Menu
Busca sábado, 25 de setembro de 2021
(67) 99257-3397
GERAL

OEA presta consultoria em gestão de bens apreendidos no Brasil

14 agosto 2014 - 14h00

A Organização dos Estados Americanos (OEA) iniciou hoje (14) a apresentação de um projeto para prestação de consultoria técnica sobre a administração e a destinação de ativos de origem ilícita. Já implantado em outros países, o projeto Bens Confiscados e Apreendidos na América Latina (Bidal, na sigla em espanhol) deve durar dois anos e pode sugerir mudanças na legislação brasileira.

Atualmente, de acordo com o Ministério da Justiça, um objeto apreendido em uma ação criminosa pode ficar anos aguardando a finalização da ação judicial e perder totalmente seu valor de mercado. A ideia do projeto é aprimorar os processos e melhorar a capacidade técnica de funcionários encarregados de conduzir investigações financeiras e patrimoniais, aumentando a eficiência do sistema de gestão de ativos de origem ilegal.

O secretário Nacional de Justiça, Paulo Abrão, acredita que a iniciativa vai permitir estabelecer um melhor diagnóstico do modelo de gestão de bens apreendidos a ser adotado no Brasil. O projeto, segundo ele, está em uma escala interna de “prioridade máxima” em razão da complexidade do desafio que envolve a lavagem de dinheiro, o combate ao crime organizado e a preservação do patrimônio público.

O coordenador local do projeto Bidal, Ricardo Saadi, admitiu que o país enfrenta dificuldades na administração de bens apreendidos e citou casos como o de carros se deteriorando em pátios da Polícia Federal ou de obras de arte mantidas sem o correto armazenamento, além de imóveis que ficam fechados por anos. “A chegada do projeto Bidal vai ajudar a resolver esse problema”.

O representante do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) no Brasil, Rafael Franzini, avaliou que os bens que o crime organizado, por exemplo, toma da sociedade precisam, de alguma forma, voltar para a sociedade. “O Bidal é uma peça fundamental para responder ao crime organizado e à corrupção. Não é um programa estático, mas dinâmico, que permite que o país vá se adequando”, explicou.

O secretário executivo da Comissão Interamericana de Controle do Abuso de Drogas (Cicad), divisão da OEA que vai executar o Bidal no Brasil, lembrou que o Brasil sempre foi um grande parceiro e colaborador em muitas áreas. “Esta jornada de trabalho marca o início de um caminho que não vai ser muito fácil”, disse. “O projeto é peça chave para responder às necessidades dos Estados-Membros”, completou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO
Mulher é autuada em R$ 5 mil por desmatamento ilegal em área protegida
ANEEL
Conta de energia continua com bandeira vermelha em outubro
CAPITAL
Haitiano invade delegacia, detona viatura e dá prejuízo de R$ 25 mil
Inova Unigran inicia o evento "Investimento & Startup" na terça-feira
GERAL
Inova Unigran inicia o evento "Investimento & Startup" na terça-feira
Mulher inventa roubo de carro alugado e acaba autuada ao registrar BO
REGIÃO
TJ/MS implementará 100% dos serviços presenciais no dia 18 de outubro
VIOLÊNCIA
Homem volta com foice após falhar ao tentar matar homem a tiros
EDUCAÇÃO
UEMS realiza palestra sobre 'Leitura e Literatura para bebês e crianças'
BATAYPORÃ
Polícia Civil prende mulher condenada por tráfico de drogas
BRASIL
Ministro anuncia dose de reforço contra Covid a profissionais de saúde

Mais Lidas

DOURADOS
Homem é encontrado morto em casa por funcionária na Vila São Brás
RACISMO
Em SP, DJ Alok recorda exclusão de integrantes do 'Brô MCs' durante show em Dourados 
TRAGÉDIA 
Motociclista morre na BR-163 em Dourados após bater em uma capivara 
DOURADOS
Júri condena jovem que matou amiga com tiro na nuca e alegou 'acidente'