Menu
Busca quinta, 26 de novembro de 2020
(67) 99659-5905
ESTRATÉGIA

Reunião discute o Plano Estadual de Combate ao Feminicídio em Mato Grosso do Sul

07 fevereiro 2020 - 16h05Por Da Redação

Com público formado predominantemente por representantes de organismos não-governamentais, movimentos sociais, de mulheres e feministas, a Subsecretaria Estadual de Políticas Públicas para Mulheres realizou na noite de quinta-feira (6/2), reunião ampliada para discutir ações e parcerias na prevenção e combate ao feminicídio em Mato Grosso do Sul.

A reunião foi conduzida pela secretária Especial de Cidadania, Luciana Azambuja, que apresentou uma linha do tempo das ações já realizadas pelo Governo do Estado, destacando a atuação conjunta dos poderes Legislativo e Judiciário e sociedade civil na organização da primeira edição da campanha estadual de combate ao feminicídio, no ano passado.

Essa foi a primeira reunião realizada com a sociedade civil para debater propostas de implementação do Plano Estadual de Combate ao Feminicídio, instituído por meio do decreto nº 15.325/2019. “Já fizemos uma reunião com representantes da Sejusp e da Sedhast e outras reuniões de trabalho com órgãos governamentais estaduais serão realizadas, para que possamos discutir o fenômeno da violência contra a mulher e os feminicídios de forma transversal e integrada, mas, sem dúvida, na reunião com as mulheres de diferentes segmentos, tivemos a oportunidade de ouvir exatamente quais as necessidades e onde precisamos investir mais e melhor”, ressalta Luciana.

O Plano tem como objetivos sensibilizar e conscientizar a sociedade sobre a violência sofrida pelas mulheres – que muitas das vezes leva à morte violenta –  por meio de campanhas educativas permanentes e continuadas; incentivar a realização de ações de mobilização, palestras, panfletagens, eventos e debates, visando discutir o feminicídio como a maior violação de direitos humanos das mulheres, crime hediondo que não pode ser naturalizado ou banalizado; evitar a revitimização e a violência institucional da mulher em situação de violência.

Na ocasião, a vítima de violência doméstica, Juliana Reis, ressaltou a fragilização extrema de mulheres em situação de violência. “Ninguém sabe o que se passa com a vítima de violência doméstica. A maioria das mulheres que passam por isso não conseguem falar, eu mesma não identificava a violência, somente no dia que fui até a delegacia eu vi que sofria todos os tipos de violência previstos na Lei Maria da Penha. Sofria violência velada”.

Após os debates foram definidos alguns encaminhamentos, como por exemplo, a capacitação para atendimento humanizados de policiais civis, militares e profissionais da saúde. A Subsecretaria de Políticas Públicas para Mulheres estará recebendo através de e-mail (mulheres@segov.ms.gov.br) propostas de todos os cidadãos sul-mato-grossenses para o enfrentamento a todas as formas de violência contra as mulheres.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

SÃO GABRIEL
Jovem é presa ao pedir carona para transportar mochila com cocaína
CÓDIGO PENAL
Senado Federal aprova pena maior para crimes de racismo e homofobia
OPERAÇÃO SPARTACUS
Exército prende 2 pessoas, apreende 57 armas e 25 mil munições
POLÍTICA
Bolsonaro edita MP que isenta conta de luz para moradores do Amapá
NOVA ANDRADINA
Polícia Civil destrói 822 quilos de drogas no Vale do Ivinhema
REGIÃO
Startup-se Bioeconomia reúne jovens para identificar oportunidades
CAPITAL
Dependendo de moto para trabalhar, família tem veículo furtado
JUDICIÁRIO
STF adia decisão sobre remarcação de concursos por crença religiosa
Sobe para 41 o número de mortos em acidente no interior de São Paulo
UEMS
Thiago, de 21 anos, pesquisa as potencialidades da Guabiroba-verde

Mais Lidas

VIOLÊNCIA
Mulher esfaqueia ex após discussão em hotel no Centro de Dourados
ENTERPRISE
Operação contra tráfico internacional de cocaína cumpre mandado de prisão em Dourados
CAPITAL
Funcionária de restaurante é presa em flagrante após furtar dinheiro do caixa
CRIME BÁRBARO
Suspeita de esquartejar e colocar corpo de namorado em malas se entrega à polícia