Menu
Busca quarta, 08 de abril de 2020
(67) 9860-3221

Ministros de quase 200 países devem participar da reunião de alto nível na COP18

30 novembro 2012 - 18h30

Há quatro dias, negociadores de países em desenvolvimento e de economias desenvolvidas buscam acordos para reduzir as emissões de gases de efeito estufa a fim de evitar que o aquecimento do planeta continue produzindo grandes tragédias mundiais, como as enchentes e extremas secas que o mundo tem presenciado nos últimos anos. Até o último dia da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP18), que ocorre em Doha, no Catar, os representantes de quase 200 nações devem definir qual a meta de redução que cada país desenvolvido terá que cumprir nos próximos anos.

“Há um entendimento entre os países em desenvolvimento [G77 e a China] de que é importante termos um segundo período de compromissos do Protocolo de Quioto”, explicou a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira que embarca para Doha no domingo (2). Por enquanto, as negociações na COP18 seguem no nível técnico. Especialistas tentam alinhavar os principais pontos do debate sobre mudanças climáticas para que os ministros, a partir do dia 4 de dezembro, façam os últimos ajustes e assinem um documento final com os compromissos que vão valer a partir de janeiro do ano que vem.

A impressão de observadores é que as metas para o próximo período tendem a ser muito tímidas. Além de pontos polêmicos que estão longe de conclusões entre os negociadores, países como o Canadá, os Estados Unidos e a Nova Zelândia já declararam que não vão assumir compromissos obrigatórios.

Segundo Izabella Teixeira, a ausência desses países pode trazer alguma dificuldade política na definição dos novos caminhos para evitar que a temperatura do planeta suba além de 2 graus Celsius (ºC) nos próximos anos. Esse limite de aquecimento é um compromisso firmado entre as economias desenvolvidas e em desenvolvimento para minimizar os prejuízos provocados pelas mudanças do clima. Segundo a ministra, a delegação brasileira vai buscar a conclusão do tratado.

“O que buscamos é que tenha um caminho que assegure Quioto e o compromisso legalmente vinculante dos países envolvidos em relação à redução das emissões de gases de efeito estufa. Muitos países desenvolvidos fizeram sua parte e reduziram emissões, como [os da] União Europeia, que é a favor de um segundo período [do protocolo]. Mas tem países emissores, como Estados Unidos, que nunca ratificaram Quioto”, lembrou.

Ao afastar o pessimismo de alguns especialistas que colocam em dúvida a conclusão dos debates em Doha, a ministra destacou que, “para o Brasil, esse [o Protocolo de Quioto] é o único acordo que define o compromisso vinculante na questão climática para os países desenvolvidos”. “Tirar Quioto da mesa deixa um vácuo, até que você tenha um acordo geral”, disse ela, ao mencionar a Plataforma Durban, acordada por todos os países no ano passado. Pelo acordo, tanto economias desenvolvidas quanto as de países em desenvolvimento terão compromissos obrigatórios com a redução das emissões a partir de 2020.

Deixe seu Comentário

Leia Também

IVINHEMA
Polícia frustra traficantes que levariam maconha para São Paulo
ECONOMIA
INSS define regras para antecipar pagamento de auxílio-doença
RIBAS DO RIO PARDO
Fusca apresenta defeito e motorista é flagrado com maconha na BR-262
EDUCAÇÃO
Enem: 670 mil estudantes já solicitam isenção da taxa de inscrição
AQUIDAUANA
Apreendida moto usada em fuga por homem que matou ex com tiro na cabeça
DOURADOS
Varas do Trabalho liberam R$ 50 mil para combate ao coronavírus
TRÊS LAGOAS
Preso integrante do PCC que sequestrou vítima para julgá-la em tribunal do crime
ASTRONOMIA
'Superlua rosa' poderá ser vista na noite desta terça no Brasil
PECULATO
Justiça condena réus por tráfico e investigador perde o cargo na polícia
GERAL
Governo federal lança programa de arrecadação de doações

Mais Lidas

DOURADOS
Dois homens são executados por dupla de moto no Jardim Carisma
FLEXIBILIZAÇÃO
Com restrições, comércio volta a funcionar amanhã em Dourados
COVID-19
Estado tem mais três confirmações do novo coronavírus em 24 horas, todas no interior
DOURADOS
Polícia apura que filho matou pai a pauladas após agredir a mãe grávida