Menu
Busca quarta, 27 de maio de 2020
(67) 99659-5905

Mãe de menor morta no PY acusa esposa de brasileiro

06 janeiro 2010 - 14h00

Fermina Gimenez, mãe da adolescente de 13 anos morta ontem em Pedro Juan Caballero/PY, fronteira com Ponta Porã, acusou uma mulher identificada até o momento como “Adela”, que seria esposa do brasileiro Fernando Icazzatide, que é construtor de obras, como tendo sido a mandante do crime.
Ela alega que a outra filha dela, de 15 anos, seria amante do brasileiro, que teria até mesmo cogitado a idéia de sair de casa e assumir a garota.
Adela teria ido à casa da família no Paraguai para ameaçar a menor, que caso o marido a abandonasse, mataria a jovem.
A mãe disse que falou para a filha abrir mão do caso amoroso, mas isso não aconteceu e ontem ela estava com a irmã de 13 anos em frente da casa onde moram, quando ela resolveu entrar na casa para buscar algo, momento em que os pistoleiros chegaram atirando e teriam confundido as irmãs, matando a mais nova.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CULTURA
CineClube UEMS terá encontros online com filmes sobre pandemia
LOTERIA
Confira os números da Mega-Sena, que paga prêmio de R$ 33 milhões
JARAGUARI
Caminhonete paraguaia com R$ 5 mil em multas é apreendida em MS
CORUMBÁ
Companhia aérea deve indenizar por atraso de voo sem justificar motivo
SAÚDE
HU de Dourados lança Manual de Aleitamento Materno em formato de livro
CAMPO GRANDE
Homem passa mal, mobiliza Bombeiros e Samu e morre a caminho de UPA
AVANÇO DA PANDEMIA
Brasil registra 1.086 mortes por Civid-19 em 24 horas e chega a 25.598
CAPITAL
Homem é encontrado na rua, vai para CTI e morre sem identificação
POLÍCIA
Golpes a beneficiários do auxílio emergencial continuam em Dourados
BRASIL
PGR pede suspensão de inquérito que apura divulgação de fake news

Mais Lidas

DOURADOS
Prefeitura estende toque de recolher em 2h em Dourados
PANDEMIA
Dourados tem mais de 150 casos de Covid-19 e secretário diz ser assustadora a crescente na região
PANDEMIA
Dourados investiga morte com suspeita do novo coronavírus
DOURADOS
Empresários cobram de Délia prova científica para justificar toque de recolher