Menu
Busca sábado, 11 de julho de 2020
(67) 99659-5905
POLÍTICA

Senado aprova projeto que proíbe venda de narguilé a crianças e adolescentes

12 fevereiro 2020 - 06h36Por G 1

O Senado Federal aprovou nesta terça-feira, dia 11 de fevereiro, um projeto que proíbe a venda de acessórios ligados ao fumo a crianças e adolescentes. O texto do projeto lista narguilé, cachimbos, piteira e papel para enrolar cigarro.

A proposta altera o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) e foi apresentada pelo ex-deputado Antonio Bulhões (Republicanos-SP).

O texto foi aprovado pela Câmara dos Deputados em 2018, mas precisará ser analisado novamente pelos deputados porque foi modificado pelo Senado.

Atualmente, o Estatuto da Criança e do Adolescente proíbe vender à criança e ao adolescente os seguintes produtos:

armas, munições e explosivos;

bebidas alcoólicas;

produtos cujos componentes possam causar dependência física ou psíquica ainda que por utilização indevida;

fogos de estampido e de artifício, exceto aqueles que pelo seu reduzido potencial sejam incapazes de provocar qualquer dano físico em caso de utilização indevida;

revistas e publicações com material impróprio ou inadequado;

bilhetes lotéricos.

O projeto aprovado nesta terça inclui na lista um novo item: "Produtos fumígenos e acessórios ou insumos utilizados em seu consumo, tais como cachimbo, narguilé, piteira e papel para enrolar cigarro".

Originário da Índia, o narguilé é um equipamento no qual uma mistura de essência e tabaco é aquecida, e a fumaça gerada passa por um filtro com água até ser aspirada pelo usuário, por meio de uma mangueira.

Pelo texto do Senado, quem vender, fornecer, servir, ministrar ou entregar os produtos fumígenos a menores de 18 anos poderá ser punido com 2 a 4 anos de detenção, além do pagamento de multa.

A proposta diz ainda que o estabelecimento que vender cigarro, narguilé e outros acessórios ligados ao fumo a crianças e adolescentes estará sujeito a uma multa de R$ 3 mil a R$ 10 mil. Além disso, o comércio ficará interditado até o recolhimento da multa aplicada.

Precursor' do consumo de cigarro

Relator da proposta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), o senador e ex-ministro da Saúde José Serra (PSDB-SP) diz que o narguilé é um "precursor da iniciação ao consumo de cigarro".

"Os malefícios à saúde decorrentes do uso de produtos fumígenos diversos do cigarro convencional são inegáveis. Em uma sessão de narguilé, os participantes podem chegar a inalar quantidade de fumaça correspondente à de 150 cigarros", afirmou.

Nelsinho Trad (PSD-MS), relator da proposta na Comissão de Direitos Humanos do Senado, ressalta que a legislação já proíbe a venda a menores de idade de produtos derivados do tabaco, uma vez que causam dependência. Mas, na avaliação do parlamentar, a proibição deve ser estendida aos itens ligados ao fumo.

"Para que essa restrição fique positivada na lei, uniformizando interpretações e servindo como mais um marco contra o tabaco entre crianças e adolescentes, consideramos adequado posicioná-la em norma legislativa", afirmou Trad.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CRIME AMBIENTAL
PMA multa pescadores, apreende barco e motor em Ivinhema
PANDEMIA
Apenas quatro cidades de MS ainda não registraram casos de Covid-19
EDUCAÇÃO
Prouni disponibilizará 167.789 bolsas em 1.061 instituições privadas
CAMPO GRANDE
Mais de 12 toneladas de peixe passam por fiscalização na Capital
EDUCAÇÃO
Sisu tem 814,47 mil candidatos inscritos em todo Brasil
CRIME AMBIENTAL
Denúncia termina com a prisão de caçador com rifles e munições
CASSILÂNDIA
Justiça aumenta pena-base de condenado por estelionato
BRASIL
Covid-19: voo com carga de máscaras de cirúrgicas chega ao Brasil
PANDEMIA
MS tem mais sete mortes e se aproxima de 13 mil casos de coronavírus
DETRAN-MS
Para evitar aglomeração, mais de mil pessoas já agendaram atendimento nas agências de Dourados

Mais Lidas

ACIDENTE DE TRABALHO
Douradense morre após ser atingido na cabeça por peça de elevador de 20kg
PANDEMIA
Pneumologista é o terceiro médico a morrer por covid-19 em Dourados
DOURADOS
“Ele não conseguiu terminar o último plantão”, diz esposa de médico vítima da Covid
DOURADOS
Decreto é alterado e agora autoriza delivery e drive-thru para bares e conveniências