domingo, 23 de janeiro de 2022
Dourados
38°max
24°min
Campo Grande
35°max
23°min
Três Lagoas
39°max
24°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
POLÍTICA

'Melhor perder a vida do que a liberdade', diz Ministro da Saúde Queiroga

07 dezembro 2021 - 22h20Por G 1

O governo federal anunciou nesta terça-feira, dia 07 de dezembro, que exigirá quarentena de cinco dias para viajantes não vacinados, mas ignorou a recomendação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para que a vacinação completa (ou o passaporte da vacina) seja exigida.

Segundo o ministro da saúde, Marcelo Queiroga, "não se pode discriminar as pessoas entre vacinadas e não vacinadas para a partir daí impor restrições".

No mesmo anúncio, o ministro ainda parafraseou o presidente Jair Bolsonaro e afirmou: "Às vezes é melhor perder a vida do que perder a liberdade".

Abaixo, em cinco tópicos, especialistas ouvidos pelo g1 analisaram as decisões do governo e as frases do ministro. "O posicionamento do ministro é mais um desserviço que ele presta. Não é o primeiro e, infelizmente, não será o último. Evidentemente, o ministro escolheu o lado da política", disse Pedro Hallal, epidemiologista e professor da Universidade Federal de Pelotas, no Rio Grande do Sul.

1. Passaporte: discórdia x consenso

Durante o anúncio das medidas, Queiroga disse que o passaporte cria "mais discórdia do que consenso".

Hallal descreveu a frase dita pelo ministro como "lamentável". Segundo o especialista, o ministro deveria prezar pela saúde pública ainda que isso desagrade algumas pessoas.

"A primeira frase é lamentável sob o ponto de vista de um gestor. O papel do ministro da saúde não é agradar as pessoas, é proteger a saúde da população. Acho que o Queiroga não tem noção da magnitude do papel que ele ocupa", analisou Hallal.

A infectologista Luana Araújo afirma que a declaração é "obviamente falsa" porque, ainda que a exigência cause alguns desagrados, controlar a pandemia promoveria uma maior estabilidade social e econômica, o que agradaria a maior parte da população.

"É uma medida que tem arcabouço científico e também ajuda socioeconomicamente esses países, uma vez que cria uma atmosfera de maior segurança para essas populações e ao mesmo tempo em que promover uma maior tranquilidade para o sistema público de saúde, evitando casos graves e evitando sobrecarga do sistema", explica a especialista.
Ministro da Justiça defende que 'passaporte da vacina' não seja exigido para turistas como pede a Anvisa

2. Punição aos viajantes

Ainda no anúncio, Queiroga disse que novas variantes, "podem acontecer, e países que identificam não podem ser punidos com restrição aos seus cidadãos".

Miriam Dal Ben, infectologista do hospital Sírio Libanês, em São Paulo, concorda que restringir e fechar as fronteiras seria uma forma de discriminação. Além do mais, a estratégia não é eficaz porque embora atrase, não impede que a variante chegue ao país.

"Existem formas mais eficazes de fazer esse tipo de controle. Uma delas é na hora em que as pessoas de determinadas regiões de risco, como a África do Sul, chegam ao Brasil, você pode exigir um PCR e deixar essas pessoas em isolamento, um isolamento controlado, com uma vigilância para ver se a pessoa está realmente isolamento, e repetir esse PCR", explica a infectologista.

Segundo Ben, exames PCR negativos realizados após um período de 7 dias do contato de risco, ou seja, da chegada desses visitantes ao país, o risco desses indivíduos cai para 5%.

3. Anvisa: pode ser acatada ou não

Entre suas frases, o ministro da Saúde disse que "posicionamento da Anvisa pode ser acatado ou não".

A infectologista Luana Araújo explica que, de fato, o posicionamento da Anvisa é uma recomendação que pode ou não ser acatada pelo Ministério. Contudo, ela alerta que as recomendações são feitas a partir de dados científicos e optar pela medida contrária pode colocar em risco as ações de combate ou mitigação da pandemia de Covid-19.

"O posicionamento da Anvisa reflete fortemente o posicionamento científico. O que acontece com o Ministério da Saúde é que cada vez mais ele se distancia da ciência e cada vez mais se alinha a questões político-partidárias bastante mesquinhas e menores que a saúde pública", explica a infectologista Luana Araújo.

4. Discriminação vacinal

Entre suas defesas das medidas anunciadas, Queiroga afirmou que "não se pode discriminar as pessoas entre vacinadas e não vacinadas para a partir daí impor restrições".

Segundo Araújo, a frase dita pelo ministro é uma forma de "manipulação extremamente rasteira e que precisa ser rapidamente combatida"

"Quando a gente está falando de vacina, a gente não está falando de discriminação. Discriminação seria ofertar vacinas de modo desigual para pessoas diferentes a partir de determinadas características. Neste caso, não é discriminação, mas de proteger um bem público que tem sido ignorado, ou pior, deliberadamente distorcido, que é a saúde das pessoas", explica a especialista.

5. Perder a vida?

No mesmo anúncio, Queiroga ainda afirmou: "Às vezes é melhor perder a vida do que perder a liberdade", disse o ministro, que afirmou estar parafraseando o presidente Jair Bolsonaro.

A infectologista Miriam Dal Ben explica que para combater uma pandemia de modo efetivo não é possível olhar as pessoas individualmente, só no coletivo.

“Essa decisão não diz respeito só ao direito dela. Diz sobre o direito do outro também”, explica Dal Ben.

As decisões individuais de se vacinar ou não interferem diretamente no coletivo no controle da transmissão do vírus.

“Pessoas vacinas podem pegar e transmitir o vírus da Covid, mas esse risco é menor. O risco delas transmitirem a Covid, de acordo com alguns estudos, é 60% e até 70% menor quando comparado com alguma pessoa não vacinada”, diz Dal Ben.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Governador do Rio detalha ações do programa Cidade Integrada
BRASIL

Governador do Rio detalha ações do programa Cidade Integrada

Terceira Turma realizará primeiras sessões de fevereiro por videoconferência
STJ

Terceira Turma realizará primeiras sessões de fevereiro por videoconferência

BRASIL

PDT questiona medidas de desestatização da companhia de saneamento do RS

BRASIL

Mostra de Tiradentes discute mudanças do cinema em meio à pandemia

Distrito Federal inicia vacinação de crianças a partir de 6 anos
COVID-19

Distrito Federal inicia vacinação de crianças a partir de 6 anos

MS

No período de férias, Bombeiros alertam para cuidados durante as trilhas

PANDEMIA

STJ convoca sessão extraordinária do Pleno para discutir retorno das atividades presenciais

COVID-19

Reforço de marca diferente é mais eficaz para vacinados com CoronaVac

BRASIL

Livraria do STF disponibiliza downloads gratuitos de obras

V Concurso Extrajudicial

TJ convoca candidatos para prova escrita e prática no dia 6 de fevereiro

Mais Lidas

REGIÃO

Grave acidente deixa oito mortos em rodovia

DOURADOS

Morto em confronto, além de ser suspeito de morte de menor, tinha extensa ficha criminal

DOURADOS

Dois são flagrados com droga na PED

TRÁFICO DE DROGAS

Cocaína que saiu da região de fronteira do MS é interceptada em SP