Menu
Busca terça, 11 de maio de 2021
(67) 99257-3397
LIMINAR

Rosa Weber derruba trechos de decretos de Bolsonaro sobre porte de armas

12 abril 2021 - 22h20Por G 1

A ministra do STF (Supremo Tribunal Federal) Rosa Weber suspendeu nesta segunda-feira, dia 12 de abril, em decisão individual, trechos dos quatro decretos sobre porte e posse de arma editados pelo presidente Jair Bolsonaro em fevereiro. Os textos passam a valer na terça-feira (13).

A suspensão atinge, por exemplo, o trecho que aumentava, de dois para seis, o limite de armas de fogo que o cidadão comum pode adquirir, desde que preencha os requisitos necessários para obtenção do Certificado de Registro de Arma de Fogo.

No mesmo decreto, Bolsonaro também permitia que policiais, agentes prisionais, membros do Ministério Público e de tribunais comprassem duas armas de fogo de uso restrito, além das seis de uso permitido. Rosa Weber também suspendeu esse trecho.

A ministra do STF suspendeu, ainda, o trecho de outro decreto publicado na mesma data que ampliava, em grande escala, os limites para compras de armas e munição para caçadores, atiradores e colecionadores – conhecidos como "CACs".

Os decretos de Bolsonaro foram anunciados pelo governo no fim da noite de 12 de fevereiro, às vésperas do carnaval, e as mudanças não passaram pela análise do Congresso. Os textos fazem uma nova regulamentação do Estatuto do Desarmamento, aprovado em 2003.

Na semana passada, reportagem do Jornal Nacional mostrou a articulação de senadores para tentar derrubar, em plenário, os decretos. Veja no vídeo abaixo:

Na decisão, Rosa Weber determina que o tema seja enviado ao plenário do STF, que pode confirmar ou rejeitar o que a ministra decidiu.

O julgamento das ações protocoladas pelos partidos PT, PSB e Rede contra esse pacote de quatro decretos de Jair Bolsonaro já estava marcado para começar na próxima sexta (16), em plenário virtual.

Ponto a ponto

Veja, na lista abaixo, quais regras estavam previstas nos decretos de Bolsonaro e foram suspensas por Rosa Weber:

fim do controle feito pelo Comando do Exército sobre categorias de munições e acessórios para armas;

autorização para a prática de tiro recreativo em entidades e clubes de tiro, independentemente de prévio registro dos praticantes;

possibilidade de aquisição de até seis armas de fogo de uso permitido por civis e oito armas por agentes estatais com simples declaração de necessidade, revestida de presunção de veracidade;

comprovação pelos CACs da capacidade técnica para o manuseio de armas de fogo por laudo de instrutor de tiro desportivo;

dispensa de credenciamento na Polícia Federal para psicólogos darem laudos de comprovação de aptidão psicológica a CACs;

dispensa de prévia autorização do Comando do Exército para que os CACs possam adquirir armas de fogo;

aumento do limite máximo de munição que pode ser adquiridas, anualmente, pelos CACs;

possibilidade de o Comando do Exército autorizar a aquisição pelos CACs de munições em número superior aos limites pré-estabelecidos;

aquisição de munições por entidades e escolas de tiro em quantidade ilimitada;

prática de tiro desportivo por adolescentes a partir dos 14 anos de idade completos;

validade do porte de armas para todo território nacional;

porte de trânsito dos CACs para armas de fogo municiadas; e

porte simultâneo de até duas armas de fogo por cidadãos.

A decisão de Rosa Weber

Na decisão provisória, Rosa Weber afirma que inúmeros estudos revelam uma "inequívoca correlação entre a facilitação do acesso da população às armas de fogo e o desvio desses produtos para as organizações criminosas, milícias e criminosos em geral, por meio de furtos, roubos ou comércio clandestino, aumentando ainda mais os índices gerais de delitos patrimoniais, de crimes violentos e de homicídios."

Para Rosa Weber, os decretos de Bolsonaro fragilizam pontos do Estatuto do Desarmamento de 2003 – que, nas palavras da ministra, "inaugurou uma política de controle responsável de armas de fogo e munições no território nacional".

A relatora diz ainda, na liminar, que Bolsonaro extrapolou as prerrogativas do Poder Executivo ao alterar, por decreto, trechos da legislação aprovada pelo Congresso.

"Desse modo, entre o agir do Poder Executivo, no exercício da competência regulamentar, e a atuação do Poder Legislativo, no desenho da moldura normativa delegada àquele, deve haver a observância da coerência normativa entre os atos na construção do direito, que têm em si uma relação de hierarquia e dependência", diz a ministra.

"Os Decretos de fevereiro de 2021 alteram de maneira inequívoca a Política Nacional de Armas, em atividade regulamentar excedente do seu espaço secundário normativo", prossegue.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Covid-19: estados pedem manutenção de financiamento de leitos de UTI
MS
Após estuprar filhos por três anos, professor é condenado a 48 anos de prisão
Polícia Civil prende homem acusado de extorsão contra a ex-esposa
TRÊS LAGOAS
Polícia Civil prende homem acusado de extorsão contra a ex-esposa
Mato Grosso do Sul recebe novo lote com 51.500 doses da vacina contra Covid-19
PANDEMIA
Mato Grosso do Sul recebe novo lote com 51.500 doses da vacina contra Covid-19
Viva Mulher já atendeu 172 casos de violência doméstica em 2021
DOURADOS
Viva Mulher já atendeu 172 casos de violência doméstica em 2021
LEGISLATIVO DE MS
Barbosinha pede aumento de repasses do Estado para Funsaud de Dourados
COVID-19
Saúde suspende vacina da AstraZeneca para grávidas em MS
PORTO MURTINHO
Jovem é preso após furto em pousada
TRÊS LAGOAS
Homem é preso transportando cerca de 200 kg de maconha para São Paulo
ELDORADO
Polícia apreende caminhão com mais de 7 toneladas de maconha

Mais Lidas

PANDEMIA
Levado pela Covid-19, "João da União" deixa legado para família e em Dourados
DOURADOS
Homem morre no HV após acidente com condutor que empinava moto
INDÁPOLIS
Homem assassinado em distrito sofreu vários golpes de facão e teve mão decepada
DOURADOS
Juiz manda Câmara exonerar nomeados e realizar novo concurso público