Menu
Busca quinta, 24 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
POLÍTICA

Pazuello toma posse, e Saúde passa a ter ministro titular após 4 meses

16 setembro 2020 - 19h50Por G 1

Após quatro meses no cargo, o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, tomou posse nesta quarta-feira, dia 16 de setembro, como ministro efetivo da pasta.

A cerimônia aconteceu no Palácio do Planalto, e coube ao presidente Jair Bolsonaro assinar o termo de posse de Pazuello. O anúncio de que Pazuello seria efetivado no cargo foi feito na segunda-feira (14).

Algumas autoridades acompanharam a cerimônia, entre as quais o presidente do Congresso Nacional, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), e os ministros Braga Netto (Casa Civil), Paulo Guedes (Economia), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Fernando Azevedo e Silva (Defesa), Fábio Faria (Comunicações), Milton Ribeiro (Educação) e Tarcísio Gomes de Freitas (Infraestrutura).

O Salão Nobre do Palácio do Planalto, onde aconteceu a cerimônia, estava lotado. Os convidados estavam de máscara, item obrigatório em locais públicos no Distrito Federal.

General do Exército, Eduardo Pazuello é o terceiro ministro da Saúde no atual governo. Antes dele, ocuparam o cargo os médicos Luiz Henrique Mandetta (janeiro-2019/abril-2020) e Nelson Teich (abril a maio/2020).

Tanto Mandetta quanto Teich saíram do Ministério da Saúde após divergências com Bolsonaro sobre o uso da cloroquina no tratamento da Covid-19 e sobre medidas de distanciamento social (clique no nome do ex-ministro para relembrar as demissões).

Nelson Teich pediu demissão no dia 15 de maio e, desde então, Pazuello, à época secretário-executivo, passou a conduzir a pasta e a definir as estratégias para o enfrentamento da pandemia do novo coronavírus.

No dia 3 de junho, Pazuello foi nomeado ministro interino da Saúde e, nesta quarta, quatro meses após a saída de Teich, foi efetivado no comando da pasta.

'Carro andando'

No primeiro pronunciamento como titular do Ministério da Saúde, Pazuello disse que entrou na pasta em meados de abril, "no momento mais crítico da pandemia".

"Literalmente, tivemos que trocar a roda do carro andando. A responsabilidade era enorme e tivemos a liberdade total para implementarmos as medidas que eram necessárias", disse.

Em outro momento, em agradecimento a empresários e entidades, Pazuello disse que o Brasil está "vencendo a guerra".

"O mais forte a salientar foi a união e a solidariedade de todo o povo brasileiro, mostrando o valor de nossa nação, onde empresários, cidadãos e entidades das mais diversas se mobilizaram e continuam mobilizados na certeza de que, juntos, estamos vencendo essa guerra", declarou.

O ministro da Saúde defendeu ainda o tratamento precoce da doença pode salvar vidas.

“Em um primeiro momento, acreditavam que a melhor conduta era ficar em casa, aguardando a melhora dos sintomas e somente procurar atendimento médico em caso de falta de ar. Nós vimos que não era o melhor remédio o ‘fica em casa, esperando falta de ar’. O aprendizado nos mostrou que quanto mais cedo atendermos os pacientes melhores são suas chances de recuperação. O tratamento precoce salva vidas”, disse.

Vacina

Em breve entrevista após ser empossado no cargo, Pazuello disse que a previsão é de que um programa nacional de vacinação contra o coronavírus inicie a partir de janeiro. Ele disse, entretanto, que o calendário pode ser antecipado, caso as pesquisas sobre vacina sejam concluídas antes dessa data.

O ministro também afirmou que o Ministério da Saúde já estuda quais serão os públicos-alvo do programa de vacinação, mas não antecipou os grupos.

“Temos também já bem claro os públicos-alvo. Então, com certeza, durante a pandemia, nós pudemos verificar quais são os públicos-alvo mais sensíveis e você pode, a partir daí, avaliar que a gente tem já uma linha de trabalho em cima de públicos-alvo. Quais são os públicos-alvo? Qual é a sequência? Isso faz parte de um plano que está sendo desenhado ainda”, disse.

Segundo Pazuello, também está sendo discutida dentro do Ministério da Saúde a possibilidade de inclusão de remédios integrantes do “kit Covid”, entre os quais, a cloroquina, no programa Farmácia Popular.

Sobre a possibilidade de se aposentar do Exército, o ministro disse que entrar para a reserva é uma possibilidade e não uma obrigação.

Eduardo Pazuello

Eduardo Pazuello tem 56 anos e nasceu no Rio de Janeiro. É militar da arma de Intendência, formado em 1984 na Academia Militar das Agulhas Negras (RJ), onde também estudou o presidente Jair Bolsonaro.

Entre as missões desempenhadas no Exército, Pazuello foi coordenador logístico de tropas nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio de Janeiro, em 2016.

Ele também coordenou a Operação Acolhida, de auxílio a imigrantes venezuelanos, na fronteira de Roraima com o país governado por Nicolás Maduro.

À frente do Ministério da Saúde, Pazuello nomeou vários militares para sua equipe; elaborou, atendendo a demandas de Bolsonaro, protocolo sobre o uso de cloroquina nos casos leves de Covid-19; e gerou polêmica ao modificar a forma de divulgação de casos da doença.

O ministro também foi questionado sobre critérios de distribuição e sobre a não aplicação integral de verbas para a Covid-19. Ele foi criticado ainda por não atender a alertas sobre desabastecimento de remédios e sobre excesso de estoque de cloroquina, medicamento cuja eficácia contra o coronavírus não é comprovada.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Prefeitura prorroga vínculo com escritório contratado para auxiliar em licitações já anuladas
MAIS CARO
Preço do pão francês acumula alta de quase 8% no ano em MS
LEGISLATIVO DE MS
Assembleia mantém sessões remotas até 30 de outubro
BOA AÇÃO
Banda douradense faz live para ajudar criança com doença rara e degenerativa
SAÚDE & BEM - ESTAR
Exame oftalmológico é só com o médico oftalmologista!
ANGÉLICA
Polícia incinera mais de 1,7 tonelada de drogas
DOURADOS
Menor é flagrado com drogas e objetos suspeitos de serem produtos de furto
DOURADOS
Veículos apreendidos que estão em pátios de delegacias devem ir a leilão em 30 dias
LEGISLATIVO
Deputados devem votar quatro projetos durante a sessão ordinária desta quinta-feira
DOURADOS
Prefeitura terá que comprovar regularização de repasses atrasados aos prestadores do SUS

Mais Lidas

DOURADOS
Carro carregado com calhas capota após colisão e mulher fica ferida
PARANÁ
Traficante Elias Maluco é encontrado morto em presídio federal
PEDRO JUAN
Terror na fronteira: três veículos de luxo são incendiados em pontos distintos
PANDEMIA
Prefeitura e MPE entram em acordo para retorno das aulas presenciais na rede privada