Menu
Busca domingo, 17 de outubro de 2021
(67) 99257-3397
BRASIL

Maia nega estender calamidade e diz que 'ideias criativas geram desastres econômicos

17 outubro 2020 - 16h00Por G1

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou neste sábado (17) que não pretende pautar uma extensão do estado de calamidade, declarado em razão da pandemia do novo coronavírus.

O decreto que reconhece o estado de calamidade autorizou a União a não cumprir a meta fiscal prevista para este ano e a elevar gastos públicos para financiar as ações de enfrentamento à crise gerada pela pandemia.

Esse estado de calamidade tem data para acabar: 31 de dezembro de 2020, mas uma parte do Congresso vem defendendo a extensão do decreto até o início de 2021 como saída para permitir um aumento de despesas no ano que vem. Isso viabilizaria uma nova prorrogação do auxílio emergencial pago pelo governo para trabalhadores informais e a criação do Renda Cidadã, programa que substituiria o Bolsa Família.

Maia, que participou de um evento na internet promovido por uma corretora, afirmou que estender esse estado de calamidade passaria a investidores "uma sinalização muito ruim" sobre o compromisso do país com a responsabilidade fiscal.

"Prorrogar a calamidade, em tese, vai gerar a prorrogação da PEC da Guerra e, automaticamente, prorrogando a PEC da Guerra vai passar uma sinalização muito ruim para aqueles que confiam e precisam da credibilidade da âncora fiscal para continuar investindo ou voltar a investir nesse país", disse o presidente da Câmara.

"A gente já viu que ideias criativas geram desastres econômicos e impactam a vida das famílias brasileiras", completou ele.

 

Maia ainda afirmou que não existe possibilidade de o auxílio emergencial ser prorrogado.

"A pandemia e a estrutura que foi construída para seu enfrentamento tem data para acabar, que é 31 de dezembro de 2020. Qualquer coisa que mude essa regra vai gerar um impacto muito grande em indicadores econômicos que vão afetar muito mais a vida dos brasileiros do que um, dois ou três meses de renda mínima", disse.

Segundo o presidente da Câmara, a prorrogação do auxílio ou a criação de um novo programa de distribuição de renda podem gerar aumento de popularidade no curto prazo, mas isso não se mantém a longo prazo.

"O curto prazo pode ser bonito, mas o médio e longo prazo...Temos metade desse governo ainda e, se isso acontecer, o governo vai pagar a conta com a sua popularidade."

Deixe seu Comentário

Leia Também

PMA prende e autua dois pescadores em R$ 2,6 mil
DOURADOS
PMA prende e autua dois pescadores em R$ 2,6 mil
Crescem reclamações sobre cobranças indevidas de crédito consignado
BRASIL
Crescem reclamações sobre cobranças indevidas de crédito consignado
Rede municipal de ensino retoma aulas 100% presenciais na segunda-feira
DOURADOS
Rede municipal de ensino retoma aulas 100% presenciais na segunda-feira
Estado finaliza entrega de 5,6 mil cestas de alimentos às comunidades quilombolas
MS
Estado finaliza entrega de 5,6 mil cestas de alimentos às comunidades quilombolas
Aposta única leva prêmio de R$ 11,5 milhões da Mega-Sena
LOTERIAS
Aposta única leva prêmio de R$ 11,5 milhões da Mega-Sena
MS
Som da Concha deste domingo terá o Soul e Jazz de Otávio e o sertanejo de Rodrigo Nogueira
TST
Transferências sucessivas ao longo do contrato garantem a bancário recebimento de adicional
DOURADOS
Em 2020, temporais destruidores ocorreram em outubro e novembro
MS
Festival Universitário da Canção revela novos talentos da música e paga até R$ 8 mil
PANDEMIA
Cães e gatos podem ter vírus da covid-19, mas não transmitem a doença

Mais Lidas

CLIMA
ASSUSTADOR: Vídeo mostra chegada da tempestade de poeira em Dourados
DOURADOS
Asfalto de avenida cede na região Norte e trânsito é interrompido
CLIMA
Alan decreta situação de emergência após temporal que deixou rastro de destruição em Dourados
CLIMA
Ventos de 40 km/h causam estragos em Dourados