sábado, 04 de dezembro de 2021
Dourados
35°max
22°min
Campo Grande
32°max
21°min
Três Lagoas
37°max
23°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
ALIADO DE BOLSONARO

Ministério Público pede ao TSE quebra de sigilos de Luciano Hang

02 dezembro 2020 - 22h20Por G 1

O vice-procurador-geral eleitoral, Renato Brill de Góes, pediu ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) a quebra dos sigilos bancário e fiscal do empresário Luciano Hang, aliado do presidente Jair Bolsonaro, e de quatro empresas.

A investigação apura se houve disparo em massa de mensagens por meio do aplicativo WhatsApp para favorecer a campanha de Bolsonaro em 2018.

Procurada, a defesa de Hang afirmou que o empresário "nada tem a esconder" e que ele "jamais financiou disparo ou impulsionou mensagens pelo WhatsApp durante a campanha eleitoral" daquele ano (leia a íntegra da nota ao final desta reportagem).

Segundo as investigações, há indícios de que Luciano Hang teria financiado e que quatro empresas teriam feito a operacionalização dos disparos.

Diante disso, Brill de Góes pediu ao TSE que quatro ações que pedem a cassação da chapa formada por Bolsonaro e Hamilton Mourão tenham andamento conjunto na Corte.

O tribunal analisa se houve impacto na eleição que possa configurar abuso de poder econômico e uso indevido de meio de comunicação social.

Para justificar o pedido ao TSE, o Ministério Público usou um relatório elaborado pelo Whatsapp segundo o qual foi identificado "comportamento anormal" com "indicativo do envio automatizado de mensagens em massa" por contas pertencentes a empresas.

"É incontroverso que o surgimento dessa relevante informação superveniente - que converge harmonicamente com os fatos narrados na representação inaugural - consiste em indícios suficientes para a revisitação da decisão de indeferimento das medidas cautelares", argumentou Brill de Góes.

Segundo o vice-procurador-geral eleitoral, “o modus operandi narrado nas peças portais dessas representações [...] guarda notória semelhança com o adotado pelo representado Luciano Hang em relação ao Facebook para impulsionamento de conteúdo, como ficou bem demonstrado em julgamento realizado por esse Tribunal Superior."

Provas não justificam cassação

O parecer enviado ao TSE afirma que as provas colhidas até o momento não justificam uma eventual cassação de Bolsonaro e Mourão, como pedem as ações.

"Pelo conjunto probatório produzido nos autos, conclui-se pela não comprovação de eventual gravidade dos ilícitos narrados, de modo a macular a legitimidade e a normalidade das eleições, o que afasta o pedido de cassação do diploma", escreveu.

"No mesmo passo, porque inexistem elementos concretos de participação ou anuência dos candidatos representados nos atos abusivos, é inviável a declaração de inelegibilidade postulada", acrescentou o Ministério Público.

Íntegra

Leia a íntegra da nota da defesa de Luciano Hang:

NOTA DE IMPRENSA

Sobre o parecer do Ministério Público Eleitoral, a Leal & Varasquim Advogados lamenta a confusão e imprecisão da Procuradoria-Geral Eleitoral ao comparar o impulsionamento realizado na página pessoal e particular do Facebook do Sr. Luciano Hang, com as condutas que lhe são falsamente imputadas de divulgação de compras de pacotes de disparos em massa de mensagens no WhatsApp.

Nestes e em outros autos, não houve qualquer produção probatória nesse sentido. Tanto é assim que por duas oportunidades, foi determinado o encerramento da instrução processual.

Resta claro o desperdício de recursos públicos na tramitação de um processo ajuizado pelo PT, que visivelmente não possui qualquer efeito prático e respaldo probatório, pois baseado exclusivamente em acusações falsas de notícias da Folha de São Paulo.

De mais a mais, esse boato de disparos no WhatsApp criado pela Folha de São Paulo foi objeto de uma ação de indenização em trâmite em Brusque Santa Catarina, a qual aguarda sentença.

Ainda que não exista uma decisão pelo Poder Judiciário, o fato é que encerrada a instrução dessa ação de indenização, a Folha de São Paulo foi incapaz de provar a falsa afirmação de que Luciano Hang teria financiado disparos de mensagens. Mais do que isso, ela confessa que essa estória surgiu de uma fonte ligada ao Partido dos Trabalhadores (agremiação política antagônica ao candidato eleito e atual presidente da república).

Em uma imprensa séria e independente, essa circunstância, aliada a absoluta falta de provas, seria suficiente para descredibilizar o relato. Porém, infelizmente não foi isso que ocorreu.

Quanto à quebra dos sigilos bancários e fiscal, o Sr. Luciano nada tem a esconder, pois está ciente de suas condutas e jamais financiou disparo ou impulsionou mensagens pelo WhatsApp durante a campanha eleitoral de 2018.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DEZEMBRO VERMELHO

Após 40 anos do primeiro caso, epidemia de HIV/aids ainda mata brasileiros

Ministério oferece mais de 21,5 mil vagas para Médicos pelo Brasil
SAÚDE PÚBLICA

Ministério oferece mais de 21,5 mil vagas para Médicos pelo Brasil

Polícia prende homem por descumprimento de medida protetiva em Ponta Porã
REGIÃO

Polícia prende homem por descumprimento de medida protetiva em Ponta Porã

Congresso chama atenção para violência contra mulheres com deficiência
ILUMINAÇÃO ROXA

Congresso chama atenção para violência contra mulheres com deficiência

INTERNACIONAL

Especialista diz que infecções são leves em crianças sul-africanas

TRÊS LAGOAS

Acusado de tentativa de furto cai de telhado de 4 metros ao tentar fuga

TRAGÉDIA

Homem morre afogado em córrego em área rural de Campo Grande

INTERNACIONAL

Manifestantes marcham contra restrições da covid no noroeste da Europa

SEM DOCUMENTAÇÃO LEGAL

Cigarros eletrônicos avaliados em R$ 4 mil são apreendidos em Ponta Porã

JUSTIÇA

Julgamento de acusados no caso da Boate Kiss entra no quarto dia

Mais Lidas

DOURADOS

Presos em entreposto no Parque Alvorada usavam loja de celular como fachada para tráfico

CRIME

Operação contra o tráfico em Dourados levou 23 para delegacia e fechou "shopping" da droga

TRAGÉDIA

Trabalhador morre após queda de laje em Dourados

REGIÃO

Envio de 23t de maconha à São Paulo foi comemorado por 'patrão do tráfico' com prostituta de luxo