Menu
Busca sábado, 25 de setembro de 2021
(67) 99257-3397
ESPORTE

Seleção de vôlei fica a um passo do tetracampeonato do Mundial

20 setembro 2014 - 14h50

globoesporte.com

A França chegou de mansinho. Resistiu ao Grupo da Morte na primeira fase, que tinha Itália, EUA e Irã. Foi mostrando uma defesa consistente, um ataque forte e preocupando adversários no Mundial da Polônia.

O Brasil sabia o tamanho do problema que iria enfrentar por uma vaga na final. Manteve a cabeça no lugar, resistiu às investidas de Ngapeth, da torcida contra e assegurou, no tie-break, o direito de lutar pelo tetracampeonato do mundo.

Neste sábado, na Spodek Arena, os tricampeões venceram a surpresa da competição por 3 sets 2, parciais de 25/18, 23/25, 25/23, 22/25 e 15/12. Lucarelli terminou como o maior pontuador, com 22 acertos. Ngapeth, com 21, ficou logo atrás.

Agora, a seleção de Bruninho, Lucarelli & Cia. aguarda o vencedor da outra semifinal para conhecer seu adversário na decisão: Polônia ou Alemanha. A final será às 15h25 (de Brasília) deste domingo.

O JOGO

Sacando melhor e atento no bloqueio, o Brasil abria 8/4. Se o passe saía errado, Lucarelli consertava se livrando com categoria de um triplo que subiu bem na sua frente. Rouzier, o maior pontuador dos Bleus na competição, tinha dificuldade de colocar as bolas no chão. Ngapeth também (16/9). Bruninho vibrava. O jogo do time fluía. O DJ da arena colocava o ritmo de "Allez les Bleus", e a arquibancada respondia. Mas os tricampeões davam de ombros. O técnico Laurent Tillie entava consertar o estrago. Pedia tempo. Na volta, Wallace soltou uma pancada que teve como destino o peito de Yoann Jaumel.

O ritmo não parava. Se os franceses são conhecidos por sua consistência defensiva, a seleção também se segurava bem lá atrás, chegando a vencer um bonito rali, muito aplaudido (19/11). Uma boa sequência de saques de Ngapeth fazia a diferença diminuir (21/17). Até Lucarelli acabar com a festa. Bernardinho promovia a inversão. Rapha e Vissotto entravam nos lugares de Bruninho e Wallace, respectivamente. O set estava no bolso: 25/18.

A França começava a segunda parcial na frente (3/1). Kevin Tillie chamava o jogo (10/6). O bloqueio já não funcionava tão bem, e Le Roux aproveitava para fazer seu time se distanciar ainda mais (13/7). Bruninho chamava Lucarelli. Dava certo. Acionava Wallace. Chão de novo (14/10). Vissotto deixava o banco e contribuía com mais um bloqueio (14/11).

Os adversários se seguravam. O Brasil insistia. Murilo acreditava em todas as bolas e salvava uma com o pé. Vissotto subia e diminuía para dois pontos (17/15). Ngapeth tirava os franceses do aperto (20/16). Lipe fazia isso para o Brasil com dois aces seguidos. Após um ataque certeiro de Wallace, a seleção desperdiçava a chance do empate. Na segundo, Lucarelli não perdoava (22/22). O comandante dos Bleus se irritava. Mas era seu time que conseguia o set point pouco depois (24/23). Um ataque para fora de Wallace fazia Spodek comemorar. Tudo igual: 25/23.

No terceiro set, as ações ficavam equilibradas (8/8). A seleção perdia a chance da virada com um ataque de Lucarelli na rede. Num erro de Mory Sidibe, a vantagem veio (12/11). Lucão começava a aparecer mais. Sidão pegava Le Roux no bloqueio (17/15). Os rivais conseguiam o empate e logo em seguida exploravam a muralha brasileira para retomar o comando do placar. Vissotto igualava (18/18).

As equipes trocavam erros. Vissotto fazia 21/20. Ngapeth respondia. Lucão também (22/21). Num saque de Lipe, a seleção parava o contra-ataque com um duplo bem montado e abrir 23/21. Em seguida, via Ngapeth atacar para fora, mas Wallace tocava na rede (23/22) como apontava o desafio pedido. Lucão deixava a equipe a um ponto do 2 a 1. Lucarelli tratava de encerrar o set: 25/23.

A França já dava pontos de graça no comecinho da quarta parcial. O Brasil ia no mesmo ritmo e ficava atrás no placar (7/4). Wallace, Sidão e Bruninho diminuíam o prejuízo (8/7). O empate chegaria com Wallace. Numa falha francesa, os tricampeões comemoravam o 12/11. Até o serviço dos adversários voltar a dar trabalho. A frente subia para 14/12 e se mantinha na casa dos dois pontos. A seleção ia buscar para desespero dos comandados de Laurent Tillie (16/15). Bola para Ngapeth. Empate. O serviço de Le Goff fazia a França respirar (19/17). A seleção cometia erros ofensivos na reta final, e o jogo seria decidido no tie-break: 25/22.

No set desempate, Bruninho & Cia. fugia dois pontos (5/3), mas os rivais reagiam. O Brasil tinha em Lucarelli e Wallace seus homens de segurança (9/7). Bernardinho não piscava. Só vibrou com o bloqueio simples de Lucarelli, que parava Sidibe. Logo depois, Vissotto dava sua contribuição na saída de rede por cima do bloqueio. A sorte estava do lado brasileiro. Os franceses atacavam para fora (13/8). Os dois pontos seguidos feitos pelos Bleus soaram como uma alerto. Bernardinho parava o jogo. Na retomada, Sidão fazia o match point. Sidibe salvava. Vissotto desperdiçava um ataque. Nova parada. Na volta, o oposto não perdoou: 15/12.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO
Mulher é autuada em R$ 5 mil por desmatamento ilegal em área protegida
ANEEL
Conta de energia continua com bandeira vermelha em outubro
CAPITAL
Haitiano invade delegacia, detona viatura e dá prejuízo de R$ 25 mil
Inova Unigran inicia o evento "Investimento & Startup" na terça-feira
GERAL
Inova Unigran inicia o evento "Investimento & Startup" na terça-feira
Mulher inventa roubo de carro alugado e acaba autuada ao registrar BO
REGIÃO
TJ/MS implementará 100% dos serviços presenciais no dia 18 de outubro
VIOLÊNCIA
Homem volta com foice após falhar ao tentar matar homem a tiros
EDUCAÇÃO
UEMS realiza palestra sobre 'Leitura e Literatura para bebês e crianças'
BATAYPORÃ
Polícia Civil prende mulher condenada por tráfico de drogas
BRASIL
Ministro anuncia dose de reforço contra Covid a profissionais de saúde

Mais Lidas

DOURADOS
Homem é encontrado morto em casa por funcionária na Vila São Brás
RACISMO
Em SP, DJ Alok recorda exclusão de integrantes do 'Brô MCs' durante show em Dourados 
TRAGÉDIA 
Motociclista morre na BR-163 em Dourados após bater em uma capivara 
DOURADOS
Júri condena jovem que matou amiga com tiro na nuca e alegou 'acidente'