portanto, juntamente com a libertação dos raptados. Oobjetivo de Israel é que o Hamas não continue a controlar a Faixa de Gaza, principalmente para não pôr Israel e os israelenses em perigo.

Mary Shohat, irmã do israelo-brasileiro Michel Nisenbaum, de 59 anos, um dos sequestrados do dia 7 de outubro, disse que desde o ataque a vida da família mudou "em 180 graus". Shohat pediu esforços das lideranças brasileiras para negociar a liberação dos sequestrados. 

— Nós estamos com uma dor na nossa alma, o nosso coração está pingando sangue. Eu não tenho palavras para explicar o que está passando com toda a nossa família. A nossa mãe, a todo tempo, chora e ninguém tem palavras para consolá-la. De uma família completa passamos a ser uma família, menos um. E este um é muito importante.

O mesmo pedido foi reforçado por Maluf Nisenbaum, filha de Michel. 

Antissemitismo

Na avaliação dos senadores, além do reforço junto às lideranças internacionais para se alcançar a paz na região, a liberação dos reféns e a condenação dos membros do Hamas, a maior responsabilidade do Brasil é buscar mecanismos para “frear a onda de manifestação de antissemitismo” e incentivar uma onda de solidariedade ao povo judeu.

Para o Senador Sergio Moro (União-PR), o Brasil precisa olhar a questão com a “clareza moral” que se é exigida, reconhecendo, segundo ele, que o Hamas realizou um “ataque terrorista”, de que Israel possui o direito de se defender e recuperar seus reféns, “destruindo esse grupo terrorista”. 

— Enquanto não houver a rendição desse grupo, a recuperação dos reféns e a destruição do Hamas as ações são justificáveis dentro ali da Faixa de Gaza. É claro que essas ações têm que seguir as regras do ordenamento internacional e evitar, tanto quanto possível, qualquer dano à população civil. Nós não podemos transferir a responsabilidade desse grupo terrorista para a população palestina. 

Na visão do senador Marcos Rogério (PL-RO), o Brasil não pode relativizar o ato do Hamas. De acordo com ele, existe um “antissemitismo velado” praticado por aqueles que se recusam a reconhecer os ataques como terrorismo. O parlamentar criticou falas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva que, segundo ele, reforçam esse posicionamento. 

— Pior que isso é comparar os atos brutais do Hamas às ações de guerra de Israel. Com sua postura diplomática, o governo brasileiro está revelando uma profunda ignorância. Não falo de ignorância bíblica, não falo de ignorância espiritual, falo apenas de ignorância política, histórica e factual. Ficar contra Israel na guerra declarada ao Hamas é acintosamente um equívoco abissal e absurdo, talvez o maior erro do governo brasileiro até o momento, com ênfase muito forte na postura do presidente Lula, que, com suas palavras nada acertadas, flerta abertamente com o terrorismo. 

Presidente da Confederação Israelita do Brasil (Conib), Claudio Lottenberg afirmou que defender o Hamas é ir contra os direitos humanos fundamentais. Para ele, somente o discurso de ódio e o preconceito explicam como “a mentira tem sufocado” a verdade dos fatos, que, segundo ele, é só uma: Israel tem se defendido contra a ação de uma “organização terrorista” que tem entre seus objetivos o “aniquilamento do povo judeu”. 

— Fatos se apagam e o discurso de ódio começa a emergir. Reféns são esquecidos e o quadro fratricida simplesmente é subtraído. Falas ou citações equivocadas, distorções da realidade, observações unilaterais. E o relato e o retrato estão aí: o número de denúncias de atos e manifestações antissemitas aumentou em 1 mil%, comparando-se os períodos entre 2022 e 2023. Pior, o perigo não está só no discurso de ódio. Aqui em nosso Brasil, indivíduos foram presos em razão do possível planejamento de um atentado terrorista contra instituições e contra a liderança judaica.

Equilíbrio 

O líder do governo, Jaques Wagner (PT-BA), que também é judeu, solidarizou-se com os familiares dos sequestrados, classificou o ato do Hamas como covarde e cruel e enfatizou que a primeira preocupação do governo federal foi buscar trazer de volta para o Brasil, com segurança, aqueles que têm cidadania brasileira e queriam deixar a região de conflito. Ele ainda acrescentou que a diplomacia brasileira tem atuado na tentativa “da paz possível” entre judeus, israelenses e palestinos. Para Wagner, qualquer ato ou grupo terrorista deve ser condenado e eliminado, mas ele alertou que o Brasil não pode dirigir uma condenação generalizada ao povo palestino.  

— Nós não podemos confundir os palestinos com o Hamas. Nós temos o hábito de generalizar. Os palestinos também querem paz. São pais e mães de família que sofrem com a perda dos seus familiares e que têm o direito de viver em paz e conviver com o Estado de Israel, pelo menos é o meu sonho. Afinal de contas, todos somos filhos de Abrão, todos temos a mesma origem. 

Participaram da sessão cinco familiares de nove reféns que estão em poder do Hamas desde 7 de outubro, além dos deputados Marcel van Hattem (Novo-RS) e General Girão (PL-RN). Também estiveram presentes os embaixadores, Vasilios Philippou (Chipre), Carlos Alberto Velástegui Calero (Equador), María del Mar Fernández-Palacios (Espanha), Ioannis Tzovas (Grécia), Miklós Tamás Halmai (Hungria), Béatrice Kirsch (Luxemburgo) e a diretora-geral do Senado, Ilana Trombka. 

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Homem é preso após furto de carro, colisão em muro e furto de moto
IVINHEMA

Homem é preso após furto de carro, colisão em muro e furto de moto

JUSTIÇA ELEITORAL

Julgamento que pode cassar mandato de Sergio Moro começa em abril

Morador de MS é condenado a 17 anos de prisão por atos golpistas
8 DE JANEIRO

Morador de MS é condenado a 17 anos de prisão por atos golpistas

Confederação reforça parceria e destaca referência de MS no vôlei de praia
ESPORTES

Confederação reforça parceria e destaca referência de MS no vôlei de praia

Diretor de trânsito manda taxistas "quebrarem" motoristas clandestinos no pau
RIBAS DO RIO PARDO

Diretor de trânsito manda taxistas "quebrarem" motoristas clandestinos no pau

REGIÃO 

Reitoria manifesta apoio à luta da categoria técnico-administrativa da UFGD

CAPITAL

"Gangue das Mulheres" volta à ativa e duas são presas após furto em loja

STF

Flávio Dino toma posse como ministro do Supremo Tribunal Federal

CORUMBÁ

Bombeiros e Marinha socorrem jovem atacado por queixada no Pantanal

ATOS GOLPISTAS

Valdemar e Torres depõem na PF sobre tentativa de golpe; Bolsonaro se cala

Mais Lidas

TACURU

Servidores são indiciados por desvio de recursos públicos em cidade do interior do MS

DOURADOS

Família procura homem desaparecido desde a manhã desta segunda em Dourados

PARTIDAS DOBRADAS

Operação cumpre mandado em Dourados e mira esquema que movimentou R$ 200 mi em notas frias

PROIBIÇÃO

Projeto que veda por mais 5 anos a captura e comercialização do Dourado passa pela CCJR