Menu
Busca terça, 14 de julho de 2020
(67) 99659-5905
BRASIL

Liminar no STJ restabelece aposentadoria de ex-presidente da Petrobras

13 janeiro 2020 - 08h24Por Assessoria/STJ

Por entender que a punição – em princípio – foi desproporcional, o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha, deferiu pedido de liminar para restabelecer o pagamento de aposentadoria ao ex-presidente da Petrobras Sérgio Gabrielli, até que o tribunal julgue o mérito do mandado de segurança que discute a aplicação da penalidade.

O processo administrativo disciplinar que determinou a cassação da aposentadoria apurou a responsabilidade do ex-presidente da Petrobras na aquisição da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos – operação que teria causado prejuízos à estatal.

No pedido de liminar, Gabrielli afirmou que a sua aposentadoria de professor universitário, obtida em 2014, foi cassada pela Controladoria-Geral da União, no ano passado, por atos supostamente praticados enquanto ele ocupava a presidência da Petrobras, cargo exercido até 2012.

Sérgio Gabrielli afirmou que a aposentadoria como professor universitário – cargo público provido por concurso – não poderia ter sido cassada em razão de supostos atos cometidos como presidente de uma estatal, cujo regime jurídico (relação de emprego) é diferente do adotado para os servidores públicos submetidos à Lei 8.112/1990.

Tema complexo

Para o ministro João Otávio de Noronha, são relevantes os argumentos do ex-presidente da Petrobras quanto à falta de proporcionalidade e razoabilidade na aplicação da sanção de cassação da aposentadoria, "uma vez que recai sobre direito adquirido pelo servidor de ter a contrapartida financeira do Estado pelos anos em que contribuiu financeiramente para a previdência pública".

Ele disse que o tema da cassação de aposentadoria de servidor público é complexo e envolve estudo aprofundado da alteração do regime previdenciário dos servidores, que passou a ser contributivo em 1993.

"A pena de cassação de aposentadoria tem rigor maior do que a própria demissão, já que esta não impede o servidor de exercer outra atividade funcional nem de utilizar, no cálculo para efeitos de aposentadoria, o tempo que contribuiu para a previdência enquanto estava no cargo do qual foi demitido", ressaltou o presidente do STJ.

Grave prejuízo

Além disso, comentou o ministro, "não parece razoável a supressão da aposentadoria no cargo de professor em razão de falta ocorrida durante atividade funcional que não tenha relação com o vínculo previdenciário formado com a administração pública".

Noronha destacou também que a decisão do processo administrativo representa risco de dano irreversível, pois causa evidentes e graves prejuízos à subsistência de uma pessoa de 70 anos, privada de sua renda mensal.

O mandado de segurança vai tramitar sob a relatoria do ministro Herman Benjamin, da Primeira Seção.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRIBUTO
Licenciamento de veículos com placas finais 5 e 6 vence em julho
LEGISLATIVO DE MS
Atividades presenciais na Assembleia continuam até o final de agosto
EDUCAÇÃO
MEC deve divulgar resultado do SISU nesta terça
CAMPO GRANDE
TJMS condena réu de tentativa de furto por resistência e desacato
ECONOMIA
Petrobras bate recorde na produção de diesel menos poluente
PANDEMIA
Secretarias municipais devem encaminhar resultados de testes rápidos da Covid-19 à SES
CALIFÓRNIA
Corpo de atriz de Glee é encontrado por oficiais
REGIÃO
Adolescente é apreendido pela PM pela décima vez em 2020
BRASIL
Mourão diz que desmatamento foi além do aceitável na região amazônica
EDUCAÇÃO
Feira científica de MS abre inscrições para alunos da rede pública e privada de todo o Brasil

Mais Lidas

DOURADOS
‘Deus no comando amem’: antes de crimes, atirador postou pregação religiosa
BARBÁRIE
Homem assassina ex, atira em crianças e se mata no altar de igreja em Dourados
DOURADOS
Atirador baleou criança de quatro anos na cabeça ao abrir fogo para matar ex-mulher
DOURADOS
Atirador chegou em igreja na hora da comunhão e entrou dizendo ter feito bobagem