Menu
Busca domingo, 12 de julho de 2020
(67) 99659-5905
CRISE NA BOLÍVIA

Ministro boliviano acusa Evo Morales de terrorismo

22 novembro 2019 - 17h05Por Agência Brasil

O ministro de Governo da Bolívia, Arturo Murillo, apresentou ao Ministério Público, nesta sexta-feira (22), denúncia contra o ex-presidente Evo Morales e o ex-ministro da presidência, Juan Ramón Quintana. A acusação é de crimes de terrorismo e rebelião.

"As provas são claras, Juan Ramón Quintana disse que iria transformar a Bolívia em um Vietnã, e é o que está tentando fazer(...) a prova contra Evo Morales são o vídeo e a gravação, onde está muito claro que ele diz para matar bolivianos, cercando a cidade ", afirmou Murillo.

De acordo com a Agência Boliviana de Informação (ABI), no início de novembro, Quintana alertou que "a Bolívia se tornará um grande campo de batalha, um Vietnã moderno, porque aqui as organizações sociais encontraram  horizonte para reafirmar sua autonomia, soberania e identidade".

Há dois dias, o ministro de Governo apresentou um vídeo em que se escuta, supostamente, a voz de Evo Morales dando instruções para que seus apoiadores sigam com bloqueios nas estradas do país, impedindo a distribuição de alimentos e combustíveis.

No material apresentado por Murillo, o ex-presidente Evo Morales, que está asilado no México, estaria orientando Faustino Yucra Yacri - que segundo o ministro tem ligações com o narcotráfico - a manter o cerco e o bloqueio de estradas, e derrotar o "golpe de Estado racista e fascista".

No áudio, cuja voz supostamente é de Evo Morales, se escuta: "Irmãos, não deixem que entre comida nas cidades, vamos fazer um cerco às cidades (...) Agora estamos vivendo na ditadura, esta é a ditadura, alguns não entendem (o que é a ditadura), mas agora as pessoas vão ver o que é viver a ditadura com o golpe de Estado. Estou pensando, e quero que saibam que, se a Assembleia (Legislativa) amanhã ou depois rejeitar a minha renúncia, tentarei voltar, irmão, mesmo que me prendam, lutaremos muito contra os racistas e fascistas".

Crise

A Bolívia passa por uma crise política e social desde que no dia 20 de outubro ocorreram as eleições gerais. Em um processo com suspeitas de fraude, que posteriormente foram confirmadas por auditoria da Organização dos Estados Americanos (OEA), Evo Morales venceu em primeiro turno, com uma margem apertada de vantagem sobre Carlos Mesa, o candidato opositor.

Após três semanas de protestos, no dia 10 de novembro, após a OEA divulgar o resultado da auditoria que apontava para "falhas graves" e manipulação informática no processo eleitoral, Evo Morales renunciou, pressionado pelas Forças Armadas.

Jeanine Áñez, que era a segunda vice-presidente do Senado naquele momento, se autoproclamou presidente interina do país, uma vez que todos os políticos que ocupavam cargos importantes na linha sucessória haviam renunciado, entre eles o vice-presidente da Bolívia, Álvaro García Linera, os presidentes da Câmara de Deputados e do Senado e o primeiro vice-presidente do Senado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMPO GRANDE
Festa com 80 pessoas em plena pandemia é finalizada pela Guarda
MS
Jovem morre após namorado capotar carro em Campo Grande
PANDEMIA
Secretário alerta que pessoas com covid-19 devem procurar hospital ao menor sinal de piora do quadro
MS E OUTROS ESTADOS
Ministério certifica instituições por contratar quase 17 mil presos
PANDEMIA
Morre ex-deputado Nelson Meurer, condenado na Lava Jato e internado por Covid-19
REGIÃO
Homem é autuado em quase R$ 10 mil por derrubada de árvores ilegal
ESTADO
Governo divulga passo a passo para servidor fazer exame de coronavírus pelo plano de saúde
BRASIL
“O trabalho remoto veio pra ficar”, diz presidente do TST
ESTADO
Governo executa tapa-buraco e projeta recapeamento na MS-382, acesso a Bonito
BRASIL
Universidades desenvolvem apoio a diagnóstico de covid-19 com raio-x

Mais Lidas

ACIDENTE DE TRABALHO
Douradense morre após ser atingido na cabeça por peça de elevador de 20kg
DOURADOS
“Ele não conseguiu terminar o último plantão”, diz esposa de médico vítima da Covid
PANDEMIA
Em dia com quase 100 novos casos, Dourados tem mais uma morte por coronavírus
PANDEMIA
Pesquisadores veem medidas sem efeito e sugerem lockdown em Dourados