Menu
Busca sexta, 07 de agosto de 2020
(67) 99659-5905
CLIMA TENSO

Irã quer ver Estados Unidos fora da região e Iraque ameaça Washington

08 janeiro 2020 - 11h34Por Agência Brasil

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, alertou nesta quarta-feira (8) os Estados Unidos para que se retirem da região e considerou que o lançamento de mísseis, na última madrugada, contra bases aéreas que abrigam tropas norte-americanas no Iraque, foi uma "bofetada" na cara dos EUA.

No Iraque, um grupo paramilitar prometeu retaliação contra Washington, uma vez que o ataque ordenado por Donald Trump matou, além do general iraniano Qassem Soleimani, o comandante iraquiano Abu Mahdi al-Muhandis.

“Ações militares como esta não são o suficiente”, afirmou Khamenei, referindo-se ao lançamento de mais de uma dúzia de mísseis por parte do Irã contra duas bases militares iraquianas utilizadas pelo Exército norte-americano. “Esta região não vai aceitar a presença da América”.

“O que é importante é acabar com a presença degradante da América na região”, acrescentou o líder supremo iraniano durante um discurso transmitido pela televisão estatal, no qual descartou também qualquer hipótese de retomar as negociações com os EUA sobre um acordo nuclear. “Conversas e negociações são o começo da intervenção norte-americana”, afirmou.

O presidente do Irã, Hassan Rouhani, disse que Washington pode ter “cortado o braço” do general iraniano Qassem Soleimani, mas que a “perna” dos EUA seria cortada em resposta.

O lançamento de mísseis pelo Irã na última madrugada serviu de retaliação contra os Estados Unidos, depois de Donald Trump ter ordenado, na semana passada, um ataque aéreo em Bagdá que resultou na morte de Soleimani, general considerado herói no país e cujas cerimônias fúnebres reuniram milhares de pessoas.

Javad Zarif, ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros, também reagiu ao lançamento de mísseis nesta quarta-feira. “A nossa ação foi em legítima defesa e os Estados Unidos devem evitar avaliá-la com base em ilusões”.

No Twitter, Zarif descreveu a medida como “adequada” e baseou-se em artigo da ONU para justificar a legítima defesa. “Não pretendemos uma escalada do conflito nem guerra, mas iremos defender-nos contra qualquer agressão”, escreveu.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NAVIRAÍ
Mulher chama polícia ao descobrir que ex estuprava filha de 10 anos
AJUDA FINANCEIRA
Senado limita juros do cartão de crédito a 30% durante pandemia
CAPITAL
Enfermeiro do HRMS é 12º profissional de saúde morto pela Covid-19 em MS
SÃO PAULO
MP oferece denúncia contra ex-BBB Felipe Prior por estupro
RIO VERDE
Trans denuncia prefeito à polícia depois de ouvir que "não tem utilidade"
SUPREMO
STF permite acúmulo de pensão e aposentadoria, se não ultrapassar teto
FUTEBOL
Conmebol aprova protocolo de saúde para Libertadores e Sul-Americana
DOURADOS
Secretaria de Cultura adota drive-in para atender promotores culturais
CAMPO GRANDE
Jovem é internada em estado grave depois de apanhar de duas vizinhas
JUSTIÇA
Ex-companheiro que permaneceu no imóvel do casal deve pagar aluguéis

Mais Lidas

PANDEMIA
Dourados registra mais três óbitos por coronavírus; um deles é de outro município
DOURADOS
Guardas capturam foragido da justiça próximo a residenciais de luxo
INVESTIGAÇÕES
Polícia desarticula quadrilha responsável por furtos e tentativa de homicídio em Dourados
TRÁFICO DE DROGAS
Polícia prende dupla que contratou guincho para carregar veículo com drogas