Menu
Busca segunda, 01 de março de 2021
(67) 99257-3397

Justiça obriga reintegração de nadadora à equipe brasileira

09 setembro 2003 - 15h08

O jornal EXTRA, do Rio de Janeiro, publicou hoje uma matéria em que, por decisão da Justiça, a nadadora Laura Avezedo deve ser reintegrada à equipe brasileira de natação que disputará a primeira seletiva para os Jogos Olímpicos da Grécia, no fim do mês. De acordo com a reportagem, a atleta conseguiu provar que houve erro no exame antidoping que acusou a presença dos anabolizantes estanozolol, nandrolona e metiltestosterona, provocando sua suspensão por dois anos por parte da CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos). Laura, de 21 anos e atleta da Associação Águas Abertas de Campos, foi submetida a um teste com exame de urina em maio, durante a disputa dos 100m borboleta no Troféu Brasil, realizado no Parque Aquático Júlio De Lamare, no Rio. Duas semanas depois, o laudo do laboratório Laudetec, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), credenciado pelo COI, deu resultado positivo para substâncias anabolizantes. A nadadora começou então sua peregrinação em busca da inocência. Foram gastos, até o momento, cerca de R$ 130 mil, divididos entre exames em laboratórios, custos com advogados, viagens para o Rio (Laura mora em Coral Springs, nos EUA) e despesas com ligações internacionais e com correio. Um dos muitos exames que fez apontou divergência no DNA do material coletado para o exame da Ladetec e o seu, criando até um problema familiar: por um momento ela pensou que pudesse não ser filha legítima de seus pais. Depois, o que se concluiu é que não foi possível provar que a urina coletada no frasco para o exame antidoping fosse unicamente dela. O que leva a suspeita de que houve falha na coleta do material para a realização do teste antidoping. Assim, a 26ª Vara Cível do Rio determinou sua reintegração à equipe brasileira que disputará o Troféu Jose Finkel, em Santos, primeira eliminatória para as Olimpíadas 2004. No entanto, parte do estrago jamais poderá ser reparado: a suspensão impediu que a nadadora participasse dos 100m borboleta e dos 400 medley no Pan-Americano de Santo Domingo, provas que ela tinha índice. O brasileiro Eduardo de Rose, membro da Agência Mundial Antidoping (Wada) e da Comisão Médica do Comitê Olímpico Internacional, além de responsábel pelos exames do Comitê Olímpico Brasileiro, garante que não há provas para inocentar Laura Azevedo. Sem fazer acusações, ele diz que ela pode ter colocado urina de outra pessoa em sua bexiga (através de sonda) ou ter usado uma geléia de DNA vendida somente nos Estados Unidos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Banco Central iguala limite do Pix ao das transferências eletrônicas
Daniela Hall é líder de Alan Guedes na Câmara de Dourados
ARTICULAÇÃO
Daniela Hall é líder de Alan Guedes na Câmara de Dourados
Nova 'cracolândia': comerciantes relatam medo e ameaças no centro de Dourados
PRÓXIMO AO TRANSBORDO
Nova 'cracolândia': comerciantes relatam medo e ameaças no centro de Dourados
Vacinação de trabalhadores de saúde volta amanhã e de idosos de 89 anos na quarta
DOURADOS
Vacinação de trabalhadores de saúde volta amanhã e de idosos de 89 anos na quarta
EDUCAÇÃO
Divulgado o resultado preliminar do Vestibular UEMS 2021
PANDEMIA
Ocupação de leitos UTI Covid-19 tem queda, mas taxa permanece alta em Dourados
TRÁFICO DE DROGAS
Jovem é preso com droga sintética e maconha em Campo Grande
AUXÍLIO
Projeto ajuda famílias de refugiados a matricularem seus filhos em escolas públicas de Dourados
MS
Bandido é morto ao tentar assaltar policial de folga
FUTEBOL
Santos apresenta oficialmente o técnico argentino Ariel Holan

Mais Lidas

ACIDENTE
Veículo pega fogo ao colidir em coqueiro entre Dourados e Itaporã
DOURADOS
Jovem colide moto e embriagado tenta fugir do hospital, mas é detido
PANDEMIA
Mais uma pessoa morre por covid em Dourados e casos confirmados se aproximam de 21 mil
DOURADOS
Homem é suspeito de incendiar carro de vizinho após ser mordido por cachorro