Menu
Busca terça, 26 de outubro de 2021
(67) 99257-3397
BRASIL

Guedes nega extensão de auxílio emergencial em 2021

17 outubro 2020 - 07h45Por Agência Brasil

Reduzido recentemente para R$ 300 (R$ 600 para mães solteiras), o auxílio emergencial não será estendido em 2021, disse hoje (16) o ministro da Economia, Paulo Guedes. Ele reiterou que o teto de gastos será mantido após o fim do estado de calamidade aprovado neste ano por causa da pandemia de covid-19.

“Não há qualquer plano para estender o auxílio, nenhum. Isso não é verdade. Essa não é nossa intenção, não é o que o presidente disse. Não é o que o ministro da Economia quer. De jeito nenhum”, afirmou Guedes em evento virtual promovido por uma corretora de investimentos.

Apesar de reafirmar o compromisso com o teto de gastos, o ministro repetiu declarações anteriores segundo as quais o orçamento de guerra poderia ser retomado caso o país seja novamente atingido por uma pandemia em outro ano. Guedes, no entanto, negou que isso signifique estender o estado de calamidade pública indefinidamente.

“Quando a pandemia nos atingiu, nós criamos um regime emergencial. Agora, nós não podemos utilizar a desculpa do regime emergencial para explodir o teto de gastos”, disse.

Novo imposto

Em relação à implementação de um imposto sobre transações, semelhante à antiga Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), Guedes negou ter desistido da ideia. Segundo ele, a criação do tributo, que cobriria uma desoneração parcial da folha de pagamentos, é essencial para a criação de empregos formais. Ontem, o ministro afirmou à emissora CNN Brasil que talvez desistiria do novo tributo.

“Não me importo se o tributo é feio, desde que ele funcione criando novos empregos. É necessário. Mas então eu dei uma informação errada ontem, porque é esse o sentimento", afirmou. “Eu não sou um homem de desistir facilmente das coisas”.

Recuperação

Sobre o desempenho da economia, o ministro repetiu que o Brasil segue uma recuperação em “V” (forte queda seguida de forte alta), depois da paralisação da economia durante boa parte do primeiro semestre provocada pela pandemia de covid-19. Segundo ele, o período pós-pandemia exigirá compromisso com a responsabilidade fiscal.

“A doença está diminuindo e, à medida que diminui, o Brasil está em recuperação em 'V'. Nós devemos ter responsabilidade quanto ao nosso orçamento e devemos mostrar que somos responsáveis, e fortes, e resilientes o suficiente para pagar pela nossa guerra, ao invés de rolar [renovar a dívida] para nossas crianças no futuro”, concluiu.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Após denúncias, Guarda localiza maconha na Via Parque
DOURADOS
Após denúncias, Guarda localiza maconha na Via Parque
Aumento de temperatura pode chegar a 2,7 graus no século, alerta ONU
INTERNACIONAL
Aumento de temperatura pode chegar a 2,7 graus no século, alerta ONU
Guarda de Dourados recupera moto furtada na fronteira
POLÍCIA
Guarda de Dourados recupera moto furtada na fronteira
OPORTUNIDADE
Mestrado Acadêmico em Letras da UEMS de Campo Grande esta com inscrições para alunos regulares
Mulher causa confusão em bar, corta os punhos, joga sangue em policiais e vai presa
CASSILÂNDIA
Mulher causa confusão em bar, corta os punhos, joga sangue em policiais e vai presa
OPORTUNIDADE
Governo abre processo seletivo para contratar analista previdenciário com salário de R$ 4,1 mil
BRASIL
Presidente do TSE volta a defender regulamentação de redes sociais
TRÁFICO
Guarda encontra droga em terreno próximo a Via Parque em Dourados
MS-080
Homem morre após capotar caminhonete e ser arremessado a 10 metros
CASSILÂNDIA
Homem agride esposa, furta itens da casa dela para comprar drogas e vai preso

Mais Lidas

CLIMA
Vendaval atinge Dourados e deixa rastro de destruição
DOURADOS
Namorada posta 'status' de jovem com arma, polícia rastreia carro e prende rapaz
DOURADOS
Três vias de Dourados passam a ser "mão única"
DOURADOS
Mulher "roleta" Weimar, causa acidente e deixa motociclista ferido gravemente