Menu
Busca terça, 30 de novembro de 2021
São Paulo
39°max
24°min
São Paulo
39°max
24°min
São Paulo
39°max
24°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
JUSTIÇA FEDERAL

INSS deve pagar auxílio-acidente a segurado desde o fim do auxílio-doença

17 outubro 2021 - 13h00Por Assessoria/TRF3

A Oitava Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) determinou ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) conceder auxílio-acidente a um morador de Santos André/SP desde a cessação do auxílio-doença pago em virtude de incidente de trânsito.

Para os magistrados, o benefício é devido retroativamente, pois ficou comprovada a existência de redução da capacidade do segurado, por meio de documentos e pela perícia médica judicial.

Conforme os autos, o autor sofreu acidente de trânsito em 13/04/2010. Requereu e obteve auxílio-doença previdenciário no período de 28/04/2010 a 30/04/2012. O benefício de auxílio-acidente somente foi concedido ao autor administrativamente em 28/01/2019.

Diante da situação, o segurado solicitou o pagamento de atrasados judicialmente. Em primeiro grau, a 1ª Vara Federal de Santo André havia deferido a concessão do auxílio-acidente a partir da data de cessação do auxílio-doença. A autarquia federal recorreu ao TRF3.

O INSS alegou que não havia motivo para se atrelar o início de pagamento do auxílio-acidente ao término do auxílio-doença do segurado. Para a autarquia, o benefício tem caráter indenizatório e somente é devido após a consolidação das lesões decorrentes de acidente de qualquer natureza. Também argumentou que o autor demorou anos para pleitear o direito. 

Retroação

Ao analisar o caso no TRF3, o relator do processo, desembargador federal David Dantas, explicou que, em 2019, o INSS reconheceu a redução da capacidade do autor da ação em decorrência da consolidação das lesões provocadas pelo acidente, em 2010. 

Para o magistrado, a Lei de Benefícios dispõe que o auxílio-acidente será devido a partir do dia seguinte ao da cessação do auxílio-doença, independentemente de qualquer remuneração ou rendimento auferido pelo acidentado, vedada sua acumulação com qualquer aposentadoria.

“Ainda que o postulante não tenha demonstrado requerimento administrativo, cabia ao INSS, quando da cessação daquele benefício, transformá-lo em auxílio-acidente, já que comprovadas as seqüelas redutoras da capacidade do segurado”, frisou.

Além disso, o relator ressaltou que há entendimento consagrado no sentido de que os benefícios previdenciários são imprescritíveis, admitindo-se apenas o reconhecimento da prescrição das parcelas não pleiteadas nos cinco anos anteriores ao ajuizamento da ação.

Por fim, o desembargador federal concluiu que deve ser mantido o início do pagamento do auxílio-acidente em 30/04/2012, data de cessação do auxílio-doença recebido pelo segurado. 

Com esse entendimento, a Oitava Turma, por unanimidade, negou provimento ao agravo interno do INSS.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TEMPO
Terça-feira de sol com algumas nuvens em Dourados; não chove
Homem morre vítima de acidente de trânsito entre Deodápolis e Ipezal
REGIÃO
Homem morre vítima de acidente de trânsito entre Deodápolis e Ipezal
BRASIL
Câmara aprova medidas de transparência e teto para orçamento secreto
SIDROLÂNDIA
Briga em bar acaba com homem morto a facadas e tiros na cabeça
Procon autua empresa de ônibus por não reservar passagens gratuitas
ANDORINHA
Procon autua empresa de ônibus por não reservar passagens gratuitas
PARANAÍBA
Mulher é presa com cocaína e diz que traficava para ajudar filha deficiente
ELEIÇÕES
TSE divulga resultado do teste de segurança da urna eletrônica
NOVA ANDRADINA
Homem é autuado R$ 5 mil por criar ave silvestre ilegalmente 
FUTEBOL
Messi conquista Bola de Ouro pela 7ª vez; Jorginho fica em 3º
PONTA PORÃ
Durante tempestade, detentos quebram grade e fogem de presídio

Mais Lidas

ITAPORÃ
Ciclista morta após ser atropelada por carreta é identificada
DOURADOS
Vítima diz que assaltante devolveu dinheiro roubado após oração
CAPITAL
PRF que atirou em homem no interior de motel é encontrado morto
DOURADOS
Família procura por jovem que saiu de casa há mais de um mês e não retornou