Menu
Busca segunda, 19 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
BRASIL

Guedes nega extensão de auxílio emergencial em 2021

17 outubro 2020 - 07h45Por Agência Brasil

Reduzido recentemente para R$ 300 (R$ 600 para mães solteiras), o auxílio emergencial não será estendido em 2021, disse hoje (16) o ministro da Economia, Paulo Guedes. Ele reiterou que o teto de gastos será mantido após o fim do estado de calamidade aprovado neste ano por causa da pandemia de covid-19.

“Não há qualquer plano para estender o auxílio, nenhum. Isso não é verdade. Essa não é nossa intenção, não é o que o presidente disse. Não é o que o ministro da Economia quer. De jeito nenhum”, afirmou Guedes em evento virtual promovido por uma corretora de investimentos.

Apesar de reafirmar o compromisso com o teto de gastos, o ministro repetiu declarações anteriores segundo as quais o orçamento de guerra poderia ser retomado caso o país seja novamente atingido por uma pandemia em outro ano. Guedes, no entanto, negou que isso signifique estender o estado de calamidade pública indefinidamente.

“Quando a pandemia nos atingiu, nós criamos um regime emergencial. Agora, nós não podemos utilizar a desculpa do regime emergencial para explodir o teto de gastos”, disse.

Novo imposto

Em relação à implementação de um imposto sobre transações, semelhante à antiga Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), Guedes negou ter desistido da ideia. Segundo ele, a criação do tributo, que cobriria uma desoneração parcial da folha de pagamentos, é essencial para a criação de empregos formais. Ontem, o ministro afirmou à emissora CNN Brasil que talvez desistiria do novo tributo.

“Não me importo se o tributo é feio, desde que ele funcione criando novos empregos. É necessário. Mas então eu dei uma informação errada ontem, porque é esse o sentimento", afirmou. “Eu não sou um homem de desistir facilmente das coisas”.

Recuperação

Sobre o desempenho da economia, o ministro repetiu que o Brasil segue uma recuperação em “V” (forte queda seguida de forte alta), depois da paralisação da economia durante boa parte do primeiro semestre provocada pela pandemia de covid-19. Segundo ele, o período pós-pandemia exigirá compromisso com a responsabilidade fiscal.

“A doença está diminuindo e, à medida que diminui, o Brasil está em recuperação em 'V'. Nós devemos ter responsabilidade quanto ao nosso orçamento e devemos mostrar que somos responsáveis, e fortes, e resilientes o suficiente para pagar pela nossa guerra, ao invés de rolar [renovar a dívida] para nossas crianças no futuro”, concluiu.

Deixe seu Comentário

Leia Também

IMUNIZAÇÂO
Bolsonaro diz que vacina contra Covid não será obrigatória
NOVA ANDRADINA
Grupo que furtou moto de pátio do Detran é identificado pela polícia
NÚMEROS DA PANDEMIA
Brasil ultrapassa 154 mil mortes por Covid, com média móvel de 502 por dia
CAPITAL
Morto por advogado em acidente, Luciano estava na PM havia 6 anos
CONDENADO
'Cadeia imediatamente', diz Damares ao ser questionada sobre Robinho
FRONTEIRA
Homem de 45 anos morre em incêndio que destruiu casa de madeira
OPORTUNIDADE
MPE/MS abre inscrições para Concurso Público de Estagiários
RIBAS DO RIO PARDO
Homem morre 8 dias após ser 'pisoteado por égua' em fazenda
JUSTIÇA
Empresa é condenada por danos morais por não entregar ceia natalina
PARAGUAI
Jovem tenta entrar com dinamite em presídio onde estão membros do PCC

Mais Lidas

IDENTIFICADO
Vítima encontrada sem vida em bairro de Dourados tinha 17 anos
ACIDENTE
Criança de 3 anos se afoga em piscina de clube e socorristas tentam reanimação
DOURADOS
Homem é encontrado morto em frente residência no Parque das Nações I
CAMPO GRANDE
Mulher fica ferida após panela de pressão explodir em loja