Menu
Busca terça, 29 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
SAÚDE

Gordinha engravida, vence câncer e emagrece 48 quilos em três anos

06 junho 2015 - 11h16

Após engravidar, descobrir um linfoma e fazer 12 sessões de quimioterapia, a carioca Jocilene Melo de Souza, de 32 anos, emagreceu 48 quilos. A decisão de mudar os hábitos alimentares e fazer atividades físicas foi tomada para cuidar da saúde. Em três anos, a secretária saiu dos 117 e chegou aos 69 quilos.

Antes de fazer o pré-natal, Jocilene não se pesava e não se incomodava com o sobrepeso. “Eu nunca fui magra, mas também nunca fui obesa. Era ‘cheinha’. Durante a gravidez, a médica me aconselhou a me cuidar, a cuidar do meu peso, mas sai dos 83 e fui para os 117 quilos”, conta.

Em setembro de 2011, quatro meses após o nascimento do filho, Jocilene foi diagnosticada com linfoma e fez 12 sessões de quimioterapia. Em seis meses de tratamento houve a remissão total do câncer e foi liberada pelos médicos. Com isso, em abril de 2012, decidiu emagrecer.

“Claro que eu me via gorda, mas não sentia a necessidade de emagrecer. Só depois que eu tive meu filho e descobri a doença decidi perder peso. Queria cuidar da minha saúde, não queria mais brincar com ela”, afirma a carioca.

Jocilene atingiu a obesidade grau 3 e sentia pouca disposição no dia a dia. “O efeito da obesidade é indireto. Você tem preguiça, chega atrasada nos lugares e não dorme bem.”

O primeiro passo para emagrecer foi participar de um grupo nas redes sociais que faziam a dieta dos pontos. “Fui muito incentivada neste grupo. A gente se ajudava, fazia desafios mensais, motivando uma a outra e fui conseguindo. Em um ano e meio eu perdi 26 quilos.”

Além da dieta, Jocilene fez caminhadas com pesos de três quilos presos nas pernas e academia seis vezes por semana. “Teve um momento que eu achei que já estava magra e parei a dieta por um tempo. Acabei engordando 6,5 quilos. E como eu queria voltar pra casa dos 60 quilos, voltei com a dieta e com as atividades físicas.”

A meta de chegar aos 67 quilos está próxima de ser alcançada. “O mais difícil é passar pelo fim de semana. São os dias que eu não faço academia e tenho que brigar comigo para não comer o mesmo que as outras pessoas. Eu até tenho refeições livres, mas não é sempre.”

Jocilene acredita que teve dois aliados durante o seu processo de emagrecimento. “Nesses três anos, o gengibre e a canela foram meus melhores amigos. Todos os dias eu tomava um litro de chá e sinto uma diferença enorme na academia.”

Hoje a carioca se pesa todos os dias para “manutenção”. “Eu me peso para ficar em paz com a balança e comigo. Eu penso que se eu tivesse me pesado antes, tivesse me vigiado, nem que fosse uma vez por mês, talvez minha história teria sido diferente. Mas hoje eu me cuido.”

Deixe seu Comentário

Leia Também

PANDEMIA
Com mais uma vítima fatal por coronavírus, Dourados se aproxima do 100º óbito
ELEIÇÕES 2020
Número de candidaturas femininas apresenta aumento nas eleições deste ano
DEPUTADOS
Falta de consenso na Câmara adia instalação da Comissão de Orçamento
MEDIDAS SANITÁRIAS
Polícia flagra 'algazarra' com adolescentes e bebidas alcoólicas
PANDEMIA
Com novo feriado chegando, Saúde alerta para situação da Covid em MS
BRASIL
Financiamento Estudantil abrirá inscrições para 50 mil vagas remanescentes
DOURADOS
Convênio prevê 60 parcelas de R$ 215 mil para Missão Caiuá
CORUMBÁ
Mulher é autuada por atear fogo em resíduos na região do Pantanal
MATO GROSSO DO SUL
Neno Razuk distribui R$ 1,2 mi em emendas e realiza ações contra a Covid-19 durante a pandemia
FUTEBOL
Com vitórias simples nesta terça, Grêmio e Inter irão às oitavas da Libertadores

Mais Lidas

POLÍCIA
Comerciante morre em acidente na MS-276
REGIÃO
Homem que disse ter encontrado mulher morta volta atrás e confessa feminicídio
LAGUNA CARAPÃ
Homem sente falta de esposa, vai procurar e a encontra morta em poço
DOURADOS
Festa com mais de cem pessoas é encerrada no Novo Horizonte