Menu
Busca terça, 01 de dezembro de 2020
(67) 99659-5905
BRASIL

Justiça Federal condena homem por importação de medicamento de uso controlado

25 outubro 2020 - 12h00Por Redação com TRF3

A Décima Primeira Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3), por unanimidade, acatou pedido do Ministério Público Federal (MPF) e condenou um homem pela importação de 3.400 comprimidos de Cytotec, medicamento de compra proibida por pessoa física no Brasil.

Segundo o colegiado, a materialidade e autoria do delito ficaram comprovadas pelo auto de prisão em flagrante, pela confissão espontânea do réu, pela prova oral, além de documentos e laudo de perícia criminal.

Exames atestaram a apreensão de 3.400 comprimidos de Cytotec, medicamento de origem italiana composto pela substância Misoprostol. No Brasil, o remédio só é permitido pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso hospitalar.

De acordo com a denúncia, o réu não retirou sua bagagem ao desembarcar no Aeroporto Internacional de Guarulhos/SP, de voo vindo da Espanha, em conexão para a cidade de Foz do Iguaçu/PR. A mala foi passada pelo raio-X da Receita Federal e as imagens indicaram grande quantidade de comprimidos. Em pesquisa sobre o passageiro, foi constatado que ele já havia sofrido uma retenção anterior relativa ao Cytotec.

Em interrogatório, o homem reconheceu ser proprietário do objeto, bem como dos medicamentos, e disse que entregaria os comprimidos a um conhecido no Paraguai. Ele afirmou que fazia uso do remédio para o estômago e que não retirou seus pertences no aeroporto porque acreditava que iriam diretamente para Foz do Iguaçu. 

A Turma citou precedentes e ressaltou que a mercadoria foi apreendida na zona primária, que, segundo a legislação, integra o território nacional.  “A simples alegação de que o destino seria o Paraguai não impede a configuração do crime de importação de medicamento proibido, uma vez que o voo em que embarcaria o apelado era doméstico e, portanto, a sua bagagem teria que passar pela aduana brasileira em Guarulhos”, destacou o relator do processo, desembargador federal Nino Toldo.

O colegiado ressaltou ainda a comprovação do dolo, já que o homem trouxe medicamento que sabia ser de utilização restrita no país. “Em que pese ter alegado em seu interrogatório que desconhecia o uso controlado do Cytotec no Brasil, não é crível que não tivesse consciência da ilicitude de sua conduta, especialmente diante do fato de que já tinha sofrido apreensão pela Receita Federal dessa mesma substância”.

Assim, a Décima Primeira Turma, reformou sentença de primeiro grau e condenou o réu pelo crime de importação de medicamento proibido. A pena foi fixada em quatro anos, quatro meses e 15 dias de reclusão, em regime inicial semiaberto, e 437 dias-multa.

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA FEDERAL
Minotauro e esposa tornam-se réus em mais uma ação por corrupção ativa
PGM entrega relatório com mais de 600 páginas a comissão
TRANSIÇÃO DE MANDATO
PGM entrega relatório com mais de 600 páginas a comissão
Homenagens para honrar o luto de seu pet
INFORME PUBLICITÁRIO
Homenagens para honrar o luto de seu pet
OPORTUNIDADE
IFMS oferece auxílio para trabalhos desenvolvidos por estudantes da pós-graduação
CNA prevê aumento da produção do agronegócio no próximo ano
ECONOMIA
CNA prevê aumento da produção do agronegócio no próximo ano
INOCÊNCIA
Homem acaba preso após ameaçar grávida e chutar portão de residência  
PANDEMIA 
Ministério da Saúde concluirá plano de vacinação após registro de imunizantes
MATO GROSSO DO SUL
Reinaldo pede inclusão de rodovia Sul-fronteira no Orçamento da União
ALEMS
Aprovado projeto do deputado Marçal Filho que identifica autistas no RG
DIREITOS
Comafro convoca movimentos para definir nova composição nesta quarta-feira

Mais Lidas

PODER PÚBLICO
Gaeco volta às ruas de Dourados com nova operação
POLICIAL
Criminoso imita abordagem de polícia para cometer roubo em Dourados
BR-376
Acidente entre Dourados e Fátima do Sul deixa um morto e dois feridos
PANDEMIA
Covid volta a matar e Dourados acumula 120 vítimas da doença