Menu
Busca segunda, 25 de maio de 2020
(67) 99659-5905
POLÍTICA

'Médico não abandona paciente', diz Mandetta sobre eventual demissão

03 abril 2020 - 22h20Por G 1

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou nesta sexta-feira, dia 03 de abril, que "médico não abandona o paciente".

Mandetta deu a declaração em uma entrevista coletiva no Palácio do Planalto depois de ter sido questionado se deixará o cargo.

Nesta quinta (2), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que ele e Mandetta têm se "bicado há algum tempo" e que o ministro da Saúde "extrapolou" em meio à crise provocada pelo novo coronavírus. Bolsonaro afirmou ainda que nenhum ministro é "indemissível". Nesta sexta, segundo informou o Blog de Cristiana Lôbo, o presidente disse a assessores que não demitirá o ministro.

"Quanto a eu deixar o governo por minha vontade, eu tenho uma coisa na minha vida que eu aprendi com os meus mestres: 'Médico não abandona paciente, meu filho'. Eu já cansei de terminar plantão na minha vida, e o plantonista que tinha que chegar para me render, para eu poder ir embora, não aparecer, por problemas quaisquer, e eu ficar 24 horas dentro do hospital", declarou Mandetta nesta sexta.

"Eu já passei Natal dentro de hospital com filho pequeno em casa e mulher esperando. O foco é do serviço. É do trabalho. Esse paciente chamado Brasil, quem me pediu para tomar conta dele neste momento é o presidente. E eu tenho dado para ele todas as informações. E entendo, entendo. Entendo os empresários que se queixam a ele. Entendo as pessoas que veem o lado político e colocam a ele. Entendo as pessoas que gostariam que a solução fosse uma solução rápida", acrescentou o ministro da Saúde.

Enquanto o ministro defende o isolamento, assim como orienta a Organização Mundial de Saúde (OMS), Bolsonaro tem defendido o fim do "confinamento em massa" e a reabertura do comércio.

Pesquisa de aprovação

Durante a entrevista no Planalto, Mandetta também foi questionado sobre a pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta. O ministro da Saúde disse que o resultado é "efêmero" e "passageiro".

Segundo a pesquisa, 33% dos entrevistados aprovaram as ações do presidente Jair Bolsonaro nas medidas contra o coronavírus. Conforme a mesma pesquisa, 76% aprovam as ações do Ministério da Saúde, mais que o dobro do percentual de aprovação do presidente.

"Essa crise passa. Daqui a pouco eu sou passado. [...] Calma, não tem ninguém aqui que não entenda o papel que está cumprindo", afirmou.

"O que tiver confirmação científica, o que puder abrir para vocês, vai ser assim. Números e pesquisas instantâneas não querem dizer nada. Nós não somos uma ilha. Isso aqui é parte do governo Bolsonaro", acrescentou.

O ministro completou afirmando que o presidente da República "tem a caneta" para nomeá-lo e retirá-lo do cargo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Inadimplência cresce 26,3% em instituições privadas de ensino superior
PANDEMIA
Em dia de novo recorde de infecções, secretário alerta para assintomáticos
DOURADOS
Educação organiza retorno, mas atividades em escolas indígenas permanecem suspensas
ECONOMIA
Ministro da Infraestrutura aposta no sucesso na venda de aeroportos
CORONEL SAPUCAIA
PM apreende 33,5 kg de maconha com dupla paranaense
LEVANTAMENTO
Nem frio nem corona faz sul-mato-grossense ficar em casa, e isolamento atinge apenas 50% no fim de semana
PANDEMIA
Voluntários entregam ala reformada do HV para atender pacientes com coronavírus
DOURADOS
Câmara quer Audiência com prefeita para tratar retorno das aulas na Reme
BRASIL
Bolsonaro vai à PGR cumprimentar novo procurador da PFDC
PANDEMIA
Dourados tem mais de 150 casos de Covid-19 e secretário diz ser assustadora a crescente na região

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Homem morre atropelado por rolo compactador
PANDEMIA
Dourados ultrapassa marca de 100 casos confirmados de coronavírus
MARACAJU
Homem morre após tentativa de fuga e troca de tiros com a polícia
MS-145
Motorista disse não ter visto momento que atropelou e matou ciclista