Menu
Busca sábado, 17 de abril de 2021
(67) 99257-3397

Saúde na fronteira preocupa Brasil e Paraguai

23 agosto 2005 - 12h29

Autoridades de saúde de Ponta Porã e Pedro Juan Caballero estão definindo estratégias para garantir melhor atendimento aos moradores das duas cidades fronteiriças. Nesta quinta-feira a secretária municipal de Saúde de Ponta Porã, Regina Gattass se reúne com lideranças políticas e profissionais do setor que atuam na vizinha cidade de Pedro Juan Caballero. O objetivo é traçar metas e garantir o acesso ao sistema de saúde para a população em geral, mas em particular a parcela de baixa renda.Uma reunião prévia foi realizada na semana passada nas dependências do Hospital Regional de Pedro Juan Caballero. A secretária de saúde de Ponta Porã se encontrou com o prefeito de Pedro Juan Caballero, Julio Benitez, o diretor regional de Saúde do Departamento de Amambay, Victor Peralta, a diretora do Hospital Regional de Pedro Juan Caballero, Dora Villalba de Manzur e diversos membros do Conselho Local de Saúde, PJC, presidido por Ricardo Zacarias.Para Regina Gattass, existe uma situação complexa na fronteira: “as legislações vigentes nos dois países impedem um trabalho conjunto de maneira permanente. No Brasil existe o Sistema Único de Saúde, que é gratuito. Já no Paraguai a legislação impede que a população tenha acesso aos serviços médicos de graça. Por isso, pelo menos 30 por cento das pessoas atendidas na rede pública de Ponta Porã são paraguaios”, explica a secretária que busca uma saída para a falta de profissionais especialistas em algumas áreas fundamentais. “No lado brasileiro faltam médicos para algumas especialidades como pediatria para atender toda a demanda. Enquanto isso, há um grande número de profissionais desta área no lado paraguaio da fronteira. No entanto a legislação impede uma parceria mais efetiva”, afirma.De acordo com Regina Gattass, é necessário encontrar uma saída pois “se fazemos as mesmas coisas um ao lado dO outro, por que não podemos fazer juntos?”, questionou. Acrescentando que “Cada um pode oferecer a especialidade médica que possui, o que irá garantir melhor atendimento à população”. O cônsul do Paraguai em Ponta Porã, Pedro Vargas Valdez ressaltou o empenho das autoridades paraguaias em colaborar com os profissionais que trabalham no lado brasileiro da fronteira. “Estive visitando o prefeito Flávio Kayatt e ele demonstra ter o maior interesse em resolver os problemas, garantindo o atendimento ao povo paraguaio nas unidades de saúde de Ponta Porã. Um atendimento que precisa ser feito dentro dos limites da lei”, frisou o cônsul, que acrescentou: “os profissionais paraguaios querem trabalhar, atendendo a população da fronteira. Temos que buscar os meios legais para que isso possa ocorrer”. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Homem executado com 60 tiros já foi acusado de homicídio e tentativa
CAPITAL
Homem executado com 60 tiros já foi acusado de homicídio e tentativa
IMUNIZANTE
Azambuja assina carta dos governadores à ONU por mais vacinas
FRONTEIRA
Polícia 'estoura' lava jato que estocava cocaína para facções criminosas
GERAL
Emissão de Certidões Negativas segue disponível no Portal do TJMS
CAPITAL
Passageira de moto morre após veículo colidir com carro em viaduto
FÓRMULA 1
Lewis Hamilton conquista a pole para o GP de Imola; 99ª da carreira
REGIÃO
Ladrão de bancos do Paraguai é preso quando fugia para o Brasil
BENEFÍCIO
UEMS oferta 78 bolsas no valor de R$ 400 para Projetos de Ensino
POLÍCIA
Veículo roubado é recuperado na região central de Dourados
LOTERIA
Caixa sorteia hoje R$ 40 milhões da Mega-Sena acumulada

Mais Lidas

DOURADOS
Motociclista é preso após passar 'fumando um baseado' ao lado de viatura
CRIME AMBIENTAL
Goiano preso com minhocas terá que pagar multa de quase meio milhão de reais
AMEAÇA DE EXTINÇÃO
Após passar por MS, homem é preso com mudas raras que seriam vendidas na Bolívia
DOURADOS
Funsaud oficializa saída de diretor médico da UPA após denúncia de escala sem plantonista