Menu
Busca sábado, 31 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
BRASIL

Ministério vai centralizar armazenamento e distribuição de medicamentos do SUS

21 novembro 2017 - 18h35Por Portal Brasil

Uma única empresa vai realizar a logística, o armazenamento e a distribuição de medicamentos e outros produtos do Sistema Único de Saúde (SUS). Além de acabar com 15 contratos que atualmente prestam o serviço de forma descentralizada, a mudança deve aumentar em 20% o espaço para conservar os insumos, aprimorar o controle de prazos de validade e entregas, além de reduzir os custos em 20%. 

A empresa vencedora da licitação será responsável pela retirada do produto, nos portos ou aeroportos, pelo transporte, pela armazenagem até a entrega. 

Para o ministro da Saúde, Ricardo Barros, a mudança permitirá coordenar melhor os gastos. “Com o excesso de contratos, e todos descentralizados, é uma tarefa complexa coordenar de forma efetiva a qualidade dos serviços. A centralização diminuirá os riscos de perdas de medicamentos e insumos na armazenagem, garantirá mais agilidade na distribuição, reduzirá o tempo para o transporte e vai melhorar a infraestrutura. Com certeza, daremos maior agilidade na entrega”, diz. 

Estoque

Atualmente, são oito armazéns (câmaras frias, armazém de insumos e de praguicida), quatro deles no Distrito Federal e quatro no Rio de Janeiro. Cada um deles ainda mantém outros contratos de aluguel, mão de obra e manutenção.

Após as mudanças, os estoques estarão concentrados em São Paulo. Como dois dos maiores aeroportos do País estão em São Paulo, isso irá contribuir para reduzir o custo com transporte. Além disso, 64% da demanda por medicamentos e insumos de saúde estão no Sudeste, e São Paulo é o estado que apresenta as melhores propostas de empresas especializadas com menor custo.

Monitoramento on-line


Por meio da Base Nacional de Dados da Assistência Farmacêutica, lançada em outubro deste ano, será possível melhorar o planejamento da compra, do controle da data de validade e a realização de remanejamentos.

De acordo com o Ministério da Saúde, o sistema permitirá economia de cerca de R$ 1,5 bilhão por ano, quando for aplicada em todo o País. As informações sobre distribuição, estoque e acesso aos medicamentos do SUS são monitoradas de forma on-line pelo Ministério da Saúde.

A iniciativa já foi testada em quatro estados: Distrito Federal, Alagoas, Tocantins e Rio Grande do Norte. Nesses locais, foi possível evitar o desperdício de até 30% dos medicamentos entregues.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Populares se fantasiam no “Dia das Bruxas” e vão para o centro; veja galeria de fotos
ELEIÇÕES 2020
Carga e lacração das urnas terão início no dia 1º de novembro
CAPITAL
Taubaté vence a Supercopa de Vôlei e Guanandizão é reinaugurado em grande estilo
NOTA PREMIADA
Contribuinte que pediu nota fiscal com o CPF disputa prêmio de R$ 300 mil neste sábado
CINEMA
Famoso por interpretar 007, Sean Connery morre aos 90 anos
PANDEMIA
Com óbito de morador local, Dourados chega a 108 mortes por coronavírus
REGIÃO
Pai e filho são presos por homicídio em Paranaíba
ELEIÇÕES 2020
Candidatos agora só podem ser presos em flagrante
DOURADOS
Semáforo da Marcelino Pires é removido para canteiro, após acidente
ESPORTES
Aparecidense enfrenta Águia Negra no G4 da Série D

Mais Lidas

JÚRI
Assassinos de jovem após "tribunal do crime" em Dourados são condenados
VILA VARGAS
Hotéis em distrito de Dourados eram utilizados como entreposto do contrabando
DOURADOS
Homem suspeito de estuprar criança que saiu para comprar doce é colocado em liberdade
AVENIDA PRESIDENTE VARGAS
Titan com quase R$ 400 mil em multas é apreendida em Dourados