Menu
Busca terça, 26 de janeiro de 2021
(67) 99257-3397
POLÍTICA

Maioria do STF derruba comissão da oposição e dá poder ao Senado no impeachment

17 dezembro 2015 - 18h50

Em julgamento sobre as regras de tramitação do processo de impeachment, a maioria dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) votou nesta quinta-feira (17) de forma contrária à eleição da chapa apoiada pela oposição para a comissão especial da Câmara que vai analisar a denúncia de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff (PT).

A maioria dos ministros também votou favoravelmente a que o Senado tenha o poder de arquivar uma eventual abertura do processo de impeachment pela Câmara.

Se o resultado for mantido até o final do julgamento, isso representa uma vitória para o governo. Com a decisão do STF, o processo de impeachment volta algumas casas -- a Câmara terá que refazer a eleição para a comissão especial que analisará o tema. Os magistrados, no entanto, podem mudar seus votos até o final do julgamento.

Nove dos onze ministros já votaram. Nesses dois pontos, já há maioria de seis votos contra três.

Cinco ministros acompanharam o voto de Luís Roberto Barroso, que defendeu a indicação apenas pelos líderes dos partidos políticos para compor a comissão do impeachment, e também o poder do Senado de barrar o processo.

Na semana passada, partidos de oposição e deputados dissidentes da base do governo lançaram a candidatura de uma chapa favorável ao impeachment para a comissão. A chapa da oposição foi vitoriosa por 272 votos a 199.

Além de Barroso, votaram contra a possibilidade de apresentação de chapa alternativa e a favor do arquivamento pelo Senado os ministros Marco Aurélio Mello, Teori Zavascki, Cármen Lúcia, Luiz Fux e Rosa Weber.

O relator do processo, ministro Luiz Edson Fachin, votou pela manutenção da eleição da chapa da oposição, e a favor de que a decisão da Câmara de abrir o processo de impeachment obrigue o Senado a instaurar o processo, ponto a partir do qual ocorre o afastamento temporário da presidente, por 180 dias ou até o fim do julgamento.

Acompanharam o voto de Fachin os ministros Gilmar Mendes e Dias Toffoli.

O Supremo continua nesta quinta-feira o julgamento das regras do processo de impeachment, com base em ação proposta pelo PC do B. O ponto central é quais pontos da Lei do Impeachment, de 1950, estão de acordo com a Constituição Federal de 1988.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Paulo Corrêa assume o comando do estado após ato oficial na sede da Governadoria
MATO GROSSO DO SUL
Paulo Corrêa assume o comando do estado após ato oficial na sede da Governadoria
Ministro nega seguimento a HC de condenado pelo homicídio de Mércia Nakashima
STF
Ministro nega seguimento a HC de condenado pelo homicídio de Mércia Nakashima
Insumos para a CoronaVac devem chegar até o dia 3 de fevereiro
BRASIL
Insumos para a CoronaVac devem chegar até o dia 3 de fevereiro
Moradora em distrito perde R$ 3,2 mil após ter folha de cheque furtada
DOURADOS 
Moradora em distrito perde R$ 3,2 mil após ter folha de cheque furtada
MEC institui plataforma virtual para avaliar planos de educação
BRASIL
MEC institui plataforma virtual para avaliar planos de educação
DOURADOS E REGIÃO
Bancários aprovam greve contra desativação de unidades do Banco do Brasil
ESTADO
Estudante que ficou três anos sem diploma será indenizada
ECONOMIA
Estoque do Tesouro Direto cresce 5,13% e vai para R$ 62,70 bilhões
DOURADOS
Doação de terreno para o Lar Ebenezer atende TAC firmado em 2019
FUTEBOL
Após acesso à Série A, Cuiabá se classifica às quartas da Copa Verde

Mais Lidas

DOURADOS
Motorista envolvido em acidente fatal relata bebida ao depor e é liberado 
ACIDENTES
Trânsito de Dourados faz terceira vítima fatal no ano, todas motociclistas
CRIME
Vizinhança flagra suspeito pulando muro e evita furto em Dourados
BR-276
Carreta com quase dez toneladas de maconha é apreendida em Dourados