Menu
Busca domingo, 17 de janeiro de 2021
(67) 99659-5905

Mercado internacional aguarda posição do Brasil sobre transgênicos

13 setembro 2003 - 13h30

O Brasil precisa definir ainda este ano sua posição com relação aos transgênicos. Caso contrário, o prejuízo será grande no mercado externo. A avaliação é da pesquisadora da Embrapa Maria José Sampaio, que atua na área de transferência de tecnologia. "O produtor que planta soja modificada quer uma definição porque já trabalha com agricultura, que é uma atividade de risco, e não quer perder mais. Além disso, mercados como a China estão só esperando uma definição brasileira para dizer se importam ou não a soja do Brasil", observa.De acordo com Maria José, a China importa soja transgênica dos Estados Unidos porque tem a certificação do produto e sua segurança garantida pelo órgão ambiental e agrícola do país. Além disso, o produto é consumido internamente. "É isso o que eles querem de nós. Ou certificamos que é não-transgênico nosso produto, ou aprovamos legalmente o plantio e o uso interno e declaramos isso para o mercado", acrescenta.Os produtores rurais do Rio Grande do Sul também descartam a questão de mercado como um empecilho para a liberação da soja transgênica. O produtor Almir Rebelo conta que os armazéns gaúchos se esvaziam a cada safra e garante: há muitos compradores europeus, mesmo alemães, que são apontados como os mais resistentes à importação de soja transgênica. Almir Rabello também defende que a variedade transgênica plantada no Brasil seja nacional, produzida na Embrapa ou outros laboratórios estaduais. “Não queremos sementes da Argentina. Concordamos em pagar royalties, desde que saibamos se a variedade é produtiva, com qualidade e tecnologia. Também gostaríamos de discutir o valor da taxa e que ela seja aplicada a outras culturas, como o algodão”. “Faço um apelo ao presidente Lula, porque aqui no Rio Grande do Sul ninguém é contrabandista ou contraventor. Estamos passando por esta situação porque tentamos de todas as maneiras fazer com que o Brasil libere o plantio dos transgênicos. Este produto é tão importante que, no nosso município, até o MST planta sementes geneticamente modificadas, pela redução de custos e do uso de agroquímicos”, afirma o produtor. Fontes que trabalham com pesquisa e plantio, mas preferem não se identificar, lançam suspeita sobre um outro fator de mercado que pode estar relacionado à polêmica dos transgênicos. "A maioria dos herbicidas usado no plantio convencional é produzida por empresas de agrotóxicos européias", relatam. Istael Silva Prata, consultor para comercialização de soja na FNP Consultoria e Comércio, de São Paulo, explica que no momento há grande pressão sobre a União Européia para aceitar a soja transgênica. A barreira européia, segundo ele, está sendo rompida pela produção argentina, que não separa soja convencional e transgênica. “Eles produzem os dois tipos de sementes, e suas exportações para a União Européia têm crescido aceleradamente nos últimos anos. Aí, fica a questão: até que ponto a União Européia representa uma demanda apenas para a soja convencional?” Na opinião de Istael Prata, o Brasil ganha muito mais do que perde com a soja transgênica, em termos de competitividade e custos. “Os gastos com defensivos químicos são menores e a produtividade é maior”. Nesse aspecto, nos próximos 10 anos, Istael considera que Brasil e Argentina terão maiores chances de crescer no mercado internacional que os Estados Unidos. 13:21  Brasília - O Brasil precisa definir ainda este ano sua posição com relação aos transgênicos. Caso contrário, o prejuízo será grande no mercado externo. A avaliação é da pesquisadora da Embrapa Maria José Sampaio, que atua na área de transferência de tecnologia. "O produtor que planta soja modificada quer uma definição porque já trabalha com agricultura, que é uma atividade de risco, e não quer perder mais. Além disso, mercados como a China estão só esperando uma definição brasileira para dizer se importam ou não a soja do Brasil", observa.De acordo com Maria José, a China importa soja transgênica dos Estados Unidos porque tem a certificação do produto e sua segurança garantida pelo órgão ambiental e agrícola do país. Além disso, o produto é consumido internamente. "É isso o que eles querem de nós. Ou certificamos que é não-transgênico nosso produto, ou aprovamos legalmente o plantio e o uso interno e declaramos isso para o mercado", acrescenta.Os produtores rurais do Rio Grande do Sul também descartam a questão de mercado como um empecilho para a liberação da soja transgênica. O produtor Almir Rebelo conta que os armazéns gaúchos se esvaziam a cada safra e garante: há muitos compradores europeus, mesmo alemães, que são apontados como os mais resistentes à importação de soja transgênica. Almir Rabello também defende que a variedade transgênica plantada no Brasil seja nacional, produzida na Embrapa ou outros laboratórios estaduais. “Não queremos sementes da Argentina. Concordamos em pagar royalties, desde que saibamos se a variedade é produtiva, com qualidade e tecnologia. Também gostaríamos de discutir o valor da taxa e que ela seja aplicada a outras culturas, como o algodão”. “Faço um apelo ao presidente Lula, porque aqui no Rio Grande do Sul ninguém é contrabandista ou contraventor. Estamos passando por esta situação porque tentamos de todas as maneiras fazer com que o Brasil libere o plantio dos transgênicos. Este produto é tão importante que, no nosso município, até o MST planta sementes geneticamente modificadas, pela redução de custos e do uso de agroquímicos”, afirma o produtor. Fontes que trabalham com pesquisa e plantio, mas preferem não se identificar, lançam suspeita sobre um outro fator de mercado que pode estar relacionado à polêmica dos transgênicos. "A maioria dos herbicidas usado no plantio convencional é produzida por empresas de agrotóxicos européias", relatam. Istael Silva Prata, consultor para comercialização de soja na FNP Consultoria e Comércio, de São Paulo, explica que no momento há grande pressão sobre a União Européia para aceitar a soja transgênica. A barreira européia, segundo ele, está sendo rompida pela produção argentina, que não separa soja convencional e transgênica. “Eles produzem os dois tipos de sementes, e suas exportações para a União Européia têm crescido aceleradamente nos últimos anos. Aí, fica a questão: até que ponto a União Européia representa uma demanda apenas para a soja convencional?” Na opinião de Istael Prata, o Brasil ganha muito mais do que perde com a soja transgênica, em termos de competitividade e custos. “Os gastos com defensivos químicos são menores e a produtividade é maior”. Nesse aspecto, nos próximos 10 anos, Istael considera que Brasil e Argentina terão maiores chances de crescer no mercado internacional que os Estados Unidos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MEDIDA
Proibição de corte no fornecimento de água segue até o fim de janeiro na capital
SEU BOLSO
Órgãos de proteção alertam consumidor sobre compra de material escolar
Morto por descarga elétrica pode ter tentado consertar portão
DOURADOS
Morto por descarga elétrica pode ter tentado consertar portão
Permanece alta taxa de ocupação de leitos UTI Covid-19 em Dourados
PANDEMIA
Permanece alta taxa de ocupação de leitos UTI Covid-19 em Dourados
Homem morre após sofrer descarga elétrica em Dourados
ACIDENTE
Homem morre após sofrer descarga elétrica em Dourados
DOURADOS
Primeira etapa de pré-matrícula da Reme vai até quinta-feira
MS
Denúncia anônima pelo 181 da PM ajuda no combate de crimes
SIDROLÂNDIA
Homem leva facadas pelas costas e é socorrido em estado grave
CAPITAL
Jovem é baleado e homem preso é suspeito de ser mandante do crime
BRASIL
Enfermeira de São Paulo é a primeira a receber vacina contra covid no Brasil

Mais Lidas

DOURADOS 
Jovem cai de moto e pede ajuda após levar facada
PANDEMIA 
Dourados tem oito mortes por Covid em 24 horas  
OPERAÇÃO
Polícia fecha "boca de fumo" comandada por família no Canaã IV
DOURADOS 
Prefeitura anula 75 das exonerações anunciadas no meio da semana