quarta, 29 de junho de 2022
Dourados
26°max
15°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
CÂMARA

Governo é informado que fundo eleitoral terá de subir para R$ 5,7 bilhões

14 janeiro 2022 - 22h20Por G 1

Fontes da área econômica afirmaram nesta sexta-feira, dia 14 de janeiro, que foram alertados por técnicos da Câmara dos Deputados sobre a necessidade de "restabelecer" o valor de R$ 5,7 bilhões para o Fundo Especial de Financiamento de Campanha, popularmente chamado de "fundo eleitoral".

O Orçamento de 2022 foi aprovado pelo Congresso com um valor menor para o fundo, de R$ 4,9 bilhões. Mas, segundo os técnicos da Câmara, o montante não pode ser reduzido porque os R$ 5,7 bilhões já tinham sido estipulados na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que fixa as bases do orçamento.

Ao reduzir o fundo eleitoral, segundo essa interpretação, o governo estaria descumprindo as regras do orçamento. Os R$ 5,7 bilhões incluídos na LDO em julho foram vetados pelo presidente Jair Bolsonaro – mas, em dezembro, o Congresso derrubou o veto e restabeleceu esse cálculo.

A LDO prevê que, além de receber parte das emendas das bancadas parlamentares, o fundo seria composto por 25% dos recursos destinados à Justiça Eleitoral em 2021 e 2022. É este cálculo que resulta nos cerca de R$ 5,7 bilhões.

Durante a votação final do Orçamento de 2022, parlamentares a favor de reduzir o fundo eleitoral defendiam que os R$ 5,7 bilhões previstos na LDO eram apenas uma "autorização", e não uma obrigatoriedade. 

O governo debate, agora, de onde sairão os recursos para aumentar o fundo eleitoral – o Orçamento aprovado já tem uma defasagem de R$ 9 bilhões. Os técnicos da área econômica sugerem que o Congresso remaneje valores de outros recursos – de emendas parlamentares, por exemplo.

A decisão deve ser tomada até o dia 20, quando o governo pretende concluir o detalhamento do Orçamento de 2022.

Financiamento público

Se confirmada, a mudança injetará cerca de R$ 800 milhões adicionais no valor previsto atualmente para o fundo eleitoral. Esse fundo é abastecido com recursos públicos e representa a principal fonte de custeio das campanhas.

Todo esse dinheiro é dividido levando em conta, entre outros fatores, os votos para Câmara e Senado recebidos pelos partidos na eleição anterior. Em 2018, o fundo eleitoral foi de cerca de R$ 2 bilhões – pouco mais de um terço dos R$ 5,7 bilhões que podem ser, agora, restabelecidos para 2022.

O fundo com recursos públicos para o custeio de campanhas foi instituído pelo Congresso depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) proibiu o financiamento de campanhas por parte de empresas, em 2015. Esse modelo de financiamento era criticado por abrir espaço para corrupção e troca de favores entre políticos e empresários.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ORDEM DO DIA

Refic para quitação de débitos dos municípios é aprovado em 1ª

Contrabando avaliado em quase R$ 50 mil é apreendido em veículo abandonado
REGIÃO

Contrabando avaliado em quase R$ 50 mil é apreendido em veículo abandonado

Senado aprova MP que facilita empréstimos para produtores rurais
ECONOMIA

Senado aprova MP que facilita empréstimos para produtores rurais

POLÍTICA

TCU aprova contas do governo federal de 2021 com ressalvas

Autor de furto majorado e dois receptadores são detidos em investigação
REGIÃO

Autor de furto majorado e dois receptadores são detidos em investigação

EDUCAÇÃO

Publicado resultado do sorteio para cursos de qualificação profissional do IFMS

REGIÃO

Foragido da justiça é preso com maconha durante abordagem policial

ESPORTE

UFGD está com inscrições abertas para aulas gratuitas de natação e de hidroginástica

POLÍTICA

Senado pode votar hoje pacote de medidas sobre preço dos combustíveis

LEGISLATIVO DE MS

Laudir apresenta projeto para combate ao desperdício e doação de alimentos

Mais Lidas

DOURADOS

Jovem morre com tiro na cabeça e outro fica ferido no Terra Roxa

FEMINICÍDIO

Morre em hospital homem acusado de torturar e assassinar ex em MS

DOURADOS 

'Cansado' de traficar, jovem se apresenta em delegacia e entrega 'crack'

DOURADOS

Comerciantes que ficavam em posse de cartões de indígenas pagarão R$ 150 mil em indenização