Menu
Busca quinta, 22 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
BRASIL

Maia nega estender calamidade e diz que 'ideias criativas geram desastres econômicos

17 outubro 2020 - 16h00Por G1

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou neste sábado (17) que não pretende pautar uma extensão do estado de calamidade, declarado em razão da pandemia do novo coronavírus.

O decreto que reconhece o estado de calamidade autorizou a União a não cumprir a meta fiscal prevista para este ano e a elevar gastos públicos para financiar as ações de enfrentamento à crise gerada pela pandemia.

Esse estado de calamidade tem data para acabar: 31 de dezembro de 2020, mas uma parte do Congresso vem defendendo a extensão do decreto até o início de 2021 como saída para permitir um aumento de despesas no ano que vem. Isso viabilizaria uma nova prorrogação do auxílio emergencial pago pelo governo para trabalhadores informais e a criação do Renda Cidadã, programa que substituiria o Bolsa Família.

Maia, que participou de um evento na internet promovido por uma corretora, afirmou que estender esse estado de calamidade passaria a investidores "uma sinalização muito ruim" sobre o compromisso do país com a responsabilidade fiscal.

"Prorrogar a calamidade, em tese, vai gerar a prorrogação da PEC da Guerra e, automaticamente, prorrogando a PEC da Guerra vai passar uma sinalização muito ruim para aqueles que confiam e precisam da credibilidade da âncora fiscal para continuar investindo ou voltar a investir nesse país", disse o presidente da Câmara.

"A gente já viu que ideias criativas geram desastres econômicos e impactam a vida das famílias brasileiras", completou ele.

 

Maia ainda afirmou que não existe possibilidade de o auxílio emergencial ser prorrogado.

"A pandemia e a estrutura que foi construída para seu enfrentamento tem data para acabar, que é 31 de dezembro de 2020. Qualquer coisa que mude essa regra vai gerar um impacto muito grande em indicadores econômicos que vão afetar muito mais a vida dos brasileiros do que um, dois ou três meses de renda mínima", disse.

Segundo o presidente da Câmara, a prorrogação do auxílio ou a criação de um novo programa de distribuição de renda podem gerar aumento de popularidade no curto prazo, mas isso não se mantém a longo prazo.

"O curto prazo pode ser bonito, mas o médio e longo prazo...Temos metade desse governo ainda e, se isso acontecer, o governo vai pagar a conta com a sua popularidade."

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Bolsonaro sanciona projeto de lei que cria poupança social digital
NAVIRAÍ
Mãe faz vaquinha para custear tratamento da filha com síndrome de West
PROVA DE VIDA
Recadastramento de aposentados está suspenso até 30 de novembro
MEIO AMBIENTE
Homem é preso e multado por capturar e manter aves silvestres em cativeiro
SOLIDARIEDADE
TJ/MS lança Campanha de Natal e atenderá crianças, adolescentes e idosos
MIRANDA
Trio é preso com cocaína avaliada em R$ 1,7 milhão na BR-262
BRASIL
Governo anuncia eSocial simplificado e revisão de normas trabalhistas
JUSTIÇA
Sobrinho acusado de matar tio pelas costas será julgado nesta sexta
JUDICIÁRIO
Posse de Kassio Nunes Marques no STF será no dia 5 de novembro
CAPITAL
Polícia prende estelionatário condenado a quase 8 anos de prisão

Mais Lidas

DOURADOS
Acidente entre carreta e motocicleta mata mulher na BR-163
HOMICÍDIO EM 2013
Condenada pela morte do ex em Dourados é presa na Capital
DOURADOS
Motorista bêbado causa acidente em semáforo da Avenida Marcelino Pires
DOURADOS
Carona de motociclista que morreu em acidente com carreta corre risco de ter perna amputada