Menu
Busca domingo, 05 de abril de 2020
(67) 9860-3221
TST

Petroleiros fecham acordo com a Petrobras e encerram greve de 20 dias

21 fevereiro 2020 - 22h20Por Agência Brasil

Representantes da FUP (Federação Única dos Petroleiros) confirmaram, nesta sexta-feira, dia 21 de fevereiro, o fim da greve de 20 dias da categoria. O anúncio foi feito após audiência de conciliação com representantes da Petrobras, no gabinete do ministro Ives Gandra Martins Filho, do TST (Tribunal Superior do Trabalho), relator do processo de dissidio coletivo no tribunal.

Além do fim da greve, ficou decidido que metade dos dias parados serão descontados na folha de pagamento e a outra metade serão compensados pelos empregados. As punições administrativas contra os grevistas também deverão ser canceladas pela estatal. Outra reivindicação dos petroleiros foi atendida e a escala de trabalho será elaborada pelos trabalhadores.

A questão das demissões em uma fábrica de fertilizantes da Petrobras no Paraná será discutida em outra reunião, marcada para quinta-feira (27).

Ontem (20), após 20 dias de greve, os petroleiros suspenderam a paralisação e voltaram ao trabalho para aguardar o que seria definido na audiência de conciliação realizada nesta sexta-feira (21).

Greve

A greve foi iniciada em função, segundo os petroleiros, do descumprimento do acordo coletivo pela estatal. Os petroleiros contestavam ainda as demissões anunciadas pela estatal na Araucária Nitrogenados (Ansa), subsidiária da empresa, na cidade de Araucária, Região Metropolitana de Curitiba.

Conhecida como Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR), a subsidiária deve ser fechada pela Petrobras. Segundo a FUP, a suspensão das atividades vai provocar a demissão de mil trabalhadores.

A estatal alega que após a aquisição da Vale, em 2013, os "resultados da subsidiária demonstram a falta de sustentabilidade do negócio e que sua continuidade operacional não se mostra viável economicamente". O prejuízo anual é de R$ 400 milhões este ano, segundo a empresa.

Na terça-feira (18), a Justiça do Trabalho em Curitiba suspendeu as demissões dos empregados até 6 de março, quando nova audiência de conciliação será realizada.

A decisão foi tomada durante a primeira audiência do dissídio de greve dos empregados. Diante do impasse, não houve acordo com a empresa e as demissões foram suspensas temporariamente, inclusive as 144 efetivadas.

Um dia antes, na segunda-feira (17), o ministro Ives Gandra Martins considerou ilegal a greve dos petroleiros.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESTADO
Detran-MS explica sobre emplacamento em tempo de Coronavírus
STF
Mantida portaria que suspendeu visitas em penitenciárias federais
DOURADOS
Com fim da janela partidária a vereadores, MDB garante maior bancada na Câmara
BRASIL
Covid-19: confinamento e distanciamento social preocupam psicólogos
DOURADOS
Contrato com empresa que varre as ruas é prorrogado por 90 dias
ESTADO
Profissionais de Educação Física podem reforçar combate ao coronavírus, diz diretor-presidente da Fundesporte
DOURADOS
Convocação da prefeita prevê domingo de jejum e oração
DOURADOS
Polícia apura que filho matou pai a pauladas após agredir a mãe grávida
NEGÓCIOS & CIA
Tenha um site para você vender mais
ISOLAMENTO SOCIAL
Governo usará dados de teles para monitorar circulação de pessoas

Mais Lidas

CORONAVÍRUS
Dourados registra mais dois casos de Covid-19 e MS tem 60 confirmações
ISOLAMENTO
Em 24 horas, apenas uma cidade de MS aparece vermelha no monitoramento do Governo
CORONAVÍRUS
Durante fiscalização, Guarda prende nove pessoas e notifica 60 comércios em Dourados
SUMIÇO
Família procura por jovem que está desaparecida desde a última quarta-feira