Menu
Busca segunda, 30 de novembro de 2020
(67) 99659-5905
STJ

Negado pedido de liberdade de hacker acusado de envolvimento com quadrilha que desviava valores de contas bancárias

28 janeiro 2020 - 08h14Por Assessoria/STJ

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha, indeferiu liminar que pedia a liberdade de um hacker preso preventivamente, em setembro de 2018, no âmbito da Operação Open Doors II. A operação investiga uma quadrilha especializada em furtos por meio de fraude bancária.

Segundo o Ministério Público (MP), o grupo ligava para as vítimas se fazendo passar por funcionário do banco, e solicitava informações para atualização de cadastro no internet banking – momento em que era feito o desvio de valores contidos na conta da vítima.

No pedido de habeas corpus, a defesa do hacker afirmou que vários corréus foram soltos por decisão do STJ, sendo justificado o pedido de extensão para substituir a prisão preventiva por medidas cautelares diversas da prisão.

A defesa alegou também excesso de prazo na medida e ausência de contemporaneidade dos fatos.

Investigação complexa

Segundo o ministro João Otávio de Noronha, as informações processuais indicam que o hacker não se encontra em situação equivalente à dos demais corréus, motivo pelo qual o pedido de extensão não é justificado.

Além disso, o ministro citou trecho da decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), que destacou a complexidade da operação como justificativa plausível para a manutenção da prisão preventiva. "Não subsistem as alegações de ausência de contemporaneidade e de excesso de prazo, uma vez que a situação retrata operação extremamente complexa, com dezenas de investigados", ressaltou o TJRJ.

De acordo com o TJRJ, a denúncia foi instruída com elementos indiciários de crimes antecedentes e a prisão preventiva mantém-se fundamentada, tendo em conta a necessidade do recolhimento de dados que indiciam a autoria e a materialidade dos fatos investigados relacionados ao hacker.

O presidente do STJ afirmou que o pedido feito pela defesa na liminar confunde-se com o próprio mérito, devendo ser analisado em momento oportuno, já que não há flagrante ilegalidade a ser sanada.

No STJ, o feito seguirá tramitando sob a relatoria do ministro Jorge Mussi.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
UFGD produz vídeos para o combate ao câncer de próstata e de mama
''Eu vou fazer o melhor de mim para ser um bom vereador'', diz Marcão da Sepriva.
TV DOURADOS NEWS
''Eu vou fazer o melhor de mim para ser um bom vereador'', diz Marcão da Sepriva.
OPORTUNIDADES
Funtrab intermedia 1.117 vagas de emprego em MS, 132 em Dourados
Polícia Ambiental recolhe filhote de arara em residência

Campo Grande  A P
CAPITAL
Polícia Ambiental recolhe filhote de arara em residência Campo Grande A P
Período de pré-matrícula da Rede Estadual começa nesta segunda-feira
EDUCAÇÃO
Período de pré-matrícula da Rede Estadual começa nesta segunda-feira
SEU BOLSO
Prazo para pagamento da 1ª parcela do 13º salário termina nesta segunda
Acidente entre Dourados e Fátima do Sul deixa um morto e dois feridos
TEMPO
Segunda-feira de sol com aumento de nebulosidade em Dourados
ELEIÇÕES 2020
Candidatos a prefeito apoiados por Bolsonaro saem derrotados no 2º turno
MUNDO
Olimpíadas de Tóquio vão custar quase R$ 10 bilhões a mais por causa da pandemia

Mais Lidas

DOURADOS
Primeira noite com novo toque de recolher tem flagrante de festa com 119 adolescentes
DOURADOS
Decreto é republicado por incorreção, agora com brechas para esporte coletivo e boliche
DOURADOS
Homem é preso com arma após ex-namorada correr até viatura da PM e denunciar ameaça
POLICIAL
Criminoso imita abordagem de polícia para cometer roubo em Dourados