Menu
Busca segunda, 01 de junho de 2020
(67) 99659-5905
AVANÇO DA CIÊNCIA

Hospital Albert Einstein cria novo teste para diagnosticar coronavírus

21 maio 2020 - 22h20Por G 1

O Hospital Albert Einstein desenvolveu um exame genético para detecção em larga escala do novo coronavírus. A técnica possui alta precisão e pode ser considerada uma opção viável de testagem em massa. O método já teve sua patente registrada por meio do Sistema Internacional de Patentes nos Estados Unidos e estará disponível a partir de junho.

O exame desenvolvido pelo Einstein utilizou como base a tecnologia denominada Sequenciamento de Nova Geração (Next Generation Sequencing - NGS), que analisa pequenos fragmentos de DNA para identificação de doenças. Para detectar o Sars-Cov-2, os pesquisadores adaptaram o método para leitura do RNA, outra molécula biológica que está presente em diversos tipos de vírus. De acordo com o hospital, o teste apresenta 100% de especifidade, ou seja, não apresenta casos de falso-positivo e é o primeiro exame genético do mundo a detectar em larga escala o coronavírus por meio da técnica de sequenciamento NGS.

Ainda, segundo os pesquisadores, a eficácia do teste é equivalente aos teste do tipo RT-PCR, principal método para detecção do coronavírus aplicado no mundo, que detectam o material genético do vírus. Entretanto, o novo exame apresentado pelo Einstein permite a realização simultânea da análise de até 1.536 amostras, 16 vezes mais do que o RT-PCR.

Atualmente, os testes rápidos disponíveis são os chamados exames sorológicos, os quais identificam a presença de anticorpos contra o vírus no sangue, os quais podem ser observados em média 14 dias após a contaminação, entretanto, a técnica não possui uma precisão tão alta quanto o RT-PCR e ainda é questionado por entidades médicas. Já a nova técnica apresentada pelo Einstein promete identificar a presença do vírus desde o primeiro dia da infecção.

O teste analisa amostras de saliva ou retiradas da região nasal e leva cerca de três dias para ficar pronto. A técnica levou cerca de dois meses para ser desenvolvida.

“O feito da equipe do Einstein, executado em tão pouco tempo, é resultado do grande investimento da organização em suas áreas de pesquisa, inovação e empreendedorismo”, afirma o engenheiro Claudio Terra, diretor de Inovação e Transformação Digital da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍCIA
Morador de Nioaque é condenado a três anos de prisão por vender arma a adolescente
SAÚDE
Dourados concentra quase um quinto dos casos de coronavírus em MS
MATO GROSSO DO SUL
Motorista tem prisão preventiva decretada por acidente de trânsito que resultou em morte
ESPORTE
Definidos os campeões do torneio virtual de beach tennis
RELAÇÕES EXTERIORES
Brasil recebe dois milhões de doses de hidroxicloroquina dos EUA
6ª VARA CÍVEL
Empresário vai à Justiça contra toque de recolher em Dourados
MATO GROSSO DO SUL
Detran retoma aplicação de exames práticos e teóricos no interior
BRASIL
Casos de feminicídio crescem 22% em 12 estados durante pandemia
POLÍTICA
TRE-MS abre inscrições para curso de capacitação jurídica para mulheres
DESINFORMAÇÃO
Projeto sobre 'fake news' na pauta do Senado divide opiniões

Mais Lidas

PANDEMIA
Estado alerta que Dourados deve ser cidade com mais casos de Covid-19 na próxima semana
POLÍCIA
Homem encontrado morto sob a ponte do Calarge tinha 38 anos
DOURADOS
HU emite nota de esclarecimento sobre atendimento de mulher que morreu com Covid-19
DOURADOS
Homem é encontrado morto embaixo de ponte no córrego Laranja Doce