Menu
Busca segunda, 30 de março de 2020
(67) 9860-3221

ONU alerta para grave recessão que aumenta desemprego

17 janeiro 2013 - 09h34

A Organização das Nações Unidas (ONU) alertou que há “grave risco de nova recessão” e que devem ser adotadas medidas de combate ao aumento do desemprego no mundo. No estudo denominado Situação e Perspetivas da Economia Mundial 2013, as Nações Unidas mantiveram a revisão em baixa para a previsão de crescimento econômico ao longo deste ano. As perspectivas são influenciadas pelos impactos da crise econômica internacional em vários países.

“O agravamento da crise na zona do euro [17 países que adotam a moeda única], o abismo do Orçamento nos Estados Unidos e um abrandamento brusco da economia chinesa poderão causar nova recessão global e cada um desses riscos poderá resultar em perdas produtivas globais entre 1% e 3 %”, ressaltou o diretor do estudo, Rob Vos.

Para a ONU, as políticas econômicas baseadas em medidas de austeridade fiscal e nos cortes dos orçamentos não oferecem o necessário para recuperar a economia e conter a crise do emprego. “Apesar de os esforços terem sido significativos, especialmente na zona do euro, a combinação de austeridade no Orçamento e de políticas monetárias expansivas teve um êxito desigual”, destacou Vos.

De acordo com o estudo, a estratégia deve ser alterada na tentativa de adotar ações coordenadas com políticas de criação de emprego e de crescimento sustentável. “A economia mundial enfraqueceu consideravelmente em 2012. [A perspectiva é que se mantenha] deprimida nos próximos dois anos”, com a previsão de crescimento de 2,4 % para 2013 e de 3,2 % para 2014”, diz o relatório.

No estudo, são apontados os efeitos da recessão nas economias dos países da zona do euro, o abrandamento econômico dos Estados Unidos e a deflação no Japão, que afetam as exportações e causam maior volatilidade nos fluxos de capital e nos preços das matérias-primas.

A ONU estima um crescimento na zona do euro de 0,3 % em 2013 e de 1,4 % em 2014; nos Estados Unidos, de 1,7 % em 2013 e de 2,7 % em 2014; no Japão, de 0,6 % este ano e de 0,8 % no próximo; e na China, de 7,9 % em 2013 e de 8 % em 2014.

Deixe seu Comentário

Leia Também

IMUNIZAÇÃO
Doses não chegam e Dourados inicia semana sem vacinas contra a Influenza
ALIMENTAÇÃO
Maca peruana: o tubérculo dos Andes considerado hoje um "superalimento"
SAÚDE
Você sabe como medir gordura corporal com um adipômetro?
CORONAVÍRUS
Especialista orienta para cuidados respiratórios em meio a pandemia
REGRAS
Twitter apaga post de Bolsonaro em que defende fim do isolamento
TELEVISÃO
Felipe x Manu x Mari vão disputar o décimo Paredão do BBB20
REGIÃO
Governo paga salários de servidores estaduais a partir desta terça-feira
ACIDENTE
Carregada com carne de frango, carreta tomba em rotatória da MS-134
ECONOMIA
Senado vota nesta segunda-feira auxílio de R$ 600 para autônomos e informais
PARANHOS
Jovem é preso na fronteira com tabletes de maconha em moto

Mais Lidas

COVID-19
Dourados confirma primeiro caso do novo coronavírus
COVID-19
Mulher de 52 anos é o 2º caso de coronavírus em Dourados, total no Estado é de 31
DOURADOS
Estado avisou sobre contato entre douradense e morador da Capital com Covid-19
AQUIDAUANA
Quatro homens são autuados em R$ 10,4 mil por pesca predatória em MS