Menu
Busca sexta, 15 de janeiro de 2021
(67) 99659-5905
EDUCAÇÃO

MEC revoga medida que atrasava pagamento do Fies

07 fevereiro 2016 - 10h30

O Ministério da Educação (MEC) revogou medida que vinha atrasando o recebimento em dinheiro das empresas de educação pelo Financiamento Estudantil (Fies). A regra implementada em 2015 restringia as recompras de títulos, quando há de fato a entrada de dinheiro no caixa das empresas, do Fies em 60% do total, segundo cálculos do mercado. Embora uma reversão dessa medida fosse esperada pelas empresas, investidores ainda temiam a continuidade das limitações.

No Fies, as empresas recebem como pagamento certificados do Tesouro que são usados para quitar impostos. Quando sobram títulos, ou seja, quando o valor supera o montante devido em impostos, esses papéis são recomprados pelo governo, gerando entrada de dinheiro para as companhias. Uma portaria no ano passado determinou, porém, que o montante recomprado pelo governo num mês não pode exceder o montante estimado de recompras no mês seguinte. Na prática, essa regra sobre as recompras, ainda em vigor, as tem limitado, gerando alguns atrasos no recebimento em dinheiro.

A revogação do trecho da portaria que limitava as recompras foi publicada nesta semana no Diário Oficial da União. Ficou revogado o parágrafo 8º do artigo 4º da Portaria Normativa número 1, de 22 de janeiro de 2010. Este trecho, introduzido a partir de uma mudança de regras no final de 2014, dizia justamente que o valor da recompra não poderia exceder o valor estimado do repasse de títulos às entidades mantenedoras previsto para o mês imediatamente seguinte.

Para analistas, a medida pode ajudar a reduzir as preocupações que ainda existem no mercado sobre o programa de financiamento. "É uma notícia positiva para as empresas de educação porque a probabilidade de que os recebíveis do Fies melhorem em 2016 está se tornando mais e mais crível", disse o Itaú BBA em nota a clientes.

Embora o MEC já tivesse informado um calendário prevendo que haveria o pagamento de todas as mensalidades em 2016, além de um pagamento referente a uma das parcelas atrasadas no ano passado, o mercado ainda temia que a limitação nas recompras pudesse afetar o fluxo de caixa das empresas. Agora, esse temor fica minimizado.

O BTG Pactual já havia informado que, com a confirmação do fim das limitações às recompras, o ano de 2016 seria de forte geração de caixa para as empresas. De acordo com as projeções dos analistas do banco, a relação entre o fluxo de caixa livre gerado aos acionistas e o valor de mercado das companhias poderia subir, ficando em 11% no ano para a Kroton, em 12% para a Estácio, em 11% para a Anima Educação e em 15% na Ser Educacional.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Ipea aponta inflação de 6,22% para as famílias mais pobres em 2020
Após denúncia, suspeito de praticar tráfico de drogas é preso
CAMPO GRANDE
Após denúncia, suspeito de praticar tráfico de drogas é preso
Plano de Arborização quer mais 1,2 mil árvores na Avenida Marcelino Pires
DOURADOS 
Plano de Arborização quer mais 1,2 mil árvores na Avenida Marcelino Pires
PARAGUAI
Ambulância de Pedro Juan Caballero atropela homem em rodovia
Homem tem celular roubado ao sair de agência bancária na região central de Dourados
DOURADOS
Homem tem celular roubado ao sair de agência bancária na região central de Dourados
DOURADOS 
Profissionais de enfermagem protestam no CAM por salários atrasados
SAÚDE & BEM - ESTAR
Unimed Dourados lança novo site para beneficiários e cooperados
DOURADOS
Homem é assaltado por dupla de moto na Vila Alba
CAMPO GRANDE
Motorista bêbado se diz ex-policial e ameaça militares durante blitz
DOURADOS
Moto roubada na Perimetral é recuperada nas proximidades da UPA

Mais Lidas

DOURADOS
Prefeitura corta mais de 400 cargos comissionados de uma só vez
CLIMA
Chuva alaga ruas no centro de Dourados após calor acima de 38°C
PEDRO JUAN
Policial é executado com tiros de fuzil na fronteira
BR-163
Homem morre após colidir carro de passeio contra caminhão