Menu
Busca quarta, 05 de agosto de 2020
(67) 99659-5905

Quadrilhas buscam no Paraguai material para explodir caixas eletrônicos

30 maio 2011 - 06h40

Os rastros do crime levam a Ciudad del Este, no Paraguai. É lá que quadrilhas especializadas em explodir caixas eletrônicos encontram as ferramentas necessárias. Tem até dinamite.

O tráfico de explosivos preocupa as autoridades brasileiras. Os repórteres Fábio Almeida e Guacira Merlin registraram a ação dos traficantes e descobriram que bandidos contam, inclusive, com assessoria técnica para fazer explosões.

A Ciudad del Este, no Paraguai, faz fronteira com o Brasil. No meio da rua, ambulantes oferecem de tudo, inclusive dinamite. Um dos camelôs diz que consegue o material em pedreiras e que entrega no Brasil. Outro traz a dinamite escondida dentro do casaco. O produtor de reportagem Fábio Almeida combina de voltar depois e não realiza a compra.

O tráfico de explosivos alimenta um número cada vez maior de roubos a bancos. Só no Rio Grande do Sul, foram 12 ataques desse tipo em 2010. O estado de São Paulo também está na mira das quadrilhas: esse ano, já foram explodidos mais de 50 caixas eletrônicos.

No Brasil, exército e Polícia Civil controlam a compra, transporte, armazenamento e venda de qualquer tipo de explosivo. “A alternativa dos criminosos, e sem dúvida sempre uma boa alternativa, pela pouca fiscalização das nossas fronteiras, é a busca destes explosivos no Paraguai, Argentina e o Uruguai”, alerta o delegado Juliano Ferreira, do Departamento Estadual de Investigações Criminais.

O exército diz que está preocupado com os ataques. “Tem sido feito treinamento de pessoal, investido em tecnologia da informação para a gente conseguir coletar mais informação e dados para a gente distribuir nas investigações dos órgãos de segurança pública”, garante o capitão Reuel, da Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlados do Exército.

Para não chamar a atenção da polícia, os criminosos evitam roubos às mineradoras, pedreiras e empresas que trabalham com detonação. Preferem desviar o material. Contam até com a ajuda de alguns especialistas em detonação, chamados de “blasters”.


Deixe seu Comentário

Leia Também

AGRONEGÓCIO
Famasul encontra produtores animados com preço do milho e estimativa de 76 sacas por hectare
DOURADOS
Campanha para ajudar na cirurgia de douradense com tumor ósseo no crânio continua
SÁUDE & BEM - ESTAR
Doenças silenciosas também podem levar a cegueira!
BR-463
Polícia autua motorista de aplicativo por tráfico de drogas e corrupção de menores
CORUMBÁ
Estrangeiros são presos com 180 mil dólares e tentam subornar militares
AÇÃO CONJUNTA
Polícia cumpre mandados de busca e apreensão em Rio Brilhante e mira casa de ex-prefeito
PAULISTÃO
Corinthians e Palmeiras começam a decidir estadual nesta quarta
LEGISLATIVO
Pedido de calamidade pública e outros dois projetos devem ser votados hoje
DOURADOS
Agesul anuncia empresas que vão duplicar e construir passarela na MS-156
ESTRELA PORÃ
Dupla de moto dispara contra casal e deixa homem ferido próximo a bar

Mais Lidas

DOURADOS
Peladão: Homem é detido após armar confusão em motel e quebrar vários quartos
DOURADOS
Condutor de veículo que atropelou ciclista e fugiu sem prestar socorro é identificado
POLÍCIA
Duas mulheres são presas por estelionato em Dourados
TRAGÉDIA
Mulher que morreu em acidente na BR-463 em Ponta Porã tinha 27 anos