Menu
Busca quinta, 29 de julho de 2021
(67) 99257-3397

"Jogo sujo" de Cuba preocupa brasileiras na final do handebol

20 julho 2007 - 09h48

Cuba é sempre um caso à parte. Elas vêm pra bater mesmo, se puderem machucar, não pensam duas vezes. É jogo sujo, elas vão apelar", definiu Pará sobre a adversária da seleção brasileira de handebol na final dos Jogos Pan-Americanos.
Com vitória tranqüila sobre a Argentina na semifinal, Cuba volta a enfrentar o Brasil, agora pelo título. As duas seleções já se enfrentaram na fase de grupos, no jogo mais difícil das brasileiras. Apesar da vitória por 32 a 28, as jogadoras saíram preocupadas com a agressividade e a força física das caribenhas, suas principais armas. Além, é claro, da conhecida "manha" cubana.

Na final, as brasileiras já esperam uma batalha. Beliscões, puxões, xingos e unhadas estão entre os recursos mais manjados pelas cubanas. "Elas são um pouco folgadas, puxam mais, beliscam, batem", lembra a central Duda Amorim, com um curativo no rosto, ganho com um soco cubano no último confronto. "Ah, esse não foi proposital", amenizou Duda. "Ao menos, eu acho que não foi..."

Mesmo as mais veteranas não escondem a cautela. "Me surpreendi com o tamanho delas no primeiro jogo. A gente sabia que elas iam apostar tudo na força, mas não imaginava que elas estavam tão fortes", admitiu Dani Piedade.

"As cubanas jogam com o emocional. No primeiro jogo, provocaram muito, e ficaram chamando a gente de lado pra dizer que vão vir dar revanche na final", contou Dali. "A gente não vai entrar no jogo delas. Já vencemos uma vez, vamos vencer de novo. Seremos mais inteligentes."

Para a central Aline, o título virá, ainda que sofrido. "A gente vai apanhar, mas vai levar", brincou. "Precisamos manter a calma para repetir o que fizemod no primeiro encontro conra elas, e ainda corrigir os erros que cometemos."

O técnico Juan Oliver prefere fugir da polêmica. "Cuba é uma equipe muito forte fisicamente, mas isso já sabíamos, e agora já conhecemos o jogo delas", avaliou o treinador, que passou um sermão às jogadoras. "Aqui não tem clima de 'já ganhou'. Nosso lema é: orgulho, trabalho e respeito pelo adversário, sempre."

O consolo das donas da casa é a arbitragem, que podou os excessos de Cuba no primeiro jogo. "Os árbitros atuaram bem no primeiro jogo, e esperamos que eles segurem a violência", acredita a capitã brasileira, Lucila. "A fórmula é não entrar no jogo delas, e mostrar maturidade."

Nas semifinais, disputadas na quinta-feira, o Brasil goleou a República Dominicana por 46 a 13; em seguida, Cuba venceu a Argentina por tranqüilos 37 a 25. A seleção brasileira é atual bicampeã pan-americana.


Deixe seu Comentário

Leia Também

PEDRO JUAN
Mulher fica gravemente ferida ao ser atacada a facadas pelo ex-namorado
POLÍTICA
STF reage e diz que uma mentira contada mil vezes não vira verdade
GERAL
Novo golpe do cartão filma seus dados durante entrega de aplicativo
PRONUNCIAMENTO
Ministro pede que brasileiros tomem a segunda dose da vacina
Tranquila sob árvore, babá é atingida por veículo desgovernado
Tranquila sob árvore, babá é atingida por veículo desgovernado
VACINA
Saúde vai fazer estudo para avaliar eficácia da 3ª dose da CoronaVac
CAPITAL
Dupla furta mais de 30 vestidos e ateliê estima prejuízo de R$ 40 mil
BRASIL
Bolsonaro sanciona programa de combate à violência contra a mulher
TRÁFICO
Com foto de Pablo Escobar na parede, traficante é preso no Paraguai
DOURADOS
Ação conjunta realiza trabalho de Marco de Concreto na Usina Velha

Mais Lidas

DOURADOS
Acidente no Centro deixa motociclista com fratura na perna e motorista foge
DOURADOS
Drogas e submetralhadora são apreendidos no Idelfonso Pedroso
FRONTEIRA
Casal é executado por "justiceiros" enquanto comemorava aniversário
DOURADOS
Justiça converte em preventiva prisão de jovem que matou adolescente atropelado