Menu
Busca sexta, 18 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
STF

Ministro Luiz Fux suspende criação de juiz das garantias por tempo indeterminado

23 janeiro 2020 - 07h21Por Assessoria/STF

O ministro Luiz Fux, vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu por tempo indeterminado a eficácia das regras do Pacote Anticrime (Lei 13.964/2019) que instituem a figura do juiz das garantias. A decisão cautelar, proferida nas Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs) 6298, 6299, 6300 e 6305, será submetida a referendo do Plenário. O ministro Fux, que assumiu o plantão judiciário no STF no domingo (19), é o relator das quatro ações.

Em sua decisão, o ministro Fux afirma que a implementação do juiz das garantias é uma questão complexa que exige a reunião de melhores subsídios que indiquem, “acima de qualquer dúvida razoável”, os reais impactos para os diversos interesses tutelados pela Constituição Federal, entre eles o devido processo legal, a duração razoável do processo e a eficiência da justiça criminal.

Autonomia

Para o ministro, em análise preliminar, a regra fere a autonomia organizacional do Poder Judiciário, pois altera a divisão e a organização de serviços judiciários de forma substancial e exige “completa reorganização da Justiça criminal do país, preponderantemente em normas de organização judiciária, sobre as quais o Poder Judiciário tem iniciativa legislativa própria”.

O ministro observou, ainda, ofensa à autonomia financeira do Judiciário. No seu entendimento, a medida causará impacto financeiro relevante, com a necessidade de reestruturação e redistribuição de recursos humanos e materiais e de adaptação de sistemas tecnológicos sem que tenha havido estimativa prévia, como exige a Constituição. Ele salientou a ausência de previsão orçamentária inclusive para o Ministério Público, cuja atuação também será afetada pelas alterações legais.

Audiência de custódia

O ministro Fux suspendeu também a eficácia do artigo 310, parágrafo 4º, do Código de Processo Penal (CPP), que prevê a liberalização da prisão pela não realização da audiência de custódia no prazo de 24 horas. Segundo ele, apesar da importância do instituto da audiência de custódia para o sistema acusatório penal, a nova regra inserida no CPP pelo Pacote Anticrime fere a razoabilidade, uma vez que desconsidera dificuldades práticas locais de várias regiões do país e dificuldades logísticas decorrentes de operações policiais de considerável porte.

Com a decisão, fica revogada liminar parcialmente concedida pelo presidente do STF, ministro Dias Toffoli, que, entre outros pontos, prorrogava o prazo para implementação do juiz das garantias por 180 dias.

Deixe seu Comentário

Leia Também

APARECIDA DO TABOADO
Homem é autuado após retirar madeira de fazendas e comercializar
JUSTIÇA
Falta de promotor adia júri de réus por morte em tribunal do crime do PCC
BRASIL
Covid-19 tem mais de 30 milhões de vítimas em todo o mundo
DOURADOS
Homem é preso após descumprir medida protetiva e ameaçar irmã
DOURADOS
Ministro do STF cita ‘coação de testemunhas’ e mantém ex-secretário em prisão domiciliar
COMEMORAÇÃO
Semana Nacional de Trânsito começa nesta sexta-feira em todo o país
SAÚDE & BEM - ESTAR
Unimed Cliente é o novo App da Unimed Dourados
ROUBO
Motorista é contratado na Capital e cai em golpe do falso frete em Dourados
INFORME PUBLICITÁRIO
Você já conhece o Meridian Residence & Resort?
NEGÓCIOS & CIA II
Como Fica Sua Conta de Energia Depois da Energia Solar?

Mais Lidas

PERIGO POTENCIAL
Vendaval pode atingir Dourados e outras 35 cidades de MS, segundo alerta do Inmet
BNH III PLANO
Ladrões tentam invadir residência de juiz em Dourados
REGIÃO
Empresário é sequestrado e morto quando visitava túmulo do filho
ELEIÇÕES 2020
Convenções chegam ao fim e sete nomes são lançados à prefeitura de Dourados